sexta-feira, 25 de maio de 2018

UM CRISTÃO NA PRISÃO.

"O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia" (Provérbios 28:13). 
 
- É muito conhecida a história de que um rei resolveu visitar a prisão para saber os motivos que levaram cada um ao cárcere. Sempre fazia a mesma pergunta: "Por que você está preso?" E a resposta era sempre a mesma: "Por uma injustiça, majestade. Eu sou inocente". 
 
Ao chegar a uma determinada cela, viu um homem de cabeça baixa. Ele era um cristão. Mais uma vez o rei perguntou: "Por que você foi preso?" E o cristão, sem olhar para o rei, respondeu: "Estou aqui porque errei e mereci ser preso". 
 
O rei imediatamente chamou os guardas e ordenou: "Soltem esse homem. Ele é indigno de estar preso no meio de pessoas tão boas". 
 
Temos reconhecido as nossas faltas? Temos pedido perdão por nossos pecados? Temos buscado a Deus para que nossas vidas sejam transformadas e voltemos a alegrar o coração do Senhor? De que adianta esconder o pecado que habita em nossos corações? De que adianta fingir que somos bonzinhos e não precisamos de arrependimento? De que adianta deixar Deus em segundo plano se dependemos dEle para todas as nossas conquistas? 
 
A Palavra de Deus nos afirma que nunca prosperaremos se não nos aproximarmos do Senhor e contarmos com Sua ajuda na busca de nossos sonhos. Para que Deus nos abençoe, precisamos não somente confessar que erramos como abandonar a prática do pecado. Com Jesus ao nosso lado, teremos tudo, porém, sem Ele, não teremos nada. Você ainda crê que não precisa da ajuda de Deus?

Paulo Barbosa
Um cego na Internet
Cel Oi: 31 98990-8757
Tel USA: 407 309-3311
paulobarbosa@ministeriopararefletir.com.br
www.ministeriopararefletir.com.br
Ministério Para Refletir - 21 anos de bênçãos

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Deve o Crente Nunca Julgar?

A pergunta "É certo julgarmos?" atormenta muitos crentes sinceros. Muitos pastores e mestres respondem com sonoro "não", apelando para sentimentos e usando versos da Bíblia que os sinceros logo suspeitam estar algo fora de contexto e não anularem outros que, ao menos na aparência, se lhes opõem.
“Não julgueis, para que não sejais julgados. 2 Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.” Mt 07:01-02
Bem, um estudo da Bíblia (estudo mesmo, exigindo tempo, dedicação, esforço e, sobretudo, espírito realmente aberto a crê-la e aceitá-la), deixa claro que, concernente a certos assuntos vitais, julgar não apenas é correto como também um inequívoco mandamento. Muitos não sabem que
) A Escritura ORDENA que julguemos, é simplesmente rebeldia e pecado desobedecermos tais mandamentos.
. ... julgai segundo a reta justiça. (Jo 7:24); . ... julgaste bem. (Lc 7:43); . ... por que não julgais também por vós mesmos o que é justo? (Lc 12:57); . ...julgai vós mesmos o que digo ... (1Co 10:15); . Mas o que é espiritual discerne bem tudo, .... (1Co 2:15);
(há muitos outros versos, aguarde).
) Somos ordenados, ordenados julgar: FALSOS MESTRES e FALSOS ENSINOS.
"Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores." (Mt 7:15). Como poderíamos nos acautelar, conhecer esses lobos disfarçados, sem julgar???
- Que padrão usarmos para julgar?
. "À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles." (Is 8:20) . "Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?" (Mt 7:16) Avaliemos frutos pela Bíblia, não por nossos sentimentos. . "E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a DOUTRINA que aprendestes; desviai-vos deles. 18 Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples." (Rm 16:17-18). Se nunca julgarmos, nunca poderemos obedecer este verso! Deus quer que conheçamos nossa Bíblia e por ela testemos todos mestres e ensinos! Atenção: os responsabilizados pelas divisões são os falsos mestres com seus ensinos, não os que protestam contra os falsos mestres e seus falsos ensinos! Como discernir os falsos mestres? Eles, entre outras coisas: são os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina da Bíblia (o que ela DIZ, no seu contexto e dispensação), a doutrina dos apóstolos! São os que servem não ao Senhor mas ao seus ventres! São os que enganam os simples! Vejamos mais ordens, ordens do Senhor ... . "Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; E não toqueis nada imundo, E eu vos receberei" (2Co 6:17, ou 14-18). . "Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te." (2Tm 3:5). . "Mandamo-vos, porém, IRMÃOS, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo o IRMÃO que anda desordenadamente, e não segundo a tradição que de nós recebeu." (2Ts 3:6). . "E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as." (Ef 5:11). . "O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem." (Rm 12:9). . "Examinai tudo. Retende o bem." (1Ts 5:21).
- Seria impossível obedecermos todas essas ordens se não testássemos e julgássemos. E não lembrássemos que nada é bom (nem, ao menos, tolerável) aos olhos de Deus se não se alinha com Sua Palavra:
. "Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo." (1Jo 4:1) . "Porque já muitos enganadores entraram no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Este tal é o enganador e o anticristo. ... 10 Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. 11 Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras." (2Jo 1:7,10-11).
- Se você contribui para um orçamento denominacional que você sabe que sustenta pelo menos um modernista, uma pessoa que não crê algum dos pontos fundamentais da doutrina bíblica, você é culpado, perante Deus, de saúda-lo, de ser seu cúmplice em espalhar veneno levando almas ao Inferno! Obedeça a Deus no que Ele ORDENOU "saí do meio deles" (2Co 6:17), não tema sofrer:
"Se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará;" (2Tm 2:12)
3°) Mt 7:1 é freqüentemente tirado fora do contexto, é mal entendido e mau usado, analisemos Mt 7:1-5.
"1 Não julgueis, para que não sejais julgados. 2 Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. 3 E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? 4 Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? 5 Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão." . Estes versos são dirigidos a um hipócrita (v. 5) que a todos julga severamente demais, mas a si mesmo em nada se julga -- os versos NÃO são dirigidos àqueles que sinceramente anseiam discernir se um mestre e seu ensino se alinham com a Palavra de Deus. . Estes versos, longe de proibir o julgar reta e biblicamente (isto toda a Bíblia ordena), são uma solene advertência contra o julgamento hipócrita. Ademais, na realidade, o último verso da passagem ordena julgarmos com sinceridade: "... então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão." (v. 5) . Muitos que, fora do contexto, "piedosamente" citam "não julgueis" para defenderem algo que é contra a Palavra de Deus, não veem como são inconsistentes: na realidade, assim fazendo, eles estão julgando aqueles que simplesmente querem obedecer a Palavra de Deus quando ordena julgarmos aquilo que a contraria! . Julgar é inescapável, a questão é se vamos julgar quem quer obedecer ou se vamos julgar quem quer desobedecer à Palavra! ... . Quão trágico que tanta coisa contrária à Bíblia tome indevido abrigo debaixo de tão mal uso de Mt 7:1 ...
- A razão pela qual a cristandade está hoje irreconhecível de tão desbastada, degenerada e paralisada pelo satânico modernismo, é que os crentes não têm obedecido à ordem de Deus de radicalmentejulgarem e denunciarem + combaterem + expulsarem + afastarem-se + separarem-se dos falsos mestres e falsos ensinos, desde o primeiro instante que eles começaram a tentar introduzir seu primeiromilímetro no nosso meio. Saúde física só é mantida pela total separação dos germens causadores de doenças [como o Ebola], saúde espiritual só é mantida pela total separação dos germens portadores das falsas doutrinas. O maior de todos os perigos de nossos dias não é o julgarmos demais, mas sim o julgarmos de menos, os engodos espirituais. Deus quer que sejamos como os bereanos "... examinando [!] cada dia [!] nas Escrituras [!] se estas coisas eram assim [!]." At 17:11.
4°) Versos semelhantes (ver suas notas), dirigidos a hipócritas que a todos julgavam severamente (mas a si próprios não julgam):
- D.1. Rm 02:01-03 "Portanto, és inescusável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu, que julgas, fazes o mesmo. 2 E bem sabemos que o juízo de Deus é segundo a verdade sobre os que tais coisas fazem. 3 E tu, ó homem, que julgas os que fazem tais coisas, cuidas que, fazendo-as tu, escaparás ao juízo de Deus?". Isto de modo nenhum nos proíbe de reta e biblicamente julgarmos (primeiro discernindo; depois instruindo os sinceros e fracos; finalmente advertindo, repreendendo, denunciando, expulsando, radicalmente se separando e combatendo os rebeldes, como Jesus aos fariseus e Lutero ao romanismo): o texto é dirigido a hipócritas que a todos julgam do modo errado (severamente sentenciando e executando quanto à vida eterna [e, se possível, tirando a vida física]), mas a si próprios em nada se julgam (como os fariseus julgaram sentenciando e executando a Cristo, e o papismo aos verdadeiros crentes, na Inquisição); - D.2. Tg 4:11-12 "Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. 12 Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?". Isto de modo nenhum nos proíbe de reta e biblicamente julgarmos: o texto é dirigido a hipócritas que a todos julgam do modo errado, e a si próprios em nada se julgam; - D.3. Mt 13:24-30, (explicada em 36-43) (PARÁBOLA DO JOIO E DO TRIGO: durante a dispensação da Graça e na Tribulação, há o crente falso disfarçado de real, e há erro sutilmente inoculado pelo Diabo, disfarçada mas terrivelmente corrompendo a massa) "... O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no seu campo; 25 Mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou joio no meio do trigo, e retirou-se. 26 E, quando a erva cresceu e frutificou, apareceu também o joio. 27 E os servos do pai de família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu, no teu campo, boa semente? Por que tem, então, joio? 28 E ele lhes disse: Um inimigo é quem fez isso. E os servos lhe disseram: Queres pois que vamos arrancá-lo? 29 Ele, porém, lhes disse: Não; para que, ao colher o joio, não arranqueis também o trigo com ele. 30 Deixai crescer ambos juntos até à ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas, o trigo, ajuntai-o no meu celeiro. ... 37 ... O que semeia a boa semente, é o Filho do homem; 38 O campo é o mundo; e a boa semente são os filhos do reino; e o joio são os filhos do maligno; 39 O inimigo, que o semeou, é o diabo; e a ceifa é o fim do mundo; e os ceifeiros são os anjos. 40 Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo. ..." . Aqueles contrários a qualquer disciplina, denúncia ou separatismo dizem "nunca digamos nenhuma palavra nem tomemos nenhuma ação contra nada nem ninguém, para não arriscarmos estar arrancando trigo por joio, só Deus pode fazer isto, ao final". . Mas, pela Bíblia, dizemos da parábola do joio Mt 13:24-30,36-43: Há 2 grupos no mundo: os filhos de Deus (aqueles que receberam Cristo Jo 1:12) e os filhos do Diabo (aqueles que rejeitaram Cristo Jo 8:44).
Quando quaisquer dos filhos do inimigo, oh quão disfarçadamente, se introduzem na nossa igreja (quão usual!), a Palavra de Deus nos dá um procedimento bem definido, a seguirmos:
A) temos a obrigação de dizer-lhes "não tendes parte nem sorte em Cristo" (At 8:21-23 e contexto); B) se eles não saírem voluntariamente (quão usual!), temos a obrigação de expulsá-los do nosso meio (1Co 5:7); C) se nós desobedecermos (quão usual! quão trágico!), eles terminarão tomando o controle; D) a este ponto sem volta, os que se propuseram ser fiéis a Cristo e Sua Palavra são ordenados "... saí do meio deles, e apartai-vos, diz o SENHOR ..." (2Co 6:17), mesmo que completamente percam propriedades e coisas mais importantes, E) o fiel não se guia pelo coração (Jr 17:9), nem pelo temor das consequências (conveniências, admiração e amizades, perda total de propriedades, etc.) (nem sequer cogita dessas consequências) , não tem outro alvo que ser fiel, não tem outro temor que não ser fiel. Quando obedecemos à Palavra de Deus, podemos confiar que Ele estará tomando conta de todas as consequências da nossa obediência.
- A Bíblia nunca se contradiz, para entendermos um verso temos que vê-lo à luz de quem está falando e a quem, e referente a qual dispensação; à luz do contexto imediato; e à luz do contexto de toda a Escritura "... nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação." 2Pe 1:20; "... comparando as coisas espirituais com as espirituais." 1Co 2:13.
5°) Outros assuntos a serem julgados: - Conduta imoral: "Geralmente se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, ... 13 ... Tirai, pois, dentre vós a esse iníquo. " (2Co 5:1,13);
- Disputas por coisas desta vida, particularmente disputas levadas à justiça governamental: "1 Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo perante os injustos, e não perante os santos? ... 3 Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida?" (1Co 6:1-8).
6°) Deveríamos nos julgar a nós mesmos.
Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados. (2Co 13:5) Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. (1Co 11:31)
. Que mudança e que bênção se julgássemos nossas próprias falhas tão impiedosamente quanto fazemos às dos outros -- e se julgássemos as dos outros tão caritativamente quanto fazemos com as nossas! . Quanto nos pouparíamos de muitas punições corretivas de Deus, se julgássemos e confessássemos e cessássemos nossa desobediência a Deus! . E, Oh, quanto pouparíamos nosso abençoado Senhor da desonra e falta de frutos das nossas vidas!
7°) Limitações do julgamento humano - Não podemos julgar meras questões de consciência (que não têm explícita ordem nem é indiscutível implicação da Bíblia)
. "1 Ora, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas. ... 3 O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; ... 13 Assim que não nos julguemos mais uns aos outros; antes seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao irmão. ..." (Rm 14:1) . "23 Mas, se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; ... 29 Digo, porém, a consciência, não a tua, mas a do outro. .... 32 Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à igreja de Deus." (1Co 10:23-33) . "16 ... ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, 17 Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo." (Cl 2:16-17).
- Não podemos julgar motivos. Só Deus pode ver o coração, nós só podemos agir sobre as ações.
"... 5 Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor." (1Co 4:1-5)
- Não podemos sentenciar que não é salvo quem professa sê-lo, professa-o pelos motivos bíblicos, "... O Senhor conhece os que são seus ..." 2Tm 2:19. Mas é melhor que testemos a nós mesmos, de acordo com "... se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." 2Co 5:17
8°) O princípio mais fundamental ao julgarmos . {krino} às vezes significa discernir, decidir, determinar, testar, ponderar, questionar, distinguir. Deus quer que questionemos, testemos, ponderemos, discirnamos, determinemos, decidamos, distingamos aos pregadores e mestres, com seus ensinos, se se alinham perfeitamente com a Bíblia:
"Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal." (He 5:14).
. {krinos} às vezes significa julgar sentenciando, condenando, e punindo. Isto é prerrogativa de Deus,
"Não vos vingueis a vós mesmos, ... Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor." (Rm 12:19).
. Crentes devem discernir, não se vingarem. Discernir, não julgarem sentenciando e punindo por negar a vida eterna e desejando a morte. Discernir sinceramente, não hipocritamente. Discernir pela Palavra, não pela carne farisaica, pelo nem coração carnal. 9°) Guardemo-nos contra uma atitude errada Os crentes devem se guardar contra a tendência (da carne) de assumir atitude crítica, de censor, contra aqueles que não compartilham suas [exatíssimas] meras opiniões sobre assuntos outros que aqueles das doutrinas e conduta moral claramente ensinadas na Bíblia. Ao invés de "reduzir a pedaços" nossos irmãos em Cristo, é nosso privilégio (e dever) fazer tudo que pudermos para encorajarmos seus crescimentos espirituais. Devemos amar e orar um pelos outros, e olhar por nós mesmos para que não sejamos também tentados.
10°) Uma palavra final - Se tu já foste eternamente salvo, meu leitor, não esqueçamos que "... todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo ..." (2Co 5:10). Ganharão aqueles que estão estudando a Palavra de Deus, andando em função e à luz dela, vivendo para Cristo e para a salvação de almas. Perderão aqueles que, embora tenham aceito Cristo, estão vivendo para as coisas deste mundo.
- Se tu meramente professas Cristo de lábios, ou não professas nada, então, meu amigo, permite-me amorosamente relembrar-te que "... já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus; e, se primeiro começa por nós, qual será o fim daqueles que são desobedientes ao evangelho de Deus?" (1Pe 4:17). Não adies sequer mais um outro minuto para pedir que Deus te perdoe os pecados, por causa de Cristo. Rende teu coração e tua vontade ao amoroso Salvador que morreu por ti. Faze-O Senhor de tua vida. Feliz e abençoado serás, agora e para sempre.
Baseado em Franklin G. Huling. Resumido e [muito] não rigidamente adaptado, por Hélio de Menezes Silva, dez.2001.
 
https://www.facebook.com/notes/megafone-protestante/deve-o-crente-nunca-julgar/511144572583460/

sexta-feira, 30 de março de 2018

NA NOSSA QUARTA-FEIRA - O DIA EM QUE MORREU JESUS.

O DIA EM QUE MORREU JESUS.


Quando lemos as Escrituras, a primeira vista, começamos acreditar, erroneamente, que Jesus foi crucificado num determinado dia da semana que, realmente, não condiz com a verdade.

Mas surge uma primeira pergunta: Qual a importância de sabermos o dia exato da morte de Jesus, já que foi há muito tempo atrás?

Deus trabalha de maneira a apontar-nos os caminhos e significados da sua obra, e repete-se de tempos em tempos para que não percamos de vista o que Ele tem nos feito através dos tempos, e como todo o "Velho Testamento" aponta para Jesus, toda a obra de Jesus aponta para a salvação, para a nova Jerusalém, para o Reino eterno. Deus marca o tempo: O memorial da criação, com seis dias de trabalho e o sétimo Deus reservou ao homem para estar com Ele, e que se faz repetir no deserto quando o Senhor envia o maná ao povo hebreu, com porção dobrada no sexto dia. Há outros sinais, como os doze filhos de Jacó, que formam as dozes tribos, os doze apóstolos, os três patriarcas – a Trindade; as sete igrejas declaradas no Livro de Apocalipse, os sete continentes, entre inúmeras repetições descritas por toda a Bíblia Sagrada. E o dia da morte de Jesus se faz mais importante, não por ela mesma mas pelo dia de sua ressurreição, a qual é marcada pelo sinal de Jonas, ou seja, três dias e três noite no ventre do peixe, ou melhor, no "ventre" da terra.

A Bíblia é clara: Jesus morreu na Sexta-feira. Onde está o erro, então?

A Palavra de Deus não diz que Ele morreu numa Sexta-feira, e sim numa véspera de Sábado.

E qual a diferença entre Sexta-feira e véspera de Sábado?

Devemos, então, voltarmos à história e entendermos o que é para os judeus o Sábado, ou seja, o Shabbat.

Shabbat, conforme o dicionário da Bíblia de Estudo Almeida, corresponde a: cessar; deixar de fazer algo, descansar. Na grande maioria dos casos, o shabbat é o sétimo dia da semana, ou seja, é o nosso dia de Sábado. É considerado, também, shabbat os dias de grande festividade religiosa, que nem sempre coincidiam com o sétimo dia semanal. Como exemplo a Páscoa, que é celebrada pelos judeus no mês primeiro, aos catorze do mês, no crepúsculo da tarde (mês de abibe ou nisã, equivalente ao nosso calendário março/abril). Eis aqui mais um sinal de Deus: Jesus foi morto à véspera da páscoa, no crepúsculo da tarde sepultado.

Mas voltando ao assunto da véspera de Sábado, ou do shabbat, podemos comprovar que não é necessariamente a nossa Sexta-feira, mas sim véspera de um dia de descanso, podendo ser um Sábado semanal ou um Sábado, coincidente ou não com o sétimo dia da semana, de grande festa dos judeus.

Mas como se comprova o dia semanal que Jesus morreu não foi a Sexta-feira?

Para melhor compreensão será usado a palavra hebraica shabbat no lugar da palavra portuguesa Sábado.

Conforme orientação de Jesus (Jo 5:39) e elogios de Paulo (At 17:11), é o nosso dever examinar as Escrituras.

Examinando em Jo 19:31 conseguimos o primeiro indício de que Shabbat estava sendo relatado: "... pois era grande o dia daquele Shabbat...". Outro dado importante no início desse nosso estudo: Jesus foi sepultado no final da tarde, quando já iniciava-se o Shabbat (Lc 23:54 / Mt 27:57). Em tempo, os judeus marcam os seus dias iniciando-os no pôr-do-sol de um dia até o pôr-do-sol seguinte.

Até agora vimos que Jesus foi morto na véspera de um Shabbat e sepultado ao anoitecer. Aqui começa a contagem dos dias:

O dia seguinte à morte de Jesus era Shabbat, portando descansaram segundo o mandamento (Lc 23:56).

Portando já temos:
  1. O dia da morte de Jesus – véspera do shabbat;
  2. O dia seguinte – um dia de descanso – o shabbat.
Continuando a história, percebemos em Mc 16:1, que passado o shabbat algumas mulheres compraram aromas para ungirem a Jesus.
Agora já descobrimos:

  1. O dia da morte de Jesus – véspera do shabbat;
  2. O dia seguinte – um dia de descanso – o shabbat.
  3. Depois do shabbat as mulheres foram comprar aromas para ungir a Jesus.
Nesse momento é necessário muita atenção e raciocínio lógico, pois esse dia seguinte não é narrado, porém é de fácil percepção quando analisado cuidadosamente.

Nos quatro evangelhos – Mateus, Marcos, Lucas e João -, é narrado o encontro do sepulcro vazio, com pequenas diferenças que não se fazem importantes:

Em Mateus 28:1 relata no findar do shabbat, ao entrar o primeiro dia da semana (Domingo); em Marcos (16:2), e no primeiro dia da semana (Domingo), de manhã cedo, ao nascer do sol; Lucas 24:1 relata que no primeiro dia da semana (Domingo), alta madrugada, foram levar os aromas que haviam preparado. João 20:1 narra que no primeiro dia da semana (Domingo) Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro. Vimos aqui que logo ao findar o shabbat ou antes de clarear o primeiro dia da semana, as mulheres que foram comprar os aromas, foram até ao túmulo levando os aromas comprados logo após o shabbat.

Assim temos:
  1. O dia da morte de Jesus – véspera do shabbat;
  2. O dia seguinte – um dia de descanso – o shabbat.
  3. Depois do shabbat as mulheres foram comprar aromas para ungir a Jesus.
  4. O primeiro dia da semana, ou seja o Domingo, antes de clarear o dia, que já não encontraram o corpo.

Olhando para os dias relatados notamos um desacerto, pois se descansaram o shabbat, e após ele foram fazer compras, e, as mesmas mulheres, foram no primeiro dia da semana, antes de clarear o dia, até o sepulcro. Há algo estranho, não é mesmo?

Voltemos um pouco na história da vida de Jesus. Em Mateus 12:39-40 temos uma antecipação de Jesus para entendermos a história: O sinal de Jonas. Ele, Jesus, estaria três dias e três noites no coração da terra.

Então usemos de coerência e raciocínio. Se depois do shabbat as mulheres foram comprar aromas, e se essas mesmas mulheres foram no primeiro dia da semana ao sepulcro logo cedo, podemos concluir que, à luz de informações anteriores sobre o shabbat, nessa semana houve dois shabbat, um religioso e um semanal, sendo o segundo não relatado, porém subentendido.

Fechemos a conta agora dos dias, e descobriremos o dia que Jesus morreu, e o dia que Ele ressuscitou.

Voltemos um pouco na história da vida de Jesus. Em Mateus 12:39-40 temos uma antecipação de Jesus para entendermos a história: O sinal de Jonas. Ele, Jesus, estaria três dias e três noites no coração da terra.

Trazendo, agora, para os dias da semana usados atualmente.
  1. Jesus morreu numa Quarta-feira às 15:00 horas aproximadamente (hora nona) Mc 15:34, 37.
  2. Jesus foi sepultado ao anoitecer, iniciando a contagem – Primeira noite (Quarta-feira).
  3. Houve descanso do shabbat da páscoa – Primeiro dia e Segunda noite (Quinta-feira).
  4. As mulheres saem para comprar e preparar os aromas – Segundo dia e terceira noite (Sexta-feira).
  5. Houve o descanso do shabbat semanal – Terceiro dia (Sábado).
  6. Jesus ressuscita.
  7. As mulheres vão ao sepulcro ao iniciar o primeiro dia da semana (Domingo) e encontram o túmulo vazio.

Podemos afirmar, à luz dos evangelhos, que Jesus morreu numa Quarta-feira, e ressuscitou ao findar o shabbat (por-do-sol) e início do primeiro dia da semana. Trazendo para os nossos dias semanais, certamente Jesus ressuscitou ao terceiro dia, isto é no Sábado, iniciando assim mais uma semana profética de, a partir de sua ressurreição, os homens já não são mais escravos do pecado e tem um novo Senhor, que nos comprou pagando com o Seu próprio sangue, e formando uma nova nação, a nação dos salvos, daqueles que herdarão a vida eterna, do reino que é sobre todos os reinos, sendo Jesus nosso Soberano Rei e Senhor.

Celso L S Guerche.


Só use as duas Bíblias traduzidas rigorosamente por equivalência formal a partir do Textus Receptus (que é a exata impressão das palavras perfeitamente inspiradas e preservadas por Deus), dignas herdeiras das KJB-1611, Almeida-1681, etc.: a ACF-2011 (Almeida Corrigida Fiel) e a LTT (Literal do Texto Tradicional), que v. pode ler e obter em BibliaLTT.org, com ou sem notas).



(Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)

terça-feira, 20 de março de 2018

"Eu tenho dó dessa geração evangélica.

"Eu tenho dó dessa geração evangélica.

O julgamento das prostitutas, dos drogados e traficantes, dos chefes de estado, dos Hitlers, dos Mussolinis e dos Stálins vai ser a primeira seção, a mais leve do julgamento.

O festival de horrores vai ser quando a igreja for julgada, pelos seus crimes cometidos. Não contra o Estado, não contra a esposa, não contra o próprio corpo mas contra a Santidade de DEUS, contra a majestade, a Glória e a Justiça de DEUS.

Nós deveríamos cair todos aqui de joelhos, e chorar porque toda terra escarnece da Glória de DEUS, ultrajante o sangue do Cordeiro, pecam desenfreadamente contra a Santidade de DEUS. E nós, entramos nessas estatísticas, nós deveríamos chorar.

David Brainerd, no seu diário morreu com 29 anos, um jovem pobre. Sabe qual era o motivo do seu choro, o maior motivo do seu choro? "SENHOR, os homens não dão Glória a DEUS, os homens não te dão a Glória devida." Você imagina: se nem a igreja dá quanto mais o ímpio. Nós precisamos crescer no conhecimento de DEUS igreja.

"Não havendo visão o povo perece" Não havendo visão de DEUS meu povo se perde por falta de conhecimento" por falta de conhecimento de DEUS dos seus atributos, da sua personalidade, do seu caráter. Lágrimas desceram, quando você imaginou que a presença Dele desceria nesse monte e falaria ao coração dos homens e escreveria as Leis nos seus corações e colocaria o temor Dele para que não apartassem Dele. Não mais através de sangue de bodes e touros não tendo mais mediadores e medianeiros humanos, não mais tendo véus ou sacerdotes mas falando a cada um no seu próprio coração.

Daqui alguns anos você vai está morto, você sabe disso morto! Morto! O que Charles Studd disse: "Uma vida só e logo passará; e somente o que for feito por CRISTO permanecerá".

Pr. Paulo Junior

sábado, 10 de fevereiro de 2018

3 características da pregação expositiva

3 características da pregação expositiva

 Artigos
 Albert Mohler Jr.
3 caracteristicas da pregacao expositivaA pregação expositiva autêntica é marcada por três características distintas: autoridade, reverência e centralidade. A pregação expositiva é autoritativa porque se firma sobre a própria autoridade da Bíblia como a palavra de Deus. Tal pregação requer e reforça um senso de expectativa reverente por parte do povo de Deus. Por fim, a pregação expositiva demanda uma posição central na adoração cristã e é respeitada como o evento pelo qual a palavra viva de Deus fala com Seu povo.

Uma análise cuidadosa de nossa era contemporânea foi feita pelo sociólogo Richard Sennet, da Universidade de New York. Sennet nota que, em tempos passados, uma grande ansiedade da maioria das pessoas era a perda da autoridade governamental. Hoje a mesa virou, e as pessoas modernas ficam ansiosas por conta de qualquer autoridade sobre elas: “Agora tememos a influência da autoridade como uma ameaça a nossas liberdades, na família e na sociedade em geral”. Se as gerações anteriores temiam a ausência de autoridade, hoje vemos “um medo da autoridade, quando ela existe”.

Alguns especialistas em homilética sugerem que os pregadores deveriam simplesmente abraçar essa nova cosmovisão e desistir de afirmar terem uma mensagem autoritativa. Aqueles que perderam a confiança na autoridade da Bíblia como a palavra de Deus tem pouco a dizer e nenhuma autoridade em sua mensagem. Fred Craddock, uma das figuras mais influentes no pensamento homilético recente, descreve de forma pontual o pregador atual como “alguém sem autoridade”. O retrato que ele pinta dos predicados do pregador é assustador: “O velhos pregos e parafusos enferrujam no casco enquanto o ministro tenta guiar seu povo pelas águas pantanosas das relatividades e possibilidades”. “Não é mais possível ao pregador pressupor o reconhecimento geral de sua autoridade como clérigo, ou a autoridade de sua instituição, ou a autoridade da Escritura”, Craddock argumenta. Resumindo a situação do pregador pós-moderno, ele relata que o pregador “se questiona seriamente se deveria continuar provendo monólogos em um mundo dialógico”.

A questão óbvia a se fazer à análise de Craddock é essa: se não temos qualquer mensagem autoritativa, por que pregar? Sem autoridade, o pregador e a congregação estão envolvidos em uma perda de tempo massiva. A própria ideia de que a pregação pode ser transformada em um diálogo entre o púlpito e os bancos indica a confusão de nossa era.

Em contraste com isso está o tom de autoridade encontrado em qualquer pregação expositiva. Como Martyn Lloyd-Jones nota:

Qualquer estudo da história da igreja, e particularmente qualquer estudo dos grandes períodos de reavivamento, demonstra acima de tudo esse único fato: que a igreja cristã durante todos esses períodos falou com autoridade. A grande característica de todos os reavivamentos tem sido a autoridade do pregador. Parecia haver algo novo, extra e irresistível naquilo que ele declarava em nome de Deus.

O pregador se atreve a falar em nome de Deus. Ele sobe ao púlpito como um mordomo “dos mistérios de Deus” (1 Coríntios 4:1) e declara a verdade da palavra de Deus, proclama o poder dessa palavra, e aplica a palavra à vida. Esse é certamente um ato audacioso. Ninguém deveria sequer contemplar tal empreitada sem ter confiança absoluta em um chamado divino para pregar e na autoridade imaculada das Escrituras.

Em última análise, a autoridade suprema da pregação é a autoridade da Bíblia como palavra de Deus. Sem essa autoridade, o pregador está nu e calado perante a congregação e o mundo que o assiste. Se a Bíblia não é a palavra de Deus, o pregador está envolto em um ato de auto-ilusão ou pretensão profissional.

Permanecendo na autoridade da Escritura, o pregador declara uma verdade recebida, não uma mensagem inventada. O ofício do ensino não é um papel de aconselhamento baseado em experiência religiosa, mas uma função profética na qual Deus fala com seu povo.

A pregação expositiva também é marcada pela reverência. A congregação reunida perante Esdras e os outros pregadores demonstravam amor e reverência pela palavra de Deus (Neemias 8). Quando o livro era lido, o povo se levantava. Esse ato de se levantar revela o coração do povo e seu senso de expectativa conforme a palavra era lida e pregada.

A pregação expositiva requer uma atitude de reverência por parte da congregação. Pregação não é um diálogo, mas envolve pelo menos duas partes – o pregador e a congregação. O papel da congregação na pregação é de ouvir, receber e obedecer a palavra de Deus. Ao fazê-lo, a igreja demonstra reverência pela pregação e ensino da Bíblia e entende que o sermão traz a palavra de Cristo para perto da congregação. Isso é verdadeira adoração.

Por falta de reverência pela palavra de Deus, muitas congregações se veem em uma busca frenética por significado em sua adoração. Cristãos saem do culto perguntando uns aos outros: “você entendeu alguma coisa daquilo?”. Igrejas realizam pesquisas para medir as expectativas: vocês gostariam de mais música? De que tipo? E teatro? Nosso pregador é criativo o suficiente?

A pregação expositiva requer um conjunto de questões bem diferente. Eu vou obedecer a palavra de Deus? Como eu preciso moldar meu pensamento à Escritura? Como eu devo mudar meu comportamento para ser plenamente obediente à palavra? Essas questões revelam submissão à autoridade de Deus e reverência pela Bíblia como sua palavra.

De forma semelhante, o pregador deve demonstrar sua própria reverência pela palavra de Deus ao lidar de forma fiel e responsável com o texto. Ele não deve ser irreverente ou casual, muito menos desrespeitoso ou arrogante. Disso estamos certos, nenhuma congregação reverencia mais a Bíblia do que seu pregador.

Se a pregação expositiva é autoritativa, e se demanda reverência, ela também deve estar no centro da adoração cristã. Um culto propriamente direcionado para a honra e glória de Deus encontrará seu centro na leitura e pregação da palavra de Deus. A pregação expositiva não pode receber um papel secundário no ato da adoração – ela deve ser central.

Durante a Reforma, o propósito que movia Lutero era o de restaurar a pregação ao lugar apropriado na adoração cristã. Se referindo ao incidente entre Maria e Marta em Lucas 10, Lutero lembrou sua congregação e os estudantes sob ele que Jesus Cristo declarou que “uma só coisa” é necessária, a pregação da palavra (Lucas 10:42). Assim, a preocupação central de Lutero era de reformar a adoração nas igrejas ao reestabelecer nelas a centralidade da leitura e pregação da palavra.

A mesma reforma é necessária no evangelicalismo atual. A pregação expositiva deve mais uma vez ser central na vida da igreja e central na adoração cristã. No fim, a igreja não será julgada pelo Senhor pela qualidade de sua música, mas pela fidelidade de sua pregação.

Quando os evangélicos de hoje falam casualmente da distinção entre adoração e pregação (dizendo que a igreja vai desfrutar de uma oferta de música antes de acrescentar um pouquinho de pregação), estão acusando o golpe de sua falta de entendimento tanto de adoração quanto do ato da pregação. Adoração não é algo que fazemos antes de nos sentarmos para ouvir a palavra de Deus; é o ato pelo qual o povo de Deus dirige toda sua atenção para o único vivo e verdadeiro Deus que fala com eles e recebe seu louvor. Deus é louvado da forma mais bela quando seu povo ouve sua palavra, ama sua palavra e obedece sua palavra.

Assim como na Reforma, o corretivo mais importante para nossa deturpação da adoração (e defesa contra as demandas consumistas correntes) é o retorno correto da pregação expositiva e da leitura pública da palavra de Deus à primazia e centralidade na adoração. Apenas assim a “joia perdida” será verdadeiramente redescoberta.

Fonte: Reforma 21

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

30 DE DEZEMBRO - LEITURA BÍBLICA ANUAL - PROFETA MALAQUIAS.


O Tema do livro de Malaquias é a repreensão, a ira do Senhor contra os maus sacerdotes que faziam a obra de Deus relaxadamente e de forma contrária ao que dizia a Lei a esse respeito.  Até mesmo os dízimos dos dízimos que lhes eram entregue, deixavam de levar ao Templo de Jerusalém. Por isso foram chamados de ladrões e amaldiçoadas as suas colheitas e toda a nação.  Esses versos abaixo dizem bem a quem realmente o livro do profeta foi escrito:

1.9,10: "E agora, sacerdotes, tentem apaziguar a Deus para que tenha compaixão de nós! Será que com esse tipo de oferta ele os atenderá? ", pergunta o Senhor dos Exércitos. Ah, se um de vocês fechasse as portas do templo. Assim ao menos não acenderiam o fogo do meu altar inutilmente. Não tenho prazer em vocês", diz o Senhor dos Exércitos, "e não aceitarei as suas ofertas."
2.1:  "E agora esta advertência é para vocês, ó sacerdotes...."


Malaquias 1



1 Uma advertência: a palavra do Senhor contra Israel, por meio de Malaquias.
2 "Eu sempre os amei", diz o Senhor. "Mas vocês perguntam: ‘De que maneira nos amaste? ’ "Não era Esaú irmão de Jacó? ", declara o Senhor. "Todavia eu amei Jacó,
3 mas rejeitei Esaú. Transformei suas montanhas em terra devastada e as terras de sua herança em morada de chacais do deserto. "
4 Embora Edom afirme: "Fomos esmagados, mas reconstruiremos as ruínas", assim diz o Senhor dos Exércitos: "Podem construir, mas eu demolirei. Eles serão chamados Terra Perversa, povo contra quem o Senhor está irado para sempre.
5 Vocês verão isso com os próprios olhos e exclamarão: Grande é o Senhor, até mesmo além das fronteiras de Israel!
6 "O filho honra seu pai, e o servo o seu senhor. Se eu sou pai, onde está a honra que me é devida? Se eu sou senhor, onde está o temor que me devem? ", pergunta o Senhor dos Exércitos a vocês, sacerdotes. "São vocês que desprezam o meu nome! " "Mas vocês perguntam: ‘De que maneira temos desprezado o teu nome? ’
7 "Trazendo comida impura ao meu altar! "E mesmo assim ainda perguntam: ‘De que maneira te desonramos? ’ "Ao dizerem que a mesa do Senhor é desprezível.
8 "Na hora de trazerem animais cegos para sacrificar, vocês não vêem mal algum. Na hora de trazerem animais aleijados e doentes como oferta, também não vêem mal algum. Tentem oferecê-los de presente ao governador! Será que ele se agradará de vocês? Será que os atenderá? ", pergunta o Senhor dos Exércitos.
9 "E agora, sacerdotes, tentem apaziguar a Deus para que tenha compaixão de nós! Será que com esse tipo de oferta ele os atenderá? ", pergunta o Senhor dos Exércitos.
10 "Ah, se um de vocês fechasse as portas do templo. Assim ao menos não acenderiam o fogo do meu altar inutilmente. Não tenho prazer em vocês", diz o Senhor dos Exércitos, "e não aceitarei as suas ofertas.
11 Pois do oriente ao ocidente grande é o meu nome entre as nações. Em toda parte incenso e ofertas puras são trazidos ao meu nome, porque grande é o meu nome entre as nações", diz o Senhor dos Exércitos.
12 "Mas vocês o profanam ao dizerem que a mesa do Senhor é imunda e que a sua comida é desprezível.
13 E ainda dizem: ‘Que canseira! ’ e riem dela com desprezo", diz o Senhor dos Exércitos. "Quando vocês trazem animais roubados, aleijados e doentes e os oferecem em sacrifício, deveria eu aceitá-los de suas mãos? ", pergunta o Senhor.
14 "Maldito seja o enganador que, tendo no rebanho um macho sem defeito, promete oferecê-lo e depois sacrifica um animal defeituoso", diz o Senhor dos Exércitos; "pois eu sou um grande rei, e o meu nome é temido entre as nações. "

Malaquias 2



1 "E agora esta advertência é para vocês, ó sacerdotes.
2 Se vocês não derem ouvidos e não se dispuserem a honrar o meu nome", diz o Senhor dos Exércitos, "lançarei maldição sobre vocês, e até amaldiçoarei as suas bênçãos. Aliás já as amaldiçoei, porque vocês não me honram de coração.
3 "Por causa de vocês eu vou destruir a sua descendência; esfregarei na cara de vocês os excrementos dos animais oferecidos em sacrifício em suas festas e lançarei vocês fora, juntamente com os excrementos.
4 Então vocês saberão que fui eu que lhes dei esta advertência para que a minha aliança com Levi fosse mantida", diz o Senhor dos Exércitos.
5 "A minha aliança com ele foi uma aliança de vida e de paz, que de fato lhe dei para que me temesse. Ele me temeu, e tremeu diante do meu nome.
6 A verdadeira lei estava em sua boca e nenhuma falsidade achou-se em seus lábios. Ele andou comigo em paz e retidão, e desviou muitos do pecado.
7 "Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e da sua boca todos esperam a instrução na lei, porque ele é o mensageiro do Senhor dos Exércitos.
8 Mas vocês se desviaram do caminho e pelo seu ensino causaram a queda de muita gente; vocês quebraram a aliança de Levi", diz o Senhor dos Exércitos.
9 "Por isso eu fiz que fossem desprezados e humilhados diante de todo o povo, porque vocês não seguem os meus caminhos, mas são parciais quando ensinam a lei. "
10 Não temos todos o mesmo Pai? Não fomos todos criados pelo mesmo Deus? Por que será então que quebramos a aliança dos nossos antepassados sendo infiéis uns com os outros?
11 Judá tem sido infiel. Uma coisa repugnante foi cometida em Israel e em Jerusalém; Judá desonrou o santuário que o Senhor ama; homens casaram-se com mulheres que adoram deuses estrangeiros.
12 Que o Senhor lance fora das tendas de Jacó o homem que faz isso, seja ele quem for, mesmo que esteja trazendo ofertas ao Senhor dos Exércitos.
13 Há outra coisa que vocês fazem: Enchem de lágrimas o altar do Senhor; choram e gemem porque ele já não dá atenção às suas ofertas nem as aceita com prazer.
14 E vocês ainda perguntam: "Por quê? " É porque o Senhor é testemunha entre você e a mulher da sua mocidade, pois você não cumpriu a sua promessa de fidelidade, embora ela fosse a sua companheira, a mulher do seu acordo matrimonial.
15 Não foi o Senhor que os fez um só? Em corpo e em espírito eles lhe pertencem. E por que um só? Porque ele desejava uma descendência consagrada. Portanto, tenham cuidado: Ninguém seja infiel à mulher da sua mocidade.
16 "Eu odeio o divórcio", diz o Senhor, o Deus de Israel, e "o homem que se cobre de violência como se cobre de roupas", diz o Senhor dos Exércitos. Por isso tenham bom senso; não sejam infiéis.
17 "Vocês têm cansado o Senhor com as suas palavras. ‘Como o temos cansado? ’, vocês ainda perguntam. Quando dizem: ‘Todos os que fazem o mal são bons aos olhos do Senhor, e ele se agrada deles’ e também quando perguntam: ‘Onde está o Deus da justiça? ’ "

Malaquias 3









Quando a liderança espiritual do povo é corrompida, as consequências vêm sobre toda a nação, assim foi com Judá, assim também é hoje. 


1 "Vejam, eu enviarei o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim. E então, de repente, o Senhor que vocês buscam virá para o seu templo; o mensageiro da aliança, aquele que vocês desejam, virá", diz o Senhor dos Exércitos.
2 Mas quem suportará o dia da sua vinda? Quem ficará de pé quando ele aparecer? Porque ele será como o fogo do ourives e como o sabão do lavandeiro.
3 Ele se sentará como um refinador e purificador de prata; purificará os levitas e os refinará como ouro e prata. Assim trarão ao Senhor ofertas com justiça.
4 Então as ofertas de Judá e de Jerusalém serão agradáveis ao Senhor, como nos dias passados, como nos tempos antigos.
5 "Eu virei a vocês trazendo juízo. Sem demora vou testemunhar contra os feiticeiros, contra os adúlteros, contra os que juram falsamente e contra aqueles que exploram os trabalhadores em seus salários, que oprimem os órfãos e as viúvas e privam os estrangeiros dos seus direitos, e não têm respeito por mim", diz o Senhor dos Exércitos.
6 "De fato, eu, o Senhor, não mudo. Por isso vocês, descendentes de Jacó, não foram destruídos.
7 Desde o tempo dos seus antepassados vocês se desviaram dos meus decretos e não os obedeceram. Voltem para mim e eu voltarei para vocês", diz o Senhor dos Exércitos. "Mas vocês perguntam: ‘Como voltaremos? ’
8 "Pode um homem roubar de Deus? Contudo vocês estão me roubando. E ainda perguntam: ‘Como é que te roubamos? ’ Nos dízimos e nas ofertas.
9 Vocês estão debaixo de grande maldição porque estão me roubando; a nação toda está me roubando.
10 Tragam o dízimo todo ao depósito do templo (templo de Jerusalém) para que haja alimento em minha casa. Ponham-me prova", diz o Senhor dos Exércitos, "e vejam se não vou abrir as comportas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las.
11 Impedirei que pragas devorem suas colheitas, e as videiras nos campos não perderão o seu fruto", diz o Senhor dos Exércitos.
12 "Então todas as nações os chamarão felizes, porque a terra de vocês será maravilhosa", diz o Senhor dos Exércitos.
13 "Vocês têm dito palavras duras contra mim", diz o Senhor. "Ainda assim perguntam: ‘O que temos falado contra ti? ’
14 "Vocês dizem: ‘É inútil servir a Deus. O que ganhamos quando obedecemos aos seus preceitos e andamos lamentando diante do Senhor dos Exércitos?
15 Por isso, agora consideramos felizes os arrogantes, pois tanto prospera o que pratica o mal como escapam ilesos os que desafiam a Deus! ’ "
16 Depois aqueles que temiam ao Senhor conversaram uns com os outros, e o Senhor os ouviu com atenção. Foi escrito um livro como memorial na sua presença acerca dos que temiam ao Senhor e honravam o seu nome.
17 "No dia em que eu agir", diz o Senhor dos Exércitos, "eles serão o meu tesouro pessoal. Eu terei compaixão deles como um pai tem compaixão do filho que lhe obedece.
18 Então vocês verão novamente a diferença entre o justo e o ímpio, entre os que servem a Deus e os que não o servem.

Malaquias 4



1 "Pois certamente vem o dia, ardente como uma fornalha. Todos os arrogantes e todos os malfeitores serão como palha, e aquele dia, que está chegando, ateará fogo neles", diz o Senhor dos Exércitos. "Nem raiz nem galho algum sobrará.
2 Mas para vocês que reverenciam o meu nome, o sol da justiça se levantará trazendo cura em suas asas. E vocês sairão e saltarão como bezerros soltos do curral.
3 Depois esmagarão os ímpios, que serão como pó sob as solas dos seus pés no dia em que eu agir", diz o Senhor dos Exércitos.
4 "Lembrem-se da lei do meu servo Moisés, dos decretos e das ordenanças que lhe dei em Horebe para todo o povo de Israel.
5 "Vejam, eu enviarei a vocês o profeta Elias antes do grande e terrível dia do Senhor.
6 Ele fará com que os corações dos pais se voltem para seus filhos, e os corações dos filhos para seus pais; do contrário eu virei e castigarei a terra com maldição. "

Verso que destaco nesta última leitura do  ano: "Mas para vocês que reverenciam o meu nome, o sol da justiça se levantará trazendo cura em suas asas. E vocês sairão e saltarão como bezerros soltos do curral."

QUE AS BÊNÇãOS DO SENHOR CONTINUEM A SEREM DERRAMADAS SOBRE OS AMADOS LEITORES NO ANO NOVO.
Obrigado amados do Senhor.
Ivo Gomes do Prado.

O ÚLTIMO E GRANDE AVIVAMENTO DO FINAL DOS TEMPOS


Eu creio que antes do aparecimento do anticristo, haverá um grande avivamento, o maior de todos os tempos. Serão dias em que os cristãos de verdade se unirão num grande mover do Espírito Santo quebrando todas as barreiras denominacionais existentes. 

Povo ao qual o Senhor revestirá com grande poder espiritual, sem o qual os fieis não suportariam os dias maus que estão por vir. 

Povo que não terá mais prédios e edifícios para se reunir, nem serviços de som e seus instrumentos musicais, sem os programas de entretenimento e festinhas tão em voga atualmente. 

Povo que se reunirá tão somente às escondidas nas casas e em lugares ocultos, povo que alcançará todas as gentes e povos. 

Povo que será guiado diretamente pelo Espírito Santo e não mais por lideranças profissionais e mercenárias, mesmo porquê essas lideranças vão se aliar ao homem iníquo passando a nos perseguir também. 

Povo que será sustentado materialmente pelo próprio Senhor através de Seus anjos.

Manda o Teu fogo abrasador sobre a Tua Igreja, Senhor. 


Amém e amém!


Ivo G DoPrado

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

29 DE DEZEMBRO - LEITURA BÍBLICA ANUAL - PROFETA ZACARIAS 13 E 14.


A SEGUNDA VINDA DE CRISTO JESUS COMO O REI DOS reis E SENHOR DOS senhores SALVANDO O POVO DE ISRAEL DA DESTRUIÇÃO CERTA E FAZENDO DE JERUSALÉM A CAPITAL MUNDIAL DURANTE O MILÊNIO. ELE PISARÁ NA TERRA NO MESMO LUGAR QUE PISOU ANTES DE ASCENDER AOS CÉUS, NO MONTE DAS OLIVEIRAS EM JERUSALÉM:

14.4 "Naquele dia os seus pés estarão sobre o monte das Oliveiras, a leste de Jerusalém, e o monte se dividirá ao meio, de leste a oeste, por um grande vale, metade do monte será removido para o norte, a outra metade para o sul." 

Zacarias 13


1 "Naquele dia uma fonte jorrará para os descendentes de Davi e para os habitantes de Jerusalém, para purificá-los do pecado e da impureza.
2 "Naquele dia eliminarei da terra de Israel os nomes dos ídolos, e nunca mais serão lembrados", diz o Senhor dos Exércitos. "Removerei da terra tanto os profetas como o espírito imundo.
3 E se alguém ainda profetizar, seu próprio pai e sua mãe lhe advertirão: ‘Você tem que morrer porque disse mentiras em nome do Senhor’. Quando ele profetizar, os seus próprios pais o esfaquearão.
4 "Naquele dia todo profeta se envergonhará de sua visão profética. Não usará o manto de profeta feito de pele, para enganar.
5 Ele dirá: ‘Eu não sou profeta. Sou um homem do campo; a terra tem sido o meu sustento desde a minha mocidade’.
6 Se alguém lhe perguntar: ‘Que feridas são estas no seu corpo? ’, ele responderá: ‘Eu fui ferido na casa de meus amigos’.
7 "Levante-se, ó espada, contra o meu pastor, contra o meu companheiro! ", declara o Senhor dos Exércitos. "Fira o pastor, e as ovelhas se dispersarão, e voltarei minha mão para os pequeninos.
8 Na terra toda, dois terços serão ceifados e morrerão; todavia a terça parte permanecerá", diz o Senhor.
9 "Colocarei essa terça parte no fogo, e a refinarei como prata, e a purificarei como ouro. Ela invocará o meu nome, e eu lhe responderei. É o meu povo, direi; e ela dirá: ‘O Senhor é o meu Deus’. "

Zacarias 14


1 Vejam, o dia do Senhor vem, quando no meio de vocês os seus bens serão divididos.
2 Reunirei todos os povos para lutarem contra Jerusalém; a cidade será conquistada, as casas saqueadas e as mulheres violentadas. Metade da população será levada para o exílio, mas o restante do povo não será tirado da cidade.
3 Depois o Senhor sairá à guerra contra aquelas nações, como ele faz em dia de batalha.
4 Naquele dia os seus pés estarão sobre o monte das Oliveiras, a leste de Jerusalém, e o monte se dividirá ao meio, de leste a oeste, por um grande vale, metade do monte será removido para o norte, a outra metade para o sul.
5 Vocês fugirão pelo meu vale entre os montes, pois ele se estenderá até Azel. Fugirão como fugiram do terremoto nos dias de Uzias, rei de Judá. Então o Senhor, o meu Deus, virá com todos os seus santos.
6 Naquele dia não haverá calor nem frio.
7 Será um dia único, no qual não haverá separação entre dia e noite, porque quando chegar a noite ainda estará claro. Um dia que o Senhor conhece.
8 Naquele dia águas correntes fluirão de Jerusalém, metade delas para o mar do leste e metade para o mar do oeste. Isto acontecerá tanto no verão quanto no inverno.
9 O Senhor será rei de toda a terra. Naquele dia haverá um só Senhor e o seu nome será o único nome.
10 A terra toda, de Geba até Rimom, ao sul de Jerusalém, será semelhante à Arabá. Mas Jerusalém será restabelecida e permanecerá em seu lugar, desde a porta de Benjamim até o lugar da primeira porta, até a porta da Esquina, e desde a torre de Hananeel até aos lagares do rei.
11 Será habitada; nunca mais será destruída. Jerusalém estará segura.
12 Esta é a praga com a qual o Senhor castigará todas as nações que lutarem contra Jerusalém: Sua carne apodrecerá enquanto estiverem ainda em pé, seus olhos apodrecerão em suas órbitas e sua língua apodrecerá dentro de suas bocas.
13 Naquele dia grande confusão dominará essas nações, causada pelo Senhor. Cada um atacará o que estiver ao seu lado.
14 Também Judá lutará em Jerusalém. A riqueza de todas as nações vizinhas será recolhida, grandes quantidades de ouro, prata e roupas.
15 A mesma praga cairá sobre cavalos e mulas, camelos e burros, sobre todos os animais daquelas nações.
16 Então, os sobreviventes de todas as nações que atacaram Jerusalém subirão ano após ano para adorar o rei, o Senhor dos Exércitos, para celebrar a festa das Cabanas.
17 Se algum dentre os povos da terra não subir a Jerusalém para adorar o Rei, o Senhor dos Exércitos, não virá para ele a chuva.
18 Se os egípcios não subirem para participar, o Senhor mandará sobre eles a praga com a qual afligirá as nações que se recusarem a ir celebrar a festa das Cabanas.
19 Sim, essa será a punição do Egito e de todas as nações que não forem celebrar a festa das Cabanas.
20 Naquele dia estará inscrito nas sinetas penduradas nos cavalos: "Separado para o Senhor". Os caldeirões do templo do Senhor serão tão sagrados quanto as bacias diante do altar.
21 Cada panela de Jerusalém e de Judá será separada para o Senhor dos Exércitos, e todos os que vierem sacrificar pegarão panelas e cozinharão nelas. E a partir daquele dia, nunca mais haverá comerciantes no templo do Senhor dos Exércitos.