sábado, 12 de março de 2011

Dicas de Administração Financeira

Dicas de administração financeira Imprimir E-mail
Por Enfoque Gospel   
Ele está há mais de 26 anos escrevendo, palestrando e ensinando casais a lidarem com suas finanças nos quatro cantos do mundo. Pastor Ivonildo Teixeira, 47 anos, acabou se tornando uma referência no assunto e conquistou o reconhecimento e respeito de evangélicos de vários países. Suas orientações, sempre baseadas na Palavra de Deus, têm feito com que casais, além de recuperarem a harmonia econômica, experimentem um novo nível de relacionamento conjugal e conheçam a Deus de uma forma única. “Jesus, o maior consultor financeiro da terra, nos orienta, antes de qualquer questão, que sentemos à mesa e tomemos papel e caneta a fim de elaborar um bom planejamento para a família”, ressalta.
Nesse período, ele escreveu 28 livros, sendo 23 relacionados à administração financeira, e ministrou mais de 500 seminários, atraindo a atenção de platéias formadas por pessoas dos mais diferentes níveis econômicos, culturais e lingüísticos. Entre os vários títulos lançados e traduzidos para diversos idiomas, destacam-se Chega! Mendigo, Jamais! e Vivendo na Dimensão das Águias, que no final da última década e início desta conseguiram entrar para o seleto grupo dos mais vendidos. Teixeira também é autor de Dinheiro, uma Vitrine que Fascina, Acredite, Ainda Vale a Pena Sonhar e Mexeram no Meu Dinheiro, todos publicados pela MK Editora.
Nesta entrevista, feita em duas etapas, ele fala de dízimos e ofertas, discorre sobre a importância das finanças para o bem-estar do lar e mostra como a família pode ter uma vida financeira abençoada, segundo os ensinamentos das Escrituras. “A Bíblia é o ‘manual do fabricante’, a cartilha que Deus deixou para vivermos bem”. Ivonildo Teixeira, que é casado com Mônica Teixeira e pai de duas filhas, é também fundador da Igreja do Nazareno, em Vitória (ES).

ENFOQUEComo homens e mulheres lidam com dinheiro? O que cada sexo normalmente prioriza nas questões financeiras?

IVONILDO – De duas maneiras. Ou são criteriosos diante de um planejamento, somado a uma boa administração, ou verdadeiros freqüentadores dos “templos de consumo”, como os shoppings centers. Esses locais atraem mais a atenção das mulheres do que dos homens, segundo a Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings Centers). Na questão da prioridade financeira de cada sexo, vale citar o livro Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus (John Gray, Editora Rocco). As mulheres, em geral, optam pelos passeios nos shoppings para comprar roupas, o que as coloca em primeiro lugar no ranking em relação aos homens. Depois, vêm os sapatos, bolsas, produtos de beleza e acessórios em geral. Já os homens valorizam mais os carros. E muitos os adquirem sem condições, mas só para mostrar que “também podem”. O negócio é ter o “carrão”. Outros, com a cabeça no lugar, investem em imóveis, o que é um excelente negócio.

ENFOQUEAté que ponto essas preferências atrapalham o convívio do casal?

IVONILDO – Dinheiro pode ser um bom parceiro como um péssimo inimigo. Muitas vezes, por remorso, ostentação, vício, ou falta do que fazer, o casal acaba gastando o que não devia. O brilhante escritor David Beach, autor de vários best-sellers, afirmou: “Por desgraça, se um ‘orçamentista’ casar com uma ‘consumista’, não importa o quanto se amem, eles brigarão por causa de dinheiro”. Agora, se os dois forem consumistas, as brigas se transformarão em um verdadeiro campo de batalha, e poderá atingir o casal de maneira fatal.

ENFOQUEComo essas diferentes prioridades podem se transformar numa crise financeira?

IVONILDO – Tudo pode se transformar num calabouço enlouquecedor por estarem vivendo fora do padrão e por aparências. Veja um exemplo: recentemente, encontrei um homem que dirigia um Porsche novinho em folha e usava um Rolex de ouro. Parecia cheio de dinheiro, mas quando examinei as suas contas, vi que estava quebrado. É um senhor de meia-idade, que mora numa casa de um milhão de dólares e tem uma hipoteca de 800 mil, menos 100 mil em poupança e mais de 75 mil de dívidas no cartão de crédito. O Porsche é alugado e ele ainda paga pensão a duas ex-esposas. O antigo adágio é atual: “As aparências enganam”. E mais: “Quem vê cara não vê coração”.

ENFOQUENormalmente, quais são os maiores erros que os casais cometem quando a crise se instala?

IVONILDO – Escrevendo na área de finanças e atuando no ministério como palestrante e conselheiro financeiro para casais há 26 anos, descobri três grandes erros que normalmente são cometidos. Primeiro: o responsável esconde os “estragos financeiros” que fez. Quando o “inocente” descobre o rombo, o lar vira um inferno. Segundo: tenta-se arranjar o “verdadeiro culpado”. As acusações passam a ser as armas usadas como defesa. Exemplos: “A culpa é sua!”, daí o outro diz: “Se eu caí nesta situação, foi porque você forçou a barra”; “Mas você foi quem me incentivou a avançar”. Terceiro: em casamento cheio de dívidas, falta de dinheiro, cobradores na porta, o mais provável é acontecer a separação. Isso quando não acontece uma tragédia.

ENFOQUEPor que existem tantas pessoas passando por crises financeiras?

IVONILDO – Há várias. Mas citarei algumas que considero serem as principais. Deus é descartado para não opinar nas vidas financeiras; o casal acha-se dono do dinheiro; consumismo, o que talvez seja a maior marca do século 21; má administração das finanças; desemprego; economia do país oscilante; infidelidade a Deus nos dízimos; e falta de gratidão em ofertar com alegria e com generosidade.

ENFOQUEComo encontrar uma alternativa para que as crises financeiras não ocorram?

IVONILDO – É fundamental reconhecer, diante de Deus, os erros cometidos, confessá-los, pedir perdão e recomeçar. Uma conversa franca e sincera com a família ajuda bastante. Todos devem fazer um voto de não comprarem nada até saírem das dívidas e orar juntos, agradecendo a Deus por estarem dando a volta por cima.

ENFOQUEDiferenças de prioridade são alguns dos problemas enfrentados por muitos casais que passam por crises financeiras. O que as pessoas que vivem essa situação precisam aprender?

IVONILDO – Eles precisam se conscientizar de que “a vida de solteiro” já se foi há tempos. Agora, os dois “são uma só carne”, ou seja, torna-se necessário a comunicação aberta em todas as áreas do casamento. E uma delas é a financeira. Fazer um planejamento anual, ler bons livros que prestam orientação financeira, participar de seminários sobre o tema e ouvir pessoas que são bem-sucedidas nessa área são algumas iniciativas que ajudam o casal a administrar os recursos que Deus tem permitido chegar ao lar.

ENFOQUEA questão financeira é um dos maiores motivos que levam casais à separação. Como evitar que isso aconteça?

IVONILDO – Uma senhora de 45 anos, casada, disse-me uma vez que “o casal pode se amar muito, mas se o dinheiro faltar em casa, fatalmente a estrutura do lar balançará”. Hoje, o voto do casamento está sendo mudado. Antes era “até que a morte nos separe”, mas hoje é “até que as dívidas nos separem”. A única maneira de evitar que o divórcio aconteça é um pouco de compreensão do casal. Nessas situações, é preciso tomar novos rumos, reparar os erros, e os cônjuges se confessarem, um ao outro. Além disso, não esquecer de dizer palavras que mais parecem pérolas, mas que ressuscitam qualquer casamento: “Errei”; “Perdoe-me”; “Eu amo você”.

ENFOQUEO que um casal precisa priorizar para poder vencer uma crise financeira?

IVONILDO – Redução de gastos. Se antes saía toda semana para almoçar fora, continue almoçando fora, mas colocando a mesa no quintal da casa apenas, o que fará bem. Se possui celulares que estão nas mãos dos pais e dos filhos, procure eliminar pelo menos dois. Por um período, evite ir a todas as festas, inclusive os filhos, pois, em certos momentos da vida, uma coisa é querer e outra é poder. O apóstolo Paulo disse: “Aprendi a viver em toda e qualquer situação”. Dê férias para o guarda-roupa. Evite trocar de carro. Passe a viver dentro do orçamento do lar e nunca em função de outras pessoas. Se necessário, abra mão de algum bem para quitar a dívida e acabar com a situação caótica. Jamais tome cheques emprestados de ninguém e muito menos empreste. Um sábio já dizia: “Tome algo emprestado e você se torna escravo daquele que o emprestou”. Há um outro ditado que diz: “Nunca empreste dinheiro a amigos. Causa amnésia”. Elimine os cartões de crédito. Mas, acima de tudo, aprenda a viver com o que Deus tem confiado às suas mãos.

ENFOQUEDá para dizer que um casal que passa por esse momento está deixando de viver, completamente, o que as Escrituras ensinam?

IVONILDO – Não há dúvidas. A Bíblia é o “manual do fabricante”, a cartilha que Deus deixou para vivermos bem. Jesus falou: “Errais por não conhecerdes as Escrituras”. Quase todos os escritores e palestrantes na área de motivação e gestão financeira usam os princípios da Bíblia. Eles mudam apenas a linguagem. É só ler com cautela os livros e observar a Bíblia. A obediência à Palavra de Deus e aos homens de Deus traz segurança e prosperidade (2 Cr 20.20); a quebra de princípios divinos traz inúmeras tragédias (Dt 28.15-68).

ENFOQUEÉ comum encontrar famílias passando por dificuldades e, ao mesmo tempo, deixando de dizimar e ofertar?

IVONILDO – Depois de ministrar mais de 1.500 palestras, cheguei a uma conclusão: apenas 30% dos cristãos são dizimistas. Quando se trata de oferta, o estrago é muito maior do que se possa imaginar. O primeiro conselho que a serpente dá para o homem quando a crise bate à sua porta é: “Corte o dízimo e essas ofertas, pois Deus sabe de sua situação e entende o seu caso”, ou “Se você somar os dízimos e as ofertas que a igreja pede à sua família, em pouco tempo você sairá dessa crise”. Assim como Adão e Eva, muitos outros casais caíram nesse laço, acreditaram nessa história e estão vivendo em meio a uma areia movediça mortal.

ENFOQUEAté que ponto atitudes como essas podem influenciar a saúde financeira de uma família?

IVONILDO – A Bíblia diz que aqueles que, por qualquer motivo, deixam de ser fiéis a Deus nos dízimos e nas ofertas tornam-se candidatos a receber “visitas indigestas”. Uma delas é abrir a porta do lar e dar legalidade ao devorador para entrar e trazer os seus comparsas para não só tirar a saúde financeira do lar, mas, até mesmo, levar a família a um final infeliz. As passagens de Deuteronômio 28.15-68, Joel 2.25, Isaías 1.19 e Malaquias 3.8,9,11 mostram bem isto.

ENFOQUEQue princípios básicos qualquer cristão precisa aprender para evitar o endividamento?

IVONILDO – Aprender a viver contente em toda e qualquer situação (Fp 4.11), na fartura ou na escassez (Fp 4.12); crer que Deus suprirá cada uma de nossas necessidades (Fp 4.19); esperar o momento certo para os investimentos (Ec 3.1-8); ser grato por tudo o que Deus tem lhe dado (1 Ts 5.18).

ENFOQUELevando em conta que o dízimo é prioridade na vida do cristão, como bem administrar os 90%?

IVONILDO – Dízimo é dever. Uma vida financeira equilibrada e feliz parte do coração de todo dizimista. De fato, fiéis que ao se depararem com os 90% que ficam em “seu poder”, recorrem ao maior “investidor financeiro”, Jesus Cristo, e oferecem uma oferta de gratidão antes de pagar qualquer compromisso. O próximo passo é pedir direcionamento: “O que fazer com o que continua pertencendo ao Senhor na minha administração?” As dicas do Mestre são as melhores. E aqueles que honrarem seus sábios conselhos “viverão na terra que mana leite e mel”.

ENFOQUEO que a Bíblia ensina sobre economia doméstica?

IVONILDO – Jesus, o maior consultor financeiro da terra, nos orienta, antes de qualquer questão, a sentar à mesa, tomar papel e caneta e elaborar um bom planejamento com e para a família. Na parábola sobre as dracmas (Lc 15.8) fica a lição de saber administrar bem tudo o que chegar às mãos. Mesmo uma das dracmas perdida jamais pode deixar de ser procurada. Ao contrário, devemos “varrer a casa até encontrá-la”, ou seja, nada de desperdício. Tais lições encontramos também na parábola dos talentos (Mt 25.14-29). Quanto a sermos bons investidores, como na multiplicação dos cinco pães e dois peixinhos, a lição que ficou foi: seja grato. Com a multiplicação, veio a fartura – “comam bem e o que sobrar guardem para usar quando precisarem” – e Ele mais uma vez ensina uma lição contra o desperdício.

ENFOQUEComo encontrar a harmonia financeira à luz da Bíblia?

IVONILDO – É necessário aprender a viver a realidade dos recursos que chegam do suor do rosto da família. Paulo diz: “Quem quer comer que trabalhe, para não ser pesado a ninguém”. É necessário também ter fidelidade para com Deus – “Meus olhos procurarão os fiéis da terra”. Seja generoso – “A alma generosa prosperará”. Invista com prioridade no Reino e na vida do próximo – “Buscai em primeiro lugar o meu reino”. A parábola do bom samaritano registra: “Toma este dinheiro, cuida dele e, quando eu voltar, caso precise mais, eu to reembolsarei”. Guarde para estar preparado em tempos difíceis. Administre na hora da abundância. Faça como o governador do Egito, que no tempo das vacas magras e gordas, administrou com sabedoria celestial como poucos. Contar com o Espírito Santo para ensinar ao casal como lidar com o dinheiro: “O Espírito Santo vos ensinará todas as coisas”.

Fonte: Revista Enfoque Gospel

Nenhum comentário:

Postar um comentário