quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

2011 com propósitos eternos.

Amados,

Estamos em final de ano, tempo de reflexões, de tomada de posições e propósitos. Afinal é isso que todos fazem em finais de anos. Queremos sempre mudar para melhor fazendo propósitos novos e
renovamos outros feitos no passado. E isso é bom para nós, pois nos leva a refletir muitas coisas que temos, podemos e não exercemos.

Mas o melhor dos propósitos são os eternos visualizados com os olhares fixos no Criador. Sem Ele em nossas vidas tudo será passageiro e se perderá. Com Ele em nós seremos sempre mais que vencedores, pois de "nada adianta ganharmos o mundo e perdermos a nossa alma". E o propósito do Senhor para nós é de uma vida abundante que permaneça pela eternidade. Somos mais que vencedores, pois somos herdeiros em Cristo de todas as coisas.

Neste final de ano faça uma reflexão, tome posições, faça novos propósitos sem nunca se esquecer de colocar o Senhor da Vida em primeiro lugar. Dessa forma as demais coisas nos serão acrescentadas. É Ele quem nos fez essa promessa e as Suas promessas nunca falham, jamais falharão. Tudo que é material vai passar, nunca as palavras do Criador.

Sejamos felizes em 2011 buscando ao Senhor em primeiro lugar em nossas vidas. Votos do maninho

Ivo e Cida Prado.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

CRISTIANISMO DE RUA SEM SAÍDA


Por Bill Lawrence [1]

Infelizmente, em nossos esforços de controlar o que não nos pertence, muitos de nós buscamos o cristianismo de rua sem saída. Por onze anos nossa família viveu em uma rua sem saída composta de seis casas com seis famílias e um total de dezoito crianças. Era um lugar bom e seguro de se viver. Houve um tempo em que as crianças variavam de bebês a adolescentes. As mais velhas cuidavam das mais novas, e éramos praticamente uma grande e alegre família.


Todo dia quando chegava do trabalho, eu entrava bem devagar em nossa tranquila rua – nem a dez quilômetros por hora – porque nunca sabia o que poderia encontrar. Poderia haver um jogo de futebol americano ou uma brincadeira de rua acontecendo; uma mãe capturando uma tarântula num jarro de vidro; pais falando de esportes na entrada de minha garagem. Nossa pequena vila era um lugar maravilhoso para educar os filhos e criar família, mas não podíamos ficar lá o tempo todo. Cada dia precisávamos fazer compras, ir ao trabalho e realizar uma variedade de atividades da vida diária. Se insistíssemos em permanecer em nossa rua sem saída o tempo todo, logo seríamos incapazes de pagar nossa hipoteca, poderíamos morrer de fome ou de alguma doença. Precisávamos sair para o mundo a fim de garantir que nossa vila familiar permanecesse um ótimo lugar para morar.


A igreja é assim. É um lugar maravilhoso e seguro para as famílias, solteiros, viúvos, pessoas de negócios, enfim para todo tipo de pessoas que formam o nosso mundo. Mas precisa ser mais que uma vila, uma rua sem saída, um circulo familiar, ao qual voltamos depois de uma semana difícil, para nos juntarmos e desfrutarmos a presença uns dos outros. Quando pensamos assim, confundimos terra com eternidade e tentamos chegar ao céu cedo demais. No céu estaremos com apenas “nosso tipo de gente”, mas na terra Jesus nos chamou a sair de nossas belas e seguras igrejas para enfrentarmos o mundo tão cheio de pecados e cumprirmos com o seu propósito de fazer discípulos.


Síndrome da igreja de Jesursalém


Quando insistimos em ter apenas “nosso tipo de gente” na igreja, damos as costas ao verdadeiro propósito que temos para ela, tornando-a a igreja de Jerusalém do nosso tempo. A igreja de Jerusalém tornou-se egocêntrica, projetada para suprir as necessidades de seus membros com pouca ou nenhuma preocupação pelos que não conheciam a Cristo.


Mas não foi sempre assim. Depois de seu surgimento no Dia de Pentecostes, quando houve a conversão de três mil pessoas de diversas partes do mundo antigo, ela continuou a converter outros milhares de vidas. Paulatinamente, porém ela se deixou consumir por seus próprios interesses e começou a dar pouca ou nenhuma consideração para as pessoas que estavam ao seu redor, perto ou longe dela. Havia pouca preocupação em compartilhar o evangelho com os gentios, até que o Senhor dispersou os cristãos com uma perseguição.


Muitas igrejas americanas trilharam por esse mesmo caminho, que é o do consumismo e do “eu em primeiro lugar”. Muitas igrejas estão centradas em si mesmas, em suprir as próprias necessidades e mal parecem se preocupar quando ninguém vem a Cristo por meio de seus ministérios. Muitas igrejas se recusam a mudar porque gostam de si mesmas como estão. Elas não têm propósito de alcançar os incrédulos e rejeitam qualquer um que as chame para tal visão. Elas querem ser deixadas em paz, para que os membros possam “curtir” uns aos outros, administrar seu clube social religioso e viver às custas de uma herança de um passado de glória e influência. Como um atleta extrai sua auto-imagem a partir de seus troféus passados, mesmo que tenha ficado barrigudo e flácido, essas igrejas buscam sua identidade em seu passado e negam sua impotência espiritual presente.


Tais igrejas não querem visão; elas querem estabilidade. Oferecem todos os tipos de justificativas para aquilo que impede seus membros de se achegar aos outros. Elas não podem crescer porque não conhecem as pessoas que já estão lá. Elas não podem evangelizar porque ainda não conhecem a Palavra o suficiente. Não podem trazer outros para sua comunhão, porque ainda não resolveram todos os seus problemas. Muitos pastores me comentaram sobre a dor que experimentaram quando chamaram sua igreja à visão e foram rejeitados porque os membros queriam estabilidade, em vez de obediência.


Vida sem saída.


Cristianismo de vila é um tipo de vida sem vida, na qual o foco é inteiramente introspectivo, voltado para o interior da igreja. Quando a igreja de Jerusalém se tornou um beco sem saída, Deus a dispersou com uma perseguição e a forçou a buscar outros contra sua vontade (At 8.1). Por essa razão, na Antioquia, um grupo de pessoas desconhecidas começou acidentalmente a cumprir a grande comissão por meio de conversas com os gentios no mercado, iniciando, desse modo, uma das igrejas mais motivadas ao propósito de Deus em toda a história (11.19-21). Deus não quer que as igrejas sejam portos seguros para santos inseguros, mas faróis para aqueles cuja mente foi cegada pelo deus desse mundo (2Co 4.4). Deus nos chama para sermos pastores da grande comissão.


[1] Bill Lawrence é diretor executivo do Center for Crhistian Leadership e professor de Ministério Pastoral no Dallas Theological Seminary. Durante vinte anos, foi pastor na South Hills Community Church, em San Jose, Califórnia, EUA. Além de suas atividades acadêmicas, ele é atualmente pastor em tempo integral na Northwest Bible Church, em Dallas, Texas, EUA. Formou-se no Philadelphia College of Bible e obteve doutorado em teologia no Dallas Theological Seminary. Reside em Dallas com a esposa, Lynna.


* Extraído do Livro AUTORIDADE PASTORAL: Servindo a Deus, liderando o rebanho. São Paulo: Editora Vida, 2002. Autor: Bill Lawrence.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

"Zaqueu X Ano Novo".

"Zaqueu X Ano Novo".
PR TIMOFEI DIACOV

“E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. E, correndo adiante, subiu a um sicômoro para O ver; porque havia de passar por ali. E quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. E, apressando-se, desceu, e recebeu-O alegremente. E, vendo todos isto, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador. E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres, metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão” (Lucas 19: 3ª9). Qual é a relação entre Zaqueu e o Ano Novo? Quando formulamos votos de um feliz Ano Novo, deve ser no mesmo espírito que caracterizou a atitude de Zaqueu, ele era um tipo de comerciante, para ser mais exato, era chefe de um grupo de funcionários públicos, ganhando um bom salário; porém vivia insatisfeito com a própria vida. Ele desejava passar por uma radical mudança de vida, pois experimentara que o dinheiro não produz felicidade. Algo tinha que ser feito, como? Quem o faria?

Feliz Ano Novo: Quem o fará? Para Zaqueu, terminava o Ano Velho, entrava Ano Novo, e tudo continuava uma rotina. Hoje, não acontece o mesmo? Formulamos fotos, e a situação continua a mesma, quando não, pior. Ano próximo passado, quantos votos foram formulados? No fim do ano, o saldo é negativo: Roubos, assaltos, assassinatos, tragédias umas piores que outras. E os votos? Um simples voto não produz mudanças radicais. Algo está errado. É preciso que o homem pare, reflita e reconheça a existência de um Ser Superior, que ultrapasse as fronteiras dos nossos desejos. Vale citar as palavras de Jesus: “Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (João15: 5). Não basta dizer eu sou de Jesus; eu creio em Deus; que Deus te abençoe; que o ano seja feliz repleto de bênçãos, de prosperidade. Tudo não passa de falácia. O que Deus quer de cada pessoa, é que esta O ame de coração; pois o que se vê por aí é a falta de uma vivência cristã séria e genuína. Tanto o Natal como o Ano Novo, tem começado com festas, porém, o Criador fica de lado.

O profeta Oséias, diz que o homem está sendo destruído porque está lhe faltando o conhecimento de Deus. Queremos um Ano Feliz, então, busquemos a felicidade. Zaqueu tinha tudo, menos o conhecimento do Deus verdadeiro; obstáculos, não lhe faltavam, inclusive preconceitos; inimigos de todos os lados. Um dia ouviu o conselho de um amigo, que fosse procurar Jesus, e Ele mudaria radicalmente a sua situação; pois ele precisava reagir e não ficar aguardando os acontecimentos. Foi a Jesus, e Este prontamente o atendeu. Então ele sentiu que precisava abrir o coração para Deus. Doravante a sua vida deixou de ser “Vem a nós o reino de Deus, a prosperidade, muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender; pelo contrário”: ”Senhor, eis que eu dou aos pobres a metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado”. O que com isto Zaqueu nos ensina, é que não basta desejar ou formular votos, mas, entrar em ação. Enquanto o mundo não entender esta verdade, as coisas irão de mal a pior.

Distinto leitor, você deseja que este ano, de 2.011, traga saúde, prosperidade econômica, social, comercial e religiosa; e que sua família seja bem sucedida, que seus filhos não sejam envolvidos com as drogas, faça a sua parte, procure a Jesus e não seja um cristão de lábios, pois Deus está pronto para abençoá-lo, uma vez que, enviou Jesus a este mundo para trazer solução de problemas. Ora, se Zaqueu permanecesse sem a reação, possivelmente iria de mal a pior; e assim na sociedade de então, seria mais um daqueles que naufragam na vida. Pedimos a Deus que de fato, este ano tudo tenha uma mudança radical; e que Deus seja honrado. E que você seja mais um Zaqueu.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

O PODER DO AMOR AO PRÓXIMO

"O Senhor é o meu pastor e nada me faltará" - Salmo 23
Deus abençoe você e sua família
Nunca esqueça nada acontece por acaso!!
Ricardinho
não aguentou o cheiro bom do pão e falou:


- Pai, tô com fome!!!

O pai, Agenor , sem ter um tostão no bolso, caminhando desde muito cedo em busca de um trabalho, olha com os olhos marejados para o filho e pede mais um pouco de paciência....

- Mas pai, desde ontem não comemos nada, eu tô com muita fome, pai!!!

Envergonhado, triste e humilhado em seu coração de pai, Agenor pede para o filho aguardar na calçada enquanto entra na padaria a sua frente...

Ao entrar dirige-se a um homem no balcão:

- Meu senhor, estou com meu filho de apenas 6 anos na porta, com muita fome, não tenho nenhum tostão, pois sai cedo para buscar um emprego e nada encontrei, eu lhe peço que em nome de Jesus me forneça um pão para que eu possa matar a fome desse menino, em troca posso varrer o chão de seu estabelecimento, lavar os pratos e copos, ou outro serviço que o senhor precisar!!!


Amaro , o dono da padaria estranha aquele homem de semblante calmo e sofrido, pedir comida em troca de trabalho e pede para que ele chame o filho...

Agenor pega o filho pela mão e apresenta-o a Amaro, que imediatamente pede que os dois sentem-se junto ao balcão, onde manda servir dois pratos de comida do famoso PF (Prato Feito) - arroz, feijão, bife e ovo...

Para Ricardinho era um sonho, comer após tantas horas na rua...

Para Agenor , uma dor a mais, já que comer aquela comida maravilhosa fazia-o lembrar-se da esposa e mais dois filhos que ficaram em casa apenas com um punhado de fubá....

Grossas lágrimas desciam dos seus olhos já na primeira garfada...

A satisfação de ver seu filho devorando aquele prato simples como se fosse um manjar dos deuses, e lembrança de sua pequena família em casa, foi demais para seu coração tão cansado de mais de 2 anos de desemprego, humilhações e necessidades...

Amaro se aproxima de Agenor e percebendo a sua emoção, brinca para relaxar:

- Ô Maria!!! Sua comida deve estar muito ruim... Olha o meu amigo está até chorando de tristeza desse bife, será que é sola de sapato?!?!

Imediatamente, Agenor sorri e diz que nunca comeu comida tão apetitosa, e que agradecia a Deus por ter esse prazer...

Amaro pede então que ele sossegue seu coração, que almoçasse em paz e depois conversariam sobre trabalho...

Mais confiante, Agenor enxuga as lágrimas e começa a almoçar, já que sua fome já estava nas costas...

Após o almoço, Amaro convida Agenor para uma conversa nos fundos da padaria, onde havia um pequeno escritório...

Agenor conta então que há mais de 2 anos havia perdido o emprego e desde então, sem uma especialidade profissional, sem estudos, ele estava vivendo de
pequenos 'biscates aqui e acolá', mas que há 2 meses não recebia nada...


Amaro resolve então contratar Agenor para serviços gerais na padaria, e penalizado, faz para o homem uma cesta básica com alimentos para pelo menos 15 dias...

Agenor com lágrimas nos olhos agradece a confiança daquele homem e marca para o dia seguinte seu início no trabalho...

Ao chegar em casa com toda aquela 'fartura', Agenor é um novo homem sentia esperanças, sentia que sua vida iria tomar novo impulso...

Deus estava lhe abrindo mais do que uma porta, era toda uma esperança de dias melhores...

No dia seguinte, às 5 da manhã, Agenor estava na porta da padaria ansioso para iniciar seu novo trabalho...

Amaro chega logo em seguida e sorri para aquele homem que nem ele sabia porque estava ajudando...

Tinham a mesma idade, 32 anos, e histórias diferentes, mas algo dentro dele
chamava-o para ajudar aquela pessoa...


E, ele não se enganou - durante um ano, Agenor foi o mais dedicado trabalhador daquele estabelecimento, sempre honesto e extremamente zeloso com seus deveres...

Um dia, Amaro chama Agenor para uma conversa e fala da escola que abriu vagas para a alfabetização de adultos um quarteirão acima da padaria, e que ele fazia questão que Agenor fosse estudar....

Agenor nunca esqueceu seu primeiro dia de aula: a mão trêmula nas primeiras letras e a emoção da primeira carta...

Doze anos se passam desde aquele primeiro dia de aula...

Vamos encontrar o Dr. Agenor Baptista de Medeiros , advogado, abrindo seu escritório para seu cliente, e depois outro, e depois mais outro...

Ao meio dia ele desce para um café na padaria do amigo Amaro, que fica impressionado em ver o 'antigo funcionário' tão elegante em seu primeiro terno...

Mais dez anos se passam, e agora o Dr. Agenor Baptista, já com uma clientela que mistura os mais necessitados que não podem pagar, e os mais abastados que o pagam muito bem, resolve criar uma Instituição que oferece aos desvalidos da sorte, que andam pelas ruas, pessoas desempregadas e carentes de todos os tipos, um prato de comida diariamente na hora do almoço...


Mais de 200 refeições são servidas diariamente naquele lugar que é administrado pelo seu filho , o agora nutricionista Ricardo Baptista...

Tudo mudou, tudo passou, mas a amizade daqueles dois homens, Amaro e Agenor impressionava a todos que conheciam um pouco da história de cada um...

Contam que aos 82 anos os dois faleceram no mesmo dia, quase que a mesma hora, morrendo placidamente com um sorriso de dever cumprido...

Ricardinho , o filho mandou gravar na frente da 'Casa do Caminho', que seu pai fundou com tanto carinho:

'Um dia eu tive fome, e você me alimentou. Um dia eu estava sem esperanças e você me deu um caminho. Um dia acordei sozinho, e você me deu Deus, e isso não tem preço.. Que Deus habite em seu coração e alimente sua alma.. E, que te sobre o pão da misericórdia para estender a quem precisar!!!'

(História verídica)

Se acharem que vale a pena repassem, pois nunca é tarde para começar e sempre é cedo para parar!!!

Que Deus te abençoe poderosamente lhe concedendo o dom da caridade e da fé. Amém

Efésios 2.8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus;
9 não vem das obras, para que ninguém se glorie.
10 Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas.

OS NOMES DE DEUS

Aará: Meu Pastor;
Adon Hakavod: Rei Da Glória;
Adonai: Senhor;
Attiq Yômin: Antigo De Dias;
El Caná: O Deus Zeloso;
El Deot: O Deus Das Sabedorias;
El Elah: Todo.Poderoso;
El Elhôhê Israel: Deus De Israel;
El Ôlam: Deus Eterno;
El Raí: O Deus Que Tudo Vê;
El Roi: Deus Que Vê;
El Shadai: Deus Todo Poderoso;
Eliom: Altíssimo;
Elohim: Criador;
Eloi: Senhor De Todas As Coisas;
Gibbor: Poderoso;
Jehoshua: Javé É A Salvação;
Jeová Eloheka: O Senhor Teu Deus;
Jeová Hosseu: O Senhor Que Nos Criou;
Jeová Jaser: O Senhor É Reto;
Jeová Jiré: O Senhor Provê;
Jeová Nissi: O Senhor É A Minha Bandeira;
Jeová Sebhãôh: Senhor Dos Exércitos;
Jeová Shalom: O Senhor É Paz;
Jeová Shammah: O Senhor Está Presente;
Jeová Tsidikenu: O Senhor É A Nossa Justiça;
Kadosh: Santo;
Kadosh Israel: Santo De Israel;
Malah Brit: O Anjo Da Aliança;
Maor: Criador Da Luz;
Margen: Protetor;
Nikadiskim: Que Nos Santifica;
Palet: Libertador;
Rafá: Que Cura;
Robeca: Que Te Sara;
Salvaon: Senhor Todo Poderoso;
Shaphatar: Juiz;
Yaveh El Elion Norah : O Senhor Deus Altíssimo É Tremendo;
Yaveh Tiçavaot: Senhor Das Hostes Celestiais;
Yeshua: Jesus;
Yhwh: Nome Impronunciável De Deus; Sempre Que Aparece;
Yohanan: Yohanan Ou Yehohanan (João) Que Se Decompõe Em Yeh, Yo, Yaho (Abreviações De Yahweh, Javé, Deus) E Hanan (Compadecer-Se), Com O Sentido De Deus Teve Misericórdia, Se Compadeceu.
http://gritosdealerta.blogspot.com/2010/12/os-nomes-de-deus.html

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Servos inúteis

Lucas 17.10- " Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis; fizemos somente o que devíamos fazer."

Todos nós somos inúteis, pois as nossas obras são como trapo imundo que cheiram mal. Dependemos totalmente da ação do Espírito Santo em nós, através de nós para a realização das boas obras que provam a nossa fé. A salvação é pela fé em Cristo Jesus como ação do Espírito que nos leva a Cristo, sendo as obras a consequência obrigatória disso. Sem fé não há obras e sem obras não existe fé, pois ambas andam juntos, ambas são o resultado da ação do Espírito de Cristo Jesus em nossas vidas.

Veja no verso acima sobre o servo inútil? Fez tudo quanto podia que era a sua obrigação, nada mais, nada menos. E mesmo assim foi considerado inútil. Assim também somos nós maus por natureza. Apenas quando recebemos a nova natureza espiritual pela ação do Espírito, através do senhorio a Jesus Cristo, nos tornamos úteis, não por nós, mas pelo Espírito que em nós habita. Méritos apenas Dele.

Um abraço do maninho Ivo.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Sobre as visões que estão por aí.

Sobre as visões que estão por aí.

A meu ver, na realidade muitas igrejas que dizem estar na "visão" estão apenas vivendo de visões de homens, vivendo de misticismos, de poder humano. Certos homens quase sempre neófitos no conhecimento da Palavra, embora com muitos anos de banco, não conhecendo a Palavra, se tornaram tiranos e ditadores. E isso não convém aos santos.

Pequenos grupos sempre foi e é o cristianismo que nasceu em Pentecostes e cresceu baseado no amor entre os irmãos e a Deus. Entre os irmãos primeiro porque não podemos amar a Deus se não amarmos nossos irmãos, nossos próximos como a nós mesmos. Naquela Igreja de Jerusalém esses laços eram tão fortes que, mesmo debaixo de perseguições, os demais habitantes de Jerusalém e da Judeia desejavam pertencer àqueles grupos, comunidades de amor fraterno da Igreja Iniciante.

Ao contrário disso, hoje muitos deixam isso e o amor fraterno e vão correr atrás das promessas feitas especificamente ao povo de Israel e não à Igreja e querem a toda força subjugar a Igreja atual. Apenas quando se volta às origens simples e humildes do Novo Testamento é que a Igreja cresce, primeiro na comunhão, depois na formação de lideranças, no poder do Espírito Santo e por último, por consequência, no alcançar vidas para o Reino do Senhor Jesus Cristo. Devemos sempre engrandecer o Senhorio de Cristo Jesus em nossas vidas e nunca o engrandecimento de homens perversos e egoístas que procuram apenas o louvor de homens comuns.

Ao Senhor sejam dados todo o louvar, a honra e o poder, eternamente, Amém!

Ivo Prado.


quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

É PRECISO TER A CRISTO COMO O SENHOR

Amados em Cristo Jesus,

Não basta sermos membro de uma igreja, nem mesmo ser líder ou pastor. É preciso termos tido um encontro real com o Jesus Cristo como o Senhor de nossas vidas.

Estamos acostumados a ouvir que as pessoas necessitam aceitar a salvação em Jesus, mas isso é meia-verdade. O certo é que todos nós devemos ter a Cristo Jesus como o Senhor, dono absoluto de nossas vidas. Sendo Senhor Ele também será o nosso Salvador, será aquele que nos cura e liberta, sinônimo do termo "sozo" que é traduzido para salvação. No Novo Testamento temos Jesus Cristo como Senhor mais de trezentas vezes e como Salvador cerca de doze vezes.

Os pastores e nós também nos preocupamos em levar as pessoas a terem Jesus como Salvador apenas. Em breve, nos primeiros desafios, elas descobrem que a história é diferente, pois são pessoas comuns que também têm os problemas costumeiros do mundo. Passam a pensar que Jesus não as salvou deles como lhes fora dito. Recebendo o Senhorio de Cristo, nós nos tornamos seus servos e servo tem consciência que enfrentará problemas nas lutas deste mundo, e como servos o Senhor nos trata como seus filhos, pois com as lutas vêm as forças e o crescimento espiritual.

Outro dia estava lendo um comentário sobre a nossa filiação a Cristo. O autor explicava que nós não somos simplesmente filhos adotivos, mas sim o Senhor reconhece em nosso novo nascimento a nossa filiação natural a Ele. O termo adoção de nossas Bíblias em seu original significa exatamente isso, e não uma mera adoção em que apenas recebemos o nome de nossos pais adotivos. Recebemos uma nova vida espiritual onde habita em nós o mesmo Espírito que habitou em Cristo Jesus em Seu ministério na Terra.

O filho adotivo pode depois da maioridade rejeitar o seu pai adotivo, mas nunca o filho natural. Nem o pai natural pode declarar que no filho não há o seu DNA. Temos o DNA de Deus em nós, por isso somos irmãos de Cristo Jesus e herdeiros de todas as coisas para sempre. E isso é maravilho para nós, além de aumentar o nosso gozo, aumenta também a nossa responsabilidade de viver como filhos do Pai que é Deus.

Um abraço do maninho Ivo Prado.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A CURA DAS RAÍZES DE AMARGURA E O FRUTO DO ESPÍRITO - TOMANDO POSSE DO PERDÃO

Estamos estudando as parábolas proferidas no ministério terreno do Senhor Jesus Cristo. Hoje veremos em Mateus 18.23-35, acerca do perdão.

O servo I devia a fortuna de 10.000 talentos ou 60 milhões de denários, um valor praticamente incalculável, pois denário é o valor de um dia de trabalho. Esse servo devia isso ao rei e foi perdoado. O servo II devia ao servo I, que foi perdoado, a pequena quantia de 100 denários e não recebeu o perdão. Um denário era o valor de um dia de trabalho braçal.

Em virtude da falta de perdão o Rei suspendeu o perdão ao servo mau. O valor do perdão que recebemos do Senhor é incalculável, sendo as ofensas de qualquer pessoa, por maior que sejam, insignificantes perto do perdão divino recebido.Com base na falta de perdão, veremos hoje acerca das raízes de amargura.

Devemos cultivar a cada dia o fruto do Espírito em nossos corações. Do estado que eles se encontrem vai depender esse cultivar pois, sabemos que os espinheiros podem sufocar a boa planta e impedi-la de produzir frutos.

Nós estávamos espiritualmente separados de Deus e separação na Bíblia é igual a morte. Mas, através da redenção que há no sangue do Cordeiro, fomos vivificados, nascemos de novo no momento de nossa conversão. No novo nascimento o nosso espírito é recriado em Cristo Jesus e a nossa ligação com Deus é refeita. O nosso espírito já não pode ser tocado por satanás. Passa a existir o novo homem citado em Efésios 4:22-24, que é o homem espiritual em contraste com o velho homem que é o carnal.

O homem é constituído de corpo, alma e espírito, ou mais precisamente: somos um espírito que tem uma alma que habita num corpo.

As nossas emoções, desejos, vontades e raciocínios ou pensamentos residem na alma, também chamada de mente. O "inimigo" sabe que não pode atingir o espírito recriado, então "ele" ataca a alma, as emoções dos crentes, desde o ventre materno até o momento da morte física. Não podendo tocar em nossa salvação, o diabo vai querer impedir a produção dos frutos de uma vida santificada.

Muitos crentes vivem uma vida amarga, falando mal de outras pessoas, criticando a tudo e a todos. Outros têm medos, traumas e complexos. Não conseguem crescer em suas vidas materiais e espirituais, impedindo também o crescimento dos outros. Dos corações crescem verdadeiros espinheiros. Cortar apenas os ramos de espinhos, apenas mudar as circunstâncias, não vai resolver a causa do problema que está no coração.

Hebreus 12:15 nos diz: "Cuidem que ninguém se exclua da graça de Deus; que nenhuma raiz de amargura (raiz venenosa) brote e causa perturbação, contaminando muitos;"

O problema real está num lugar fora da nossa vista: na raiz, no coração, na alma, e aí ele deve ser tratado. Uma fruta bichada é colocada na caixa junto com as outras sadias, mais tarde apodrece contaminando as demais. Assim é conosco, uma ferida não tratada provocará sofrimento a todo o corpo e quanto mais cedo for tratada, mais facilmente será curada. A falta de perdão, que estamos tratando aqui, é pior que uma fruta bichada e causa muitos danos à nossa vida e à nossa comunidade.

Fomos no passado, somos hoje e seremos sempre alvos do "maligno", não estamos imunes às suas investidas. Mas, foi-nos providenciado algo grandioso, há um tratamento para nós, vem de Jesus Cristo através do Espírito Santo. O diabo é um vencido e nós somos vitoriosos, em Jesus.

O texto do profeta Isaías 53 versos 4, 5 nos mostra os quatro benefícios da cruz:-

Perdão dos pecados – “Ele foi transpassado pelos nossos pecados”. Recebemos a salvação, nosso espírito foi recriado.

Libertação da iniquidade – “Ele foi moído/esmagado pelas nossas iniqüidades”. Dá-nos um novo coração. Mat. 15.19 e Lucas 7.45.

Cura para a alma – “O castigo que nos traz a paz estava sobre Ele”. Ver Salmo 23.3 e Salmo 41.4.

Cura para o corpo – “pelas suas pisaduras fomos sarados”.

No salmo 103.1-5 temos descritos esses benefícios. Muitas pessoas têm alcançado apenas o primeiro benefício da cruz que é a salvação. Pensando ter obtido automaticamente os demais não os buscam verdadeiramente. O crescimento espiritual e a santificação dependem da nossa vida com Deus em nosso dia a dia.

Voltemos a Hebreus 12:15 e vejamos:- Necessitamos impedir que a raiz de amargura brote e nos perturbe, pois isso acontecendo, muitos serão contaminados. Todo problema não resolvido em seu início, aumenta de volume a cada dia, ficando cada vez mais difícil solucioná-lo. Efésios 4:26-28 diz :- “Quando vocês ficarem irados, não pequem. Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha, e não deem lugar ao Diabo”.

A falta de perdão nos leva a grande raiz de amargura, provocando-nos muitos males e até certas enfermidades como reumatismo, doenças da coluna, artrites, artroses, dores, úlceras, cânceres, etc. Por esse motivo muitas pessoas não são curadas e os frutos reais de uma vida cristã não são manifestados.

Devemos nos perdoar uns aos outros, pois Deus nos perdoou primeiro. O perdão é uma virtude a ser exercida. Quando oramos a oração do "Pai Nosso" dizemos:- "...e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado os nossos devedores...” esse é o perdão a ser exercido. Falando a alguém palavras de perdão podemos "não sentir nada", mas se o fizermos de coração, logo uma paz muito grande nos invadirá. Não devemos viver pelo que sentimos e sim pela Palavra de Deus, pela fé. Exercitemos o perdão, o amor e as demais virtudes do fruto do Espírito.

Em um coração curado, sem raízes de amargura, Cristo reina exercendo o controle total, e, em consequência, o fruto do Espírito fluirá em abundância, muitos frutos serão colhidos, para o engrandecimento do Reino de Deus.

Libertemo-nos das algemas de satanás, dos traumas do passado, do presente e do futuro, tomando posse da vitória completa em Jesus Cristo. Assim poderemos levar aos cativos e oprimidos não só nosso apoio mas, também a ministração do Evangelho Pleno pois, Jesus nos salva, cura, liberta e santifica.

Vamos orar perdoando todas pessoas a quem não conseguimos perdoar, àquelas que nos ofenderem, nos humilharam, desejaram nosso mal. Peçamos também o perdão do Senhor por termos abrigado em nosso coração a falta de perdão. Abrace quem está ao seu lado e lhe conte suas frustrações orando com ele, cumprindo-se assim Tiago 5.16a. (“Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros para serem curados”).

"Sede pois imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave." Efésios 5: 1 e 2.

Ivo Gomes do Prado -


Somos chamados para fazer missões.

Amados,

Adorar o Senhor é a grande razão da existência da Igreja no mundo e missões é o modo de levar as pessoas a isso mediante a pregação do evangelho do Mestre. Todos os cristãos são chamados para fazer missões, seja no lugar em que estamos onde devemos alcançar o nosso oikós, pessoas de nosso relacionamento pessoal, seja no envio e sustento de missionários vocacionados verdadeiramente para a obra de alcançar os não alcançados em lugares distantes.

É com tristeza que vemos hoje muitos trabalhos de missão de algumas denominações terem fracassado por falta de um olhar de seriedade com o IDE deixado pelo Mestre. E também ver igrejas e seus membros voltados para dentro de si mesmos tornando-se mais um clube social com belas programações, belas por fora, mas sepulcros caiados por dentro porque servem apenas para o entretenimento de suas membresias.

Estamos em final de ano, em tempos de festejos natalinos e de passagem para o novo ano de 2011. Os ensaios já começaram há muitos meses e essas comunidades estão cheias de programações vazias, ocas, sem a ênfase para o principal, para o evangelho do Senhor Jesus que morreu se sacrificando justamente pela salvação da humanidade, para a nossa salvação. Salvação essa que na maioria das festividades é deixada de lado, pois o senhorio de Cristo não tem sido levado a sério por nós.

"Se Deus não poupou nem a seu próprio Filho para salvar a humanidade, quanto mais nos poupará se não cumprirmos a missão que Ele nos deixou".

Em Cristo Jesus, nosso Senhor

Ivo Gomes do Prado.



terça-feira, 23 de novembro de 2010

Jesus Cristo é o Senhor de nossas vidas

Amados em Cristo Jesus,

Não basta sermos membro de uma igreja, nem mesmo ser líder ou pastor. É preciso termos tido um encontro real com o Jesus Cristo como o Senhor de nossas vidas.

Estamos acostumados a ouvir que as pessoas necessitam aceitar a salvação em Jesus, mas isso é meia-verdade. O certo é que todos nós devemos ter a Cristo Jesus como o Senhor, dono absoluto de nossas vidas. Sendo Senhor Ele também será o nosso Salvador, será aquele que nos cura e liberta, sinônimo do termo "sozo" que é traduzido para salvação. No Novo Testamento temos Jesus Cristo como Senhor mais de trezentas vezes e como Salvador cerca de doze vezes.

Os pastores e nós também nos preocupamos em levar as pessoas a terem Jesus como Salvador apenas. Em breve, nos primeiros desafios, elas descobrem que a história é diferente, pois são pessoas comuns que também têm os problemas costumeiros do mundo. Passam a pensar que Jesus não as salvou deles como lhes fora dito. Recebendo o Senhorio de Cristo, nós nos tornamos seus servos e servo tem consciência que enfrentará problemas nas lutas deste mundo, e como servos o Senhor nos trata como seus filhos, pois com as lutas vêm as forças e o crescimento espiritual.

Outro dia estava lendo um comentário sobre a nossa filiação a Cristo. O autor explicava que nós não somos simplesmente filhos adotivos, mas sim o Senhor reconhece em nosso novo nascimento a nossa filiação natural a Ele. O termo adoção de nossas Bíblias em seu original significa exatamente isso, e não uma mera adoção em que apenas recebemos o nome de nossos pais adotivos. Recebemos uma nova vida espiritual onde habita em nós o mesmo Espírito que habitou em Cristo Jesus em Seu ministério na Terra.

O filho adotivo pode depois da maioridade rejeitar o seu pai adotivo, mas nunca o filho natural. Nem o pai natural pode declarar que no filho não há o seu DNA. Temos o DNA de Deus em nós, por isso somos irmãos de Cristo Jesus e herdeiros de todas as coisas para sempre. E isso é maravilho para nós, além de aumentar o nosso gozo, aumenta também a nossa responsabilidade de viver como filhos do Pai que é Deus.

Um abraço do maninho Ivo Prado.

Compartilhando os Tesouros da Palavra

Amados,

A cada vez que lemos a Palavra descobrimos novos tesouros que devem ser compartilhados com os nossos amados irmãos. Assim como descobrimos tesouros de valor inestimável, também os nossos amados descobrem outros tesouros de igual valor. É isso que torna as reuniões em pequenos grupos, em classes de Escola Bíblica, nos grupos cristãos da internet de grande proveito espiritual quando há a oportunidade do compartilhamento.

Ninguém detém todo o conhecimento da Palavra, nem mesmo de um capítulo ou de um versículo. Assim nesses grupos o conhecimento é repartido, compartilhado entre nós de igual forma ao que acontece com os dons e ministérios espirituais.

Amados, sempre necessitaremos de outros irmãos para complementar o nosso entendimento, e sempre haverá alimento novo na Palavra a ser descoberto. A Palavra sempre será um tesouro sem medidas e com joias raríssimas que estão à nossa espera para buscarmos. O Espírito do Senhor tem preciosidades para nós.

Ivo Prado.

sábado, 29 de maio de 2010

A irmã Tânia nos fez algumas perguntas e aproveitamos para passar aos amados as respostas e comentários.

Graça e paz amados!

Eu tenho como muito boa a sua preocupação com as coisas espirituais como os dons e o fruto do Espírito. Veja bem que em Corinto eles tinham muitos dons, mas ainda precisam de leite materno para se alimentarem. Paulo não diz que lhes faltavam os dons, mas faltava a maturidade e, sobretudo, o fruto do Espírito.

Sobre o dom do Espírito, eu costumo mencionar sobretudo aos batistas, onde temos que ter extremo cuidado com as palavras e termos ao citar o primeiro enchimento do Espírito Santo, que com os Renovados e Pentecostais é chamado de batismo no Espírito Santo. Para mim são sinônimos e bíblicos. Sempre que o crente recebe o primeiro enchimento do Espírito, que deveria ser no mesmo dia do novo nascimento e batismo nas águas, como no livro de Atos, mas que hoje, por diversos motivos, talvez até por excesso de zelo e burocracia, dá-se em etapas mais distintas. Geralmente nossas Igrejas exigem que os novos convertidos passem primeiramente pelo discipulado que demora cerca de seis meses, para depois haver o batismo nas águas. Embora algumas vezes eu tenha visto pessoas que na cerimônia do batismo se convertem e pedem e recebem o batismo nas águas, mas são pouquíssimas igrejas e pastores que permitem isso, por questões administrativas e burocráticas de haver assembleias ou reunião de conselhos para a aprovação dos candidatos e posterior batismo. Depois desse tempo o primeiro amor já foi apagado pelos "bombeiros" de plantão.

Mas enquanto não temos a Igreja de nossos sonhos, vamos caminhando mais lentamente do que deveríamos. Nos primeiros dias da Igreja a pessoa que se decidia por Cristo Jesus estava ciente que poderia ser morta a qualquer momento, e por certo era humilhada, desfiliada perdendo o nome familiar e as heranças, empregos, etc. o que não acontece geralmente hoje. Assim, apenas os realmente convertidos é que pediam o batismo. Embora em países de grande perseguição seja dessa forma. Mas estamos no Brasil onde temos grande liberdade religiosa e excesso de "regulamentos". Disse acima lentamente, pois penso que nossos tanques batismais deveriam estar cheios constantemente em uma atitude de fé, e havendo evangelização constante as pessoas deveriam ser batizadas no mesmo dia da conversão também e ser-lhes impostas as mãos para que recebessem o dom ou batismo do Espírito Santo. Deus sempre age em nós de acordo com a nossa fé. Assim elas estariam prontas para receberem um discipulado dinâmico, eficaz e produtivo, ao contrário de hoje onde o pastor ou um líder simplesmente passa lições prontas sobre diversos assuntos. Discipulado dinâmico é aquele em que se aprende e em seguida se coloca em prática o aprendizado como acontecia com Jesus e com Paulo por onde passava.

No discipulado e em todo aprendizado aquilo que não é colocado em prática, o discípulo não aprende realmente, apenas memoriza. Talvez faltem líderes que sejam mestres na real expressão do termo. Pois ser mestre é estar constantemente ao lado dos discípulos e não ter feitos cursos informativos. É por isso um mestre não consegue discipular com eficácia mais que doze discípulos, aliás o mesmo número do Mestre e de Paulo principalmente em Éfeso. E, convenhamos, em nada somos melhores que eles, ao contrário. Se eles assim o fizeram com sucesso, nós devemos fazer o mesmo em nosso dia a dia. Hoje temos muita informação e pouca formação. Imagine se fosse assim em curso de medicina, os médicos seriam diplomados sem prática alguma e não teriam condições de exercer a medicina a contento o que seria um desastre. Assim também é conosco em nossas igrejas, pois os pastores, lideranças e as tradições nos moldaram dessa forma. Temos muitos treinamentos principalmente nas Escolas Bíblicas que alguns ainda ousam dizer que é "a melhor escola do mundo". Deveria ser realmente, mas necessitamos de uma reforma de métodos, aliás voltando ao ponto inicial da criação das EBDs, quando na Inglaterra alguns crentes reuniam nos domingos os meninos de rua para dar-lhes alimento para o corpo e para a alma, e também um aprendizado geral. Daí foi-se copiando para os membros de Igrejas sempre com o objetivo de formação de lideranças. Mas com o tempo tornou-se mais uma reunião onde, em geral, nem a Bíblia se estuda mais, mas sim temas onde os textos bíblicos são meros pretextos.

Também sobre o comportamento das pessoas ao receberem o dom do Espírito ou o primeiro enchimento, varia de pessoa para pessoa, com o Espírito respeitando a individualidade do ser humano. Uns choram, outros gritam, outros caem e muitos outros ficam em profundo silêncio, sendo a maior característica o amor de Deus que invade os corações. No dia de Pentecostes por exemplo, os discípulos foram confundidos com pessoas embriagadas de vinho, quando na realidade estavam embriagadas do poder do Espírito. Quando não há o amor, algo está errado, e o Espírito não agiu no coração dessas pessoas verdadeiramente. Também nós quando recebemos essa visitação do Espírito temos um tempo de grande euforia, de extremismos quando chegamos ao que muitos cheios de tradições chamam do ridículo. Mas com tempo aprendemos com as lideranças e, principalmente, com o Espírito, a controlar as nossas emoções. Isso depende do real aprendizado. Mas temos muitos momentos em que somos tomados pelo Espírito e fazemos coisas que podem parecer a muitos como errado, mas sendo do Espírito realmente, a nossa alegria será grande, e logo levaremos essa alegria a outras pessoas.

O dom do Espírito Santo é mencionado em Atos 2. 38 - "Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos seus pecados, e receberão o dom do Espírito Santo". Foi o que os cento e vinte receberam no dia de Pentecostes e que seria uma constante na vida da Igreja. Lucas cita alguns desses recebimentos para mostrar que era para todos e não para alguns. Veja também que em diversas outras ocasiões ainda é dito que os apóstolos e discípulos foram cheios do Espírito como em Atos 4.31. "Depois de orarem, tremeu o lugar em que estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e anunciavam corajosamente a Palavra de Deus." Esse enchimento também deveria ser uma constante em nossas reuniões, mas temos muito mais shows e espetáculos do que o agir do Espírito Santo.

As emoções fazem parte do ser humano e o Senhor as usa em proveito da causa, mas não devem ser o principal em nossas reuniões. Não precisamos "sentir ou provocar" a presença de Deus, como alguns querem provocar em nossos cultos, pela fé, somente pela fé, sabemos que o Senhor está presente e quando Ele está presente o sobrenatural de Deus certamente acontecerá. Viver pelos sentimentos ou emoções torna-se perigoso, pois um dia estamos em alta, outro em baixa, um dia sorridentes, outro com problemas, enfermidades, aflições, dores, por isso vivendo pela fé sempre seremos vencedores, mais que vencedores em Cristo Jesus, nosso Senhor.

No poder do Espírito Santo de Deus,

Ivo Prado.