quarta-feira, 16 de março de 2011

As vítimas das catástrofes e a nossa responsabilidade


Amados em Cristo,

É comovente a triste situação dos nossos irmãos nipônicos vítimas de desastres naturais de grandes proporções e suas consequências. Evento ainda foi agravado pela situação provocada em diversos reatores nucleares para a produção de energia elétrica com a radiação nuclear que atinge os DNAs das células das pessoas expostas à mesma. Vi hoje um repórter de origem nipônica que está no Japão chorando ao ver crianças japonesas a procurar alimentos no lixo em uma província ao norte que foi mais atingida pelos eventos. Temos notícias de pessoas fugindo das zonas de radiação e das atingidas pelos eventos. Os estrangeiros que lá estavam prestando serviços estão voltando para seus países de origem temerosos do que está acontecendo ou ainda está para acontecer.

Mas infelizmente tanto a mídia como os governos do primeiro mundo, com nós também, não damos a mesma atenção quando fatos semelhantes acontecem em outras partes do mundo menos desenvolvidas. No evento do tsunami de Sumatra, por exemplo, que atingiu maior extensão geográfica justamente em nações menos desenvolvidas não houve tamanha comoção como agora se vê. Nem nos povos africanos que passam fome e literalmente as crianças têm morrido de inanição às centenas de milhares. Nem no Haiti que ainda sofre a crise de um grande evento natural agravado pela miséria vigente no país caribenho. Hoje parece que quase todo o mundo se esqueceu dessa nação e de outros eventos que chamavam a atenção do mundo até na semana anterior.

Aqui no Brasil, tanto nas grandes metrópoles como nas pequenas cidades, é muito comum assistirmos pessoas adultas e crianças revirando os lixos atrás de um resto de alimento resultado de sobras em nossas refeições como se fosse a coisa mais natural do mundo. Nem nós brasileiros nos preocupamos com isso e tampouco a mídia jornalística dá a mesma cobertura. Hoje estamos um pouco menos piores por causa do desenvolvimento econômico verificado nos últimos anos, mas mesmo assim continuamos com milhares, milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha de pobreza.

Certamente essa diferença é causada pela preocupação do mercado financeiro mundial na diminuição do poder aquisitivo do Japão que é a terceira potência econômica mundial. Não sabemos se continuará a ser, mas com o poder de recomposição sempre demonstrado por eles, certamente em pouco tempo voltarão a posições de destaque, principalmente no seu mercado consumidor. Isso se os eventos naturais não continuarem por um longo tempo. Mercado esse que agora terá que queimar suas altas reservas em dólares na compra de produtos base para sua reconstrução. Comprar dos países mais ricos e desenvolvidos, é claro.

Pode alguém perguntar: O que temos com isso tudo? Temos sim e muito, pois todos somos descendentes do mesmo casal colocado pelo Senhor na Terra que Ele preparou especialmente para a humanidade. Por  isso todos temos as mesmas características genéticas do DNA original. Somos todos irmãos embora com diferenças de cor, de idiomas, de costumes, de religiões. Nenhum de nós pode sequer escolher onde e quando nascer, se branco, ou preto, ou pardo, ou amarelo, ou de pele vermelha. Também não podemos escolher o dia de nossa partida.

Mas uma coisa podemos escolher, principalmente nós que nascemos no ocidente e com condições de um viver digno que é de ajudar-nos uns os outros. E muito mais nós que nos chamamos de cristãos. Termos que significa pequenos Cristos. Podemos e devemos orar intercedendo pelos povos deste mundo ao invés de ficarmos discutindo o sexo dos anjos. E mais, enviar a todos no mundo a mensagem do amor de Deus à humanidade que um dia escolheu se afastar do Criador, do Eterno Eu Sou. A mensagem de vida eterna e esperança que nos foi trazida através daquEle que se fez o mais miserável homem deste mundo que foi o Verbo, o próprio Eterno encarnado para pagar o preço imposto pela nossa redenção. Apenas e tão somente em Cristo Jesus, o Messias profetizado é que podemos ter a nossa redenção, a redenção de nossas nações, a redenção de nosso Planeta. E um dia, esperamos que seja em breve, Ele voltará para reinar entre nós e desbancar os nossos inimigos espirituais.

Bendito todo aquele que NELE espera, pois com Cristo Jesus reinará tanto no milênio como na eternidade. Bendito aquele que leva o evangelho de restauração a todo mundo, aos povos e nações, pois isso é uma ordem, um imperativo dado a nós na grande comissão dada à Igreja momentos antes de sua assunção aos céus.

Quando cumprimos as ordens daquEle que tanto nos ama é que podemos ser de fato bem aventurados.

Ivo Gomes do Prado.
16/03/2011.

* Uso autorizado com a menção da autoria e sem alterações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário