sexta-feira, 7 de outubro de 2011

A Eleição e a Nossa Responsabilidade de Missões Perante Deus.



E disse-lhes (Jesus): Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. - Mateus 28.19,20.

Ao nascer não escolhemos o nosso nome, a nossa cor, o lar e o lugar onde nasceríamos, nem quando e como. Tudo pertence ao Senhor. Não serei eu que vou explicar o porquê de muitas coisas, nem cabe indagar a Deus os porquês desta vida. Não temos direito algum para indagar o Senhor por Suas atividades, vide as perguntas que fez a Jó que não temos resposta a nenhuma delas. 

Nem tampouco o porquê ao Senhor aprouve escolher a mim ou você. A eleição para mim não é motivo de orgulho, ao contrário é motivo para eu me humilhar perante o Senhor e louvá-LO e derramar-me em adoração solene. Também vejo aumentada a minha responsabilidade em cumprir fielmente o Seu mandado de levar a mensagem do Evangelho ao mundo a fim de mais e mais pessoas também sejam alcançadas, para igualmente O louvarem e O adorarem. O louvor e a adoração do não salvo não são aceitas por Deus, pois veem somente da carne. A verdadeira exaltação a Deus vem do Espírito Santo que em nós habita.

Vou lhe contar uma historinha para ilustração da diferença que devemos ser:

"Um senhor de meia idade foi numa manhã, bem cedinho, a uma praia para se exercitar. Viu um rapaz que estava a pegar estrelas do mar e jogando-as nas águas do oceano. Naquela noite a maré alta fez com que milhares, milhões de estrelas do mar ficassem encalhadas nas praias do continente. Aquele senhor achou curiosa a atitude do rapaz e foi conversar com ele:- 

"-Moço, nesta hora milhões de estrelas do mar estão encalhadas ao longo de milhares de quilômetros de praia e fatalmente deverão perecer, de nada adiantará o seu trabalho. Que diferença fará o seu trabalho?"

O jovem simplesmente se abaixou, pegou mais uma estrela do mar e a devolveu ao oceano dizendo: "Para esta fará a diferença". E continuou em sua atividade de salvar estrelas do mar. Daquele momento em diante o ancião passou a acompanhar o jovem na tarefa de salvar algumas pobres estrelas de mar."

Assim é Deus para conosco. Milhões, bilhões de pessoas no mundo estão caminhando para a perdição eterna. Mas a Deus aprouve providenciar a salvação para muitas delas. Seria Deus injusto por isso? E nós somos o instrumento para realizar essa missão. Não sabemos quem são os salvos, mas sabemos que o Senhor nos comissionou ao IDE, pois exatamente aquelas pessoas a quem iremos levar a mensagem da cruz e a receberem serão as pessoas que o Senhor de antemão escolheu. Não nos compete perguntar-LHE o porquê.

Muitos hoje não creem na eleição incondicional, mas também não estão cumprindo integralmente o IDE de Jesus. Estão mais preocupados com o VINDE humano onde as programações têm envolvido a grande maioria das Igrejas no tempo presente. Hoje tem mais valor os shows evangélicos do que o alcançar os não alcançados. Os intermináveis ensaios para comemorações de "datas especiais", que no fundo são para entretenimento dos crentes desviam-nos da grande comissão que nos é dada pelo Mestre. Também a ação social pela ação social sem o evangelismo valor algum tem. E não basta apenas pregar, é preciso também fazer discípulos que é o ponto alto da Grande Comissão.

Pode parecer um paradoxo, mas os cristãos que mais saíram a evangelizar as nações e as pessoas são exatamente aqueles que creem na eleição incondicional e não aqueles que creem no livre arbítrio. Em virtude da nossa omissão no tempo presente é que as Igrejas que pregam a teologia da prosperidade estão cheias, pois o Senhor tem milhares, milhões de vidas a serem alcançadas e nós estamos lhes sonegando as boas novas não lhes dizendo que "Cristo Jesus é a Única Esperança". Raramente vemos homens como o pregador batista C H Spurgeon

Amado, fomos eleitos para servir, para amar, para levar a mensagem de libertação, cura e salvação (SOZO significa isso) aos não alcançados para arrebatá-los das garras de satanás. Levando a mensagem estaremos cumprindo o mandado de Cristo, alcançado pessoas para o Reino de Deus, para sobretudo santificarem o nome de Deus, o verdadeiro sentido da oração do Pai Nosso.

Muitas vezes os não alcançados estão em nosso dia a dia em nosso oikós (círculo de amizade íntima muitas vezes traduzido por casa), sentados nos mesmos bancos que sentamos em nossas Igrejas, trabalhando lado a lado em nossos empregos, andando nas mesmas ruas que andamos, vivendo na mesma cidade e tempo que vivemos. Em resumo na nossa Jerusalém. Jerusalém alcançada devemos partir para a a Judeia, e depois para Samaria, após para os confins da terra, indo pessoalmente ou enviando missionários comissionados pelo Senhor. Por isso nós hoje estamos incluindo na grande comissão e debaixo da mesma ordem de alcançar o mundo todo que foi dada pessoalmente por Cristo Jesus aos nossos irmãos que conviveram com Ele em seu ministério terreno. Recebemos essa ordem por escrito nos evangelhos e em Atos 1.



Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito
Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em
toda a Judeia e Samária, e até os confins da terra.
- Atos 1.8 
Ivo Gomes do Prado - IPRCentral - Assis.





ROMANOS 09:

1 Digo a verdade em Cristo,
não minto, dando testemunho comigo a minha consciência no Espírito
Santo,

2 que tenho grande tristeza
e incessante dor no meu coração.

3 Porque eu mesmo desejaria
ser separado de Cristo, por amor de meus irmãos, que são meus
parentes segundo a carne;

4 os quais são israelitas,
de quem é a adoção, e a glória, e os pactos, e a promulgação da
lei, e o culto, e as promessas;

5 de quem são os
patriarcas; e de quem descende o Cristo segundo a carne, o qual é
sobre todas as coisas, Deus bendito eternamente. Amém.

6 Não que a palavra de Deus
haja falhado. Porque nem todos os que são de Israel são
israelitas;

7 nem por serem
descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será
chamada a tua descendência.

8 Isto é, não são os filhos
da carne que são filhos de Deus; mas os filhos da promessa são
contados como descendência.

9 Porque a palavra da
promessa é esta: Por este tempo virei, e Sara terá um filho.

10 E não somente isso, mas
também a Rebeca, que havia concebido de um, de Isaque, nosso pai

11 (pois não tendo os
gêmeos ainda nascido, nem tendo praticado bem ou mal, para que o
propósito de Deus segundo a eleição permanecesse firme, não por
causa das obras, mas por aquele que chama),

12 foi-lhe dito: O maior
servirá o menor.

13 Como está escrito: Amei
a Jacó, e aborreci a Esaú.

14 Que diremos, pois? Há
injustiça da parte de Deus? De modo nenhum.

15 Porque diz a
Moisés: Terei misericórdia de quem me aprouver ter
misericórdia, e terei compaixão de quem me aprouver ter
compaixão.

16 Assim, pois, isto não
depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus que usa de
misericórdia.

17 Pois diz a Escritura a
Faraó: Para isto mesmo te levantei: para em ti mostrar o meu
poder, e para que seja anunciado o meu nome em toda a terra.

18 Portanto, tem
misericórdia de quem quer, e a quem quer endurece.

19 Dir-me-ás então. Por que
se queixa ele ainda? Pois, quem resiste à sua vontade?

20 Mas, ó homem, quem és
tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a
formou: Por que me fizeste assim?

21 Ou não tem o
oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso
para uso honroso e outro para uso desonroso?

22 E que direis, se Deus,
querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou
com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição;

23 para que também desse a
conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que
de antemão preparou para a glória,

24 os quais somos nós, a
quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os
gentios?

25 Como diz ele também em
Oseias: Chamarei meu povo ao que não era meu povo; e amada à que
não era amada.

26 E sucederá que no lugar
em que lhes foi dito: Vós não sois meu povo; aí serão chamados
filhos do Deus vivo.

27 Também Isaías exclama
acerca de Israel: Ainda que o número dos filhos de Israel seja
como a areia do mar, o remanescente é que será salvo.

28 Porque o Senhor
executará a sua palavra sobre a terra, consumando-a e
abreviando-a.

29 E como antes dissera
Isaías: Se o Senhor dos Exércitos não nos tivesse deixado
descendência, teríamos sido feitos como Sodoma, e seríamos
semelhantes a Gomorra.

30 Que diremos pois? Que os
gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça, mas a
justiça que vem da fé.

31 Mas Israel, buscando a
lei da justiça, não atingiu esta lei.

32 Por que? Porque não a
buscavam pela fé, mas como que pelas obras; e tropeçaram na pedra
de tropeço;

33 como está escrito: Eis
que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço; e uma rocha de
escândalo; e quem nela crer não será confundido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário