sábado, 1 de dezembro de 2012

Modelo de discipulado UM A UM


Caso houve apenas um cristão no mundo e esse se determinasse a ganhar a cada ano uma pessoa, capacitando-a e treinando para que também fizesse o mesmo. No segundo ano se repetiria essa determinação, agora com dois cristãos motivados a alcançarem outras duas pessoas e assim acontecesse consecutivamente, dobrando-se o número de alcançados a cada ano. O que aconteceria ao final de três décadas? Infelizmente esse método, embora pareça ser muito simples, nunca foi colocado verdadeiramente em prática por alguns anos.

Vejamos no quadro abaixo que haveria um crescimento geométrico da Igreja do Senhor Jesus Cristo. Em apenas 33 anos toda a população do mundo, atualmente estimada em cerca de seis bilhões de pessoas, seria alcançada para o Reino de Jesus. Embora isso possa parecer uma utopia, vamos aos números.

Anos

Número de discípulos

01
02
02
04
03
08
04
16
05
32
06
64
07
128
08
256
09
512
10
1.024
11
2.048
12
4.096
13
8.192
14
16.384
15
32.768
16
65.536
17
131.072
18
262.144
19
524.288
20
1.048.576
21
2.097.152
22
4.194.304
23
8.388.608
24
16.777.216
25
33.554.432
26
67.108.864
27
164.217.728
28
268.435.456
29
536.870.912
30
1.073.741.824
31
2.147.483.648
32
4.294.967.296
33
8.589.934.592


“E as coisas que me ouviu dizer na presença de muitas testemunhas, confie a homens fiéis que sejam também capazes de ensinar a outros".  II Timóteo 2.2

Vamos tratar neste estudo da formação de lideranças dentro do conceito:- Cada membro é um ministro, cada crente é um discípulo ganhador de almas. O discípulo cristão é um líder gerado com o ideal de ser igual a Cristo.

Grupo de Cristo – O grupo gerado por Jesus Cristo compunha-se basicamente de 12 discípulos que se tornaram os apóstolos. Jesus passou-lhes, no dia a dia, as qualidades do seu caráter, transmitiu-lhes a mesma unção do Espírito Santo que estava sobre Ele.

O líder deve ter o caráter do Mestre nos relacionamentos, no servir, no poder sobre o pecado, enfim no amar. Deve ser um imitador de Cristo. Deste modo, os demais líderes gerados herdarão esse mesmo caráter.

Imitadores de Cristo:- O mesmo Espírito que capacitou a Jesus Cristo (homem) em seu ministério terreno, também nos capacita em nossa jornada na terra, João 16. 12 a 15. As mesmas obras operadas por Jesus, e obras maiores ainda poderemos fazer através do poder do Espírito Santo (João 14.12). As obras não são somente os milagres em si, são acima de tudo obras de amor.

A grande característica do discípulo é a de ser imitador do Mestre. O líder, por isso, deve ser um imitador de Cristo. Ele nos amou até o fim, assim também a grande qualidade do líder deve ser a de amar.

Jesus amou a todos, principalmente ao grupo que andou com Ele, e em especial aos doze, inclusive a Judas que o traiu, mas não se arrependeu, inclusive a Pedro, que o negou, e aos outros que o abandonaram na cruz. O Mestre reabilitou a todos e só se perdeu o filho da perdição (João 16. 32, João 17. 9 a 18...).

Finalmente Jesus derramou no dia de Pentecostes uma grande unção de poder sobre os 120 que obedeceram ao mandado de ficar em Jerusalém, experiência essa repetida várias vezes, centenas, milhares de vezes, através da história da Igreja. Experiência essa que também é para os nossos dias. O enchimento do Espírito Santo tem feito a diferença nas vidas dos salvos e na Igreja de Cristo.

Assim como Jesus amou e capacitou os apóstolos, também o líder deve amar e capacitar seus liderados. "Uma das qualidades essenciais do pastor é formar outros pastores iguais a Jesus”.

Paulo - O apóstolo Paulo pede em pelo menos 4 vezes que os leitores o imitassem. Em I Coríntios 4.14 a 16 fala que "os havia gerado e que fossem seus imitadores". Em I Coríntios 11.1-2, pede que o imitassem como ele imitava a Cristo, e os louvava porque retinham as tradições (ensinamentos) exatamente como ele as havia transmitido. Outras passagens:- Filipenses 3.17, I Tessalonicenses 1.6 e 7 – Não só haviam imitado a Paulo como também eram modelo para os crentes de outras cidades e países, fato que é mencionado no capítulo 2.14; além de imitar a Paulo, as igrejas imitavam as igrejas da Judéia. Novamente repetido em II Tessalonicenses 3. 6-8. Também aconselha Timóteo: a permanecer naquilo que havia aprendido – II Timóteo 3.14; observe bem a profundidade de II Timóteo 1. 13:- "Retenha, com fé e amor em Cristo Jesus, o modelo da sã doutrina que você aprendeu de mim".

Estratégia de Paulo:- O método usado por Paulo, como o de Jesus Cristo, não era o de trabalhar com as multidões. Trabalhava com os pequenos grupos. Esse método é visto claramente no conselho a Timóteo de passar a homens fiéis (discípulos) os ensinamentos recebidos do Apóstolo a fim de ensinarem a outros – II Timóteo 2.2 Observe a cadeia a ser formada:- Paulo havia passado o que recebera do Mestre a muitas pessoas, uma delas era Timóteo, este passaria a um grupo os ensinamentos recebidos de Paulo, cada pessoa do grupo seria capacitada a passar os ensinamentos a pessoas de outros grupos, e assim por diante. Por ensinamentos estão incluídos também a unção do enchimento do Espírito, do recebimento de dons espirituais, de ministérios, de consagrações, etc.

Também o autor da carta aos Hebreus no capítulo 13.7 ensina os leitores a imitarem a fé de seus líderes.

Etapas a serem cumpridas:-

1.   Escolha.
Jesus quando escolheu os doze não olhou suas capacitações humanas e sim aquilo que poderiam realizar capacitados pelo Espírito Santo. Aos nossos olhos humanos aqueles doze não passariam no primeiro teste. Por isso a escolha foi precedida de muita oração, sendo a qualificação espiritual, o invisível que pesou na escolha. Paulo aconselha Timóteo a transmitir os ensinamentos a homens fiéis, idôneos, capazes, o que pesaria seria a fidelidade espiritual e a material.

2.    Ensinamentos.
No evangelho segundo Mateus, a partir do capítulo 5, nós vemos Jesus ensinando as multidões. No entanto, seus ensinamentos mais específicos eram dirigidos ao grupo pequeno. Podemos ver nas bem-aventuranças que as promessas eram destinadas aos fiéis. Os valores morais vigentes não foram rebaixados e sim exaltados a um nível mais alto para os discípulos. "Pois eu lhes digo que se a justiça de vocês não exceder em muito a dos fariseus e mestres da lei, de modo nenhum entrarão no Reino dos céus" (Mateus 5.20).

Assim devemos hoje passar aos liderados não apenas a certeza da salvação e a busca do enchimento do Espírito Santo. Devemos também capacitá-los, treiná-los, transmitir-lhes a unção do Alto que repousa sobre as nossas vidas. Promover uma libertação completa das amarras do inimigo, das raízes de amargura. O Senhor quer para os nossos dias uma Igreja pronta para o encontro com o noivo, nas bodas do Cordeiro.

Dessa forma, somente dessa forma, poderemos sonhar e ver o nosso sonho se tornar realidade na conquista de nossas cidades para o senhorio de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Em Cristo,

Ivo Gomes do Prado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário