sábado, 24 de setembro de 2011

DA BOCA DE PEQUENINOS E CRIANÇAS DE PEITO SUSCITASTE FORÇA

por Romulo Liduardo Nogueira, sexta, 23 de setembro de 2011 às 12:53

Vários bebes no sofá"Da boca de pequeninos e crianças de peito suscitaste força, por causa dos teus adversários, para fazeres emudecer o inimigo e o vingador." - Salmos 8:2

"Em Atos 16 Paulo e Silas foram colocados numa prisão em Filipos. Versículo 25 diz: "Por volta da meia-noite, Paulo e Silas, enquanto oravam, cantavam hinos de louvor a Deus, e os outros presos os escutavam." Enquanto eles estavam orando e cantando hinos de louvor a Deus, eles estavam ali como pequeninos e crianças de peito. Pequeninos e crianças de peito não podem fazer nada. Você não pode pedir a um pequenino ou criança de peito para fazer coisas tais como construir uma mesa, ir a escola ou limpar o chão da cozinha. A característica de um pequenino ou criança de peito é que toda sua atividade é reduzida. Isso significa que toda nossa atividade natural deve ser reduzida e devemos ser os que louvam o Senhor.

Paulo e Silas cantavam hinos de louvor a Deus, e o texto diz que "os outros presos os escutavam" (v. 25). A Tradução Expandida de Wuest diz: "Os presos estavam escutando e desfrutando o que eles cantavam". Os presos não estavam simplesmente ouvindo-os; mas eles estavam escutando-os, prestando atenção a suas palavras e ao seu significado. Se não fosse assim, como poderia o carcereiro ter perguntado: "Senhores, que devo fazer para que seja salvo?" Ele também deve ter ouvido os cânticos, levando-o a compreender a sua necessidade de ser salvo. Tudo o que eles estavam cantando, os presos estavam escutando e ouvindo.

Uma coisa muito marcante é que esse carcereiro filipense tornou-se um dos primeiros convertidos em Filipos. Isso significa que a igreja em Filipos e o mover do Senhor para Europa começou com o louvor dos pequeninos e crianças de peito. O mover do Senhor começa com o povo que louva o Senhor." (Estudo Cristalização de Salmos - Parte 1, pp. 83-84)

Nenhum comentário:

Postar um comentário