segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Como medir o sucesso da obra cristã

"Eis que ponho diante de ti uma porta aberta que ninguém pode fechar" (Apocalipse 3:8).


Esta é a primeira promessa do Senhor [para a igreja em Filadélfia]. É a recompensa pela fidelidade deles. Muitos dizem que se eles não aceitam o nome do mundo, as denominações e seitas, eles não terão lugar para trabalhar [para o Senhor]. Além disso, os homens vão propositadamente fechar suas portas para eles! De acordo com os olhos carnais, este é certamente um problema. No entanto, o Senhor considera o Seu nome precioso acima de tudo o mais. Para os que não negam o nome do Senhor por causa do mundo ou das denominações, pelo Senhor, lhes será dada uma porta aberta que ninguém pode fechar. Quão importante é isso! 

Como isso soa reconfortante! Aqueles que defendem as denominações podem fazer o seu melhor para fechar as portas, mas o Senhor abre as portas, e quando Ele abre, ninguém pode fechá-las.


O caminho que o Senhor está nos levando a tomar não é uma forma de "inutilidade". A porta aqui, de acordo com a aplicação das Escrituras, se refere ao nosso testemunho e oportunidade de trabalho para o Senhor. O apóstolo Paulo mencionou isso três vezes (1 Co 16:9;. 2 Cor 2:12;. Col. 4:3). Todos aqueles que andam com Cristo vão ver que por um lado, eles serão rejeitados, mas, por outro lado, os homens reconhecerão que o seu Senhor está em seus corações. Estas duas coisas não são contraditórias. A história do evangelho em todo lugar prova isso para nós.


Na verdade, o que é necessário é a fé. Fazer julgamentos pelos resultados muitas vezes é errado. Se precisarmos do sucesso de uma obra para provar que o mesma é apropriada, estamos caminhando em dúvida e não vivendo pela fé. Porque os sentimentos do homem tendem à dúvida sobre seu próprio futuro o Senhor garantirá que alguem está correto mas [garantirá] pela Sua palavra. O homem precisa apenas se perguntar se ele tem as características de Filadélfia. Se ele tem, ele pode estar em repouso, pois a porta já está aberta. Nossos olhos não se colocam na porta que se abriu mas em nosso Líder e no caminho que tomamos. 


Se o sucesso se torna a medida de nossa obra seremos enganados. O sucesso mais significativo só pode ser determinado no futuro, não no presente. O padrão é a eternidade e não a era presente. Se os crentes tomam o sucesso como o seu padrão, eles podem não ser capazes de ouvir a voz do Senhor aqui. A tentação de sucesso pode ser a maior armadilha que o inimigo preparou para os servos de Cristo. Muitas vezes, o sucesso determina a direção da obra da pessoa mais do que a palavra de Deus. Isso pode continuar até que a direção realmente se torna contrária à palavra de Deus. Mesmo o sucesso que vem através verdadeira obediência pode resultar em excesso de vanglória, derrubando a serenidade espiritual da pessoa. Mas oposição faz com que os crentes aprendam a ter paciência! A partir disso, podemos ver que é beneplácito de Deus que Ele dê aos seus servos, pouco sucesso!


Como seria maravilhoso se não pudéssemos ver a porta aberta pelo Senhor, mas somente ao Senhor que abre as portas. Se um lugar estiver em crise e as tempestades estiverem irrompendo pro toda parte para que o evangelho não possa ser pregado, isto é assunto do Senhor. Se os lugares em que desejamos ver o evangelho pregado estão fechados, temos que perceber que é a mão do Senhor. Se olharmos para Ele, não vamos desanimar ou nos cansar. Se virmos o Senhor abrindo uma porta diante de nós, podemos ignorar a circunstâncias externas e podemos continuar a fazer a obra com ousadia e segurança. Mas se isso não for o caso, mesmo que tenhamos a proteção do governo ou da boa vontade do povo, nós provavelmente não seremos capazes de avançar muito.


Claro, temos que esperar para que o Senhor abra a porta. No início, o Senhor proibiu Paulo de pregar na Ásia, mas três anos depois, vemos Paulo estabelecendo uma igreja lá, e toda a Ásia ouviu a palavra do Senhor. Devemos confiar no Senhor com fé. A paciência é indispensável na obra do Senhor. Nossa fé deve ser testada. Muitas vezes, o Senhor permite circunstâncias adversas para virem sobre nós para que possamos saber que sem Ele nada podemos fazer. É somente quando nos damos conta de nossa fraqueza que o Senhor nos dá a força. Primeiro Ele nos dá a fé. Então, Ele dá a força para confirmar a fé que deu. "Que ninguém pode fechar." Como isso é reconfortante! A porta que Cristo abre, ninguém pode fechar, nem mesmo o mundo, o diabo, ou os maus espíritos. Embora não tenhamos força, mesmo para arrombar a porta, a porta está aberta para nós. Toda a Igreja é fraca, mas uma fé pequena fará o que as grandes potências não são capazes de realizar.


Cristo tem todo o poder. Tudo está em Suas mãos. O "porteiro" só abre a porta para Ele (João 10:3). Uma vez que o Senhor Jesus revela a Si mesmo, nada pode calar o seu testemunho. Todos os poderes do mundo, os fariseus, os escribas, os sacerdotes, os anciãos, os governantes, Pilatos e Herodes não podem impedir uma ovelha de Cristo de ouvir a Sua voz. Este foi o caso, então, e é o mesmo hoje. Aqueles a quem tememos podem fechar a porta? A palavra do Senhor diz que ninguém pode fechar.


Quão semelhante é a condição de Filadélfia com a condição quando Cristo estava na terra! Todo mundo estava planejando fechar a porta e se opor a Cristo. Como Filadélfia, Cristo habitou em um sistema que já foi estabelecido por Deus, mas havia se tornado um fracasso total. Na época de Cristo, a arca da aliança tinha ido embora, e o Urim, o Tumim, e a glória Shekinah do templo também foram embora. Tudo o que tinha manifestado o poder de Deus e testemunho tinham ido embora. Deus não tem um trono em Jerusalém. Pelo contrário, era um poder gentio que reinava. 

Os israelitas foram castigados por Deus através de seus pecados. Apesar disso, Ageu disse-nos que o Espírito do Senhor ainda estava entre eles. É por isso que ainda vemos Ana e Simeão e os muitos em Jerusalém, que olharam para a redenção de Israel. Estes foram os remanescentes daqueles dias, o pequeno rebanho fiel. Quando o Senhor Jesus veio, o mundo o rejeitou. Ainda assim, vemos todas as portas fechadas? Não. Ao contrário, o porteiro abriu a porta para ele.


Quem alguma vez foi rejeitado como Cristo foi? Quem já enfrentou oposição mais severa do que a que Cristo enfrentou e, apesar disso, se manteve humilde e fiel? Cristo estava disposto a abrir mão de tudo neste mundo. Ele estava disposto a ser considerado como o pó da terra. No entanto, nenhuma das ovelhas perdidas da casa de Israel deixou de ouvir a voz de seu Bom Pastor. Seus olhos foram capazes de buscar todos, se alguém era um publicano, um pecador, uma prostituta, um Nicodemos, ou uma mulher samaritana. Ele agora está colocando aqueles que têm pouca força na mesma posição de humildade que antes foi a Sua. O porteiro terá que abrir a porta para eles da mesma forma que ele teve de se abrir para Ele.


(Collected Works of Watchman Nee, O Vol (Set 1) 05:. O cristão (3), Capítulo 3, Secção 11)

Nenhum comentário:

Postar um comentário