domingo, 26 de junho de 2011

IGREJA NOS LARES - A IGREJA DAS DUAS ASAS



                               As duas asas

Papel de parede É lindo voar como uma águia em papéis, fotos e imagens
   Tal qual uma ave, também a Igreja necessita de duas asas para voar. A primeira é a asa dos pequenos grupos caseiros, das células, chamada de asa comunitária. Esta asa trabalha no varejo alcançando as pessoas lá onde elas convivem umas com as outras no cotidiano. 

   A outra asa, igualmente importante, é chamada de asa da celebração, da reunião dos pequenos grupos no grande grupo da celebração semanal. Ela trabalha no atacado, nas grandes colheitas. Os recém-nascidos são abrigados e amamentados no calor dos berços dos grupos caseiros. Ali aprendem a falar e a caminhar, recebem os cuidados ternos até se tornarem jovens aptos a serem também novos pais para cuidarem com carinho dos nossos netinhos.

   As duas asas para alçarem grandes vôos necessitam de uma perfeita harmonia. Durante cerca de 1.700 anos a Igreja tentou alçar vôos com uma só asa, mas ficou girando em círculos. Mas, pela graça de Deus, hoje podemos novamente alcançar as alturas, as regiões celestiais propostas por Ele, pois as portas do inferno não nos resistem, de lá libertamos os cativos e oprimidos para serem remidos pelo sangue do Cordeiro, Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador.

Trabalhos de impacto

   Todo servo de Deus, realmente chamado e comissionado para trabalhar na sua seara, tem o desejo ardente de ver o crescimento do Reino através de vidas ganhas, arrebatadas das mãos do "inimigo". Para isso muitos trabalhos de impacto têm sido realizados, grandes séries de conferências com "pregadores famosos", distribuição farta de literaturas, campanhas e mais campanhas visando ganhar um grande número de almas em duas ou três noites. A avaliação dos resultados feita no calor dos acontecimentos tem gerado resultados aparentemente expressivos. Grande número de pessoas atende os "apelos" do pregador. Após algum tempo, verifica-se que a primeira avaliação não correspondia à realidade final. O número daqueles que permaneceram fiéis, mantendo um compromisso sério com Cristo, é pequeno. Temos observado quase sempre as mesmas pessoas que vão à frente na hora dos apelos e isso nas diversas Igrejas de uma mesma cidade. Já se estimou a percentagem em menos de 5% dos frutos reais desses trabalhos de massa, às vezes um pouco melhorada com trabalhos de discipulado nos lares.

   Trabalhos em massa e grandes campanhas têm o seu valor, como teve no dia de Pentecostes quando cerca de 3.000 almas foram salvas, permanecendo fiéis com números próximos a 100%. Havia algo de muito especial que a grande maioria das Igrejas hoje não coloca em prática, algo esse verificado no ministério de Jesus. Nesse tempo havia cento e vinte discípulos preparados pelo Mestre e cheios do Espírito para liderarem os trabalhos nos lares. Também outros trezentos e oitenta que estavam em fase de preparação, mas não estavam presentes no dia de Pentecostes. Certamente foram cheios do Espírito após esse dia.

Ivo Gomes do Prado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário