segunda-feira, 23 de maio de 2011

O criacionismo também é religioso? - Prof. Adauto Lourenço



Entrevista | Adauto Lourenço
- "Onde estão os fósseis da transição. Não existem"
- "Alguém tem como ir num laboratório e provar que Deus não existe?"




Tabernáculo - O que motivou o senhor a dissertar sobre a ciência Bíblica?
Tenho origem evangélica, mas sempre fui muito questionador. Se creio numa coisa tenho que ter razão para crer. Eu entendo fé diferente daquele negócio que diz : “pula do avião que depois eu jogo o pára-quedas”. Eu acho que isso não é fé. Fé é você chegar, o cara te dar o pára-quedas e dizer pode pular que ele abre. Então, estou dependendo do que ele me disse.

Sempre olhei essa questão dessa forma. A minha instrução foi toda evolucionista. E pela maneira de ser tão organizada e tão bem mostrada para a gente, não tem como você questionar muita coisa, porque o nível de conhecimento não é tanto assim.

Eu me formei, fiz colégio técnico e curso de Teologia, mas mesmo assim as idéias do evolucionismo ainda continuavam bem sedimentadas na minha vida. Mas eu tinha o desejo de continuar meus estudos. Fui para os Estados Unidos para fazer Física na universidade e, então, percebi que o negócio era muito mais amplo, que a minha visão era muito limitada, ou seja, aprendi a pensar dentro de caixinhas, porque é assim que a evolução faz. Você olha em uma caixinha que são os fósseis, olha em outra que são as placas tectônicas e você vai se perguntando como estas caixas se encaixam? Elas não se encaixam.

O que o senhor fez quando chegou a esta conclusão?

Na hora em que percebi isto, abriu-se um mundo todo novo para mim. Isso aconteceu no meio da década de 80, no final desta década eu já estava questionando a teoria evolucionista. Quando comecei meu mestrado já tinha muito material, muita bagagem criacionista. Eu comecei a procurar cientistas criacionistas e descobri que existe uma quantidade muito grande de homens altamente capacitados fazendo pesquisas nos melhores laboratórios e comprovando o criacionismo.

Como o senhor se sentiu ao perceber que haviam cientistas procurando provar a existência de tudo o que a Bíblia diz?

Eu achei fantástico e disse, é essa a barca que quero está dentro. A partir da década de 90 comecei a me envolver especificamente com o criacionismo. Meu trabalho dentro do mestrado e doutorado são relacionados, não diretamente com o criacionismo, mas com áreas que afetam indiretamente a questão criacionista. Comecei a me expandir e procurar outras áreas, porque o cientista não pode ficar preso a uma única área senão fica bitolado. Quando falo, por exemplo, de dinossauros, não estou me referindo apenas aos fósseis. Na literatura existem descrições de animais que hoje sabemos serem os dinossauros, mas uma literatura que foi escrita há 1.500 anos, falando de animais com a mesma proporção, tamanho exatamente igual ao que nós conhecemos como fósseis hoje, só que os fósseis só foram descobertos há 200 anos. Como é que eles sabiam da existência deles? Você fica mais motivado a pesquisar para ver todas as ramificações do criacionismo.

O evolucionismo é uma ciência ou se tornou uma religião?

O evolucionismo sempre foi uma religião, porque toda ciência é religiosa. Qualquer área da ciência, quando você começa, se você não crer que a coisa seja daquele jeito, não inicia uma pesquisa. O elemento crer faz parte da pesquisa. A questão é: o elemento crer tem que ser controlado e dominado. Ele não pode se tornar obsessivo porque se as pesquisas indicarem que estou na direção errada, eu tenho que ser honesto o suficiente para chegar ao ponto de ver que estava crendo num negócio que não é válido. Eu tenho que mudar ou adaptar minha pesquisa ou teoria.

A evolução pede para eu crer em certos postulados que ela me dá, mas existem evidências suficientes para que eu possa dar base para esses postulados continuarem de pé. A resposta até o presente momento é não.

Por quê? 

Vamos tomar como base as três leis básicas do aparecimento, continuidade e preservação da vida:

A lei da Biogênese diz que a vida gera vida. Como a evolução prova que não vida passou a se tornar vida se tem que quebrar a lei, tem que ter um mecanismo que anule essa lei para que isto aconteça, tem que achar um jeito para fazer a coisa acontecer? A lei diz que não acontece;

A lei de Mendell é a lei da transmissão genética. Ela diz que características são passadas de pais para filhos, mas diz que existe um limite de coisas genéticas que podem ser passadas. Não tem como mudar isso. Como a evolução explica que um grupo passou a ser outro grupo - é o que a evolução chama de macroevolução. Isso nunca foi provado, não é nem científico.

A lei da termodinâmica fala a respeito da diminuição de complexidade com o passar do tempo, do aumento da desorganização. Uma forma mais simples de informar que energia vai se tornando mais e mais em formas não utilizáveis, ou seja, a quantidade disponível de calor para você trabalhar com ele é cada vez menor.

O que a evolução tem que eu possa crer? A evolução nada mais é que o aparecimento de organismos desconhecidos, com uma composição desconhecida, um oceano ou atmosfera de composição desconhecida que passaram por processos desconhecidos, subiram por uma escada evolucionista desconhecida e deixaram uma evidência desconhecida. Um caso de evidência seriam os fósseis. Onde estão os fósseis da transição? Não existem.

O criacionismo também é religioso?

Você tem que crer na existência de Deus. Agora isto é científico ou não? Se eu encontrar um relógio no chão eu diria que ele apareceu espontaneamente ou que teve um criador. Então é científico pensar na existência de um criador. É parte do nosso conhecimento e experiência e por isso não pode ser colocado num posicionamento de não científico.

‘Se me coloco em um local para discutir a questão, muita gente diz: ah! Isto é coisa de igreja, a gente não discute’

Cientistas que também trabalham nesta ciência tiveram algum problema com a comunidade científica internacional?

Acho que posso responder de forma bem simples. Quantas monografias sobre criacionismo você já leu? Não existem porque as pessoas dizem que isso é religioso. Quantos eventos criacionistas você encontra na mídia? Nenhum. O que você encontra de literatura criacionista sendo ensinado nas escolas? Nada. Porque o Ministério da Educação não propõe o aparecimento ou colocação da teoria criacionista lado a lado da teoria evolucionista?

Mas hoje isto já está mudando nas escolas?

Nas escolas você está vendo, depois de mais de 10 anos de brigas, aparecer uma pequena frase dizendo que existe também uma outra teoria chamada criacionismo, que é tratado como fixismo, ou seja, as coisas são fixas, nunca mudaram. Existe uma resistência imensa, sem dúvida. Enfrentamos isso em todas as áreas, de pesquisa, publicações, ensino e até mesmo na área de liberdade de pensamento, porque se eu me coloco num local para discutir a questão, muita gente diz que isto é coisa de igreja, a gente não discute. Mas estou tratando de ciências, de pesquisas, de utilização de equações, de física, de química, de biologia, zoologia.. No entanto, existe um grande preconceito ao estudo da ciência criacionista, da proposta da teoria da criação. Porque muitos entendem que ela é apenas religiosa. Eu não tenho como ir num laboratório e provar que Deus existe. A pergunta é: Alguém tem como ir e provar que ele não existe? Os dois precisam de fé. Um crendo que Ele existe e o outro crendo que Ele não existe.



http://www.tabernaculo.com.br/arquivo/2003/abril/paginas/entrevista.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário