sábado, 12 de fevereiro de 2011

"MAR VIVO OU MAR MORTO?"



Pastor Clévison:

"MAR VIVO OU MAR MORTO?"

"... e tu, sê uma bênção"
 (Gênesis 12:2).

Existem dois mares na Palestina. Um é saudável e fecundo - o Mar da Galiléia. O outro, amargo e estéril - o Mar Morto.
Qual a diferença entre os dois? O Mar da Galiléia recebe e dá. O Mar Morto só recebe -- não tem nenhuma saída.

A qual dos dois mares se assemelha a nossa vida espiritual? Qual dos dois caracteriza o nosso relacionamento com o Senhor Jesus? Temos sido um canal de bênçãos, compartilhando tudo o que recebemos de Deus com aqueles que estão à nossa volta ou temos o costume de guardar para nós aquilo que recebemos do Senhor?

O Mar da Galiléia foi palco de grandes acontecimentos. Ali Jesus falava aos discípulos; ali vidas foram transformadas; ali os corações se encheram de júbilo; ali muitos foram chamados a um ministério glorioso; ali os milagres aconteceram. O Mar Morto nada apresentou. Ali não havia gozo, não havia refrigério, não havia motivação, não haviafelicidade.

Temos nos apresentado diante de Deus como o Mar da Galiléia?
Temos procurado iluminar o caminho por onde andamos?
Temos testificado, com alegria, de tudo o que temos experimentado na presença do Senhor?
Temos repartido todas as maravilhas que o Senhor tem derramado em nossas vidas e em nossa casa?

As águas que têm banhado nossos terrenos, agora férteis, têm sido conduzidas aos terrenos áridos daqueles que não tiveram ainda as mesmas experiências e que ansiam por dias melhores e mais felizes?

Quando somos abençoados e não abençoamos, perdemos a paz, o prazer, o estímulo e a felicidade. Somos águas paradas, como charcos e pântanos. A bênção é perdida e os milagres são anulados.

Sua vida tem sido um mar de bênçãos ou um mar amargo e sem nenhuma vida?

2 comentários:

  1. Linda a palavra Ivo. Que a nossa vida seja um canal de benção na vida do próximo. Que saibamos repartir o que o Senhor tem nos dado.
    A Paz queridos!
    Silmaras Dias

    ResponderExcluir
  2. CREDITOS DADOS A QUEM É DEVIDO: PR. PAULO BARBOSA

    ResponderExcluir