segunda-feira, 16 de setembro de 2013

CRESCENDO COMO UMA COMUNIDADE DE ADORADORES


Crescendo Como Uma Comunidade de Adoradores.

A grande missão da Igreja é ganhar vidas para o Reino do Senhor Jesus Cristo. É isso que vemos na Grande Comissão (Marcos 16.15-16). A razão da existência da Igreja é o louvor e a adoração ao nosso Senhor Jesus Cristo (Fil. 1.11, Heb. 13.15, João 4.23-24), existimos para adorar a Deus e para alcançar vidas para também adorá-Lo e glorificá-Lo.

O louvor não é expresso apenas na música, deve aparecer em todas as partes do culto (cânticos, oração, palavra, ministrações, etc.) e nosso viver diário.

Louvor e Adoração

Normalmente o momento de exaltação em nossas reuniões, tanto nos encontros de celebração (cultos), como em outras reuniões, deve ser iniciado com louvor e finalizado com adoração.

Louvor, em rápidas palavras, é a exaltação a Deus pelo que nos tem feito, é agradecimento, gratidão. Tanto pode ser silencioso como barulhento, mas deve sempre envolver nossas emoções. Vide Salmos 126.2, Salmos 89.1, Êxodo 15.20 e 2 Samuel 6.14.


Adoração, também em rápidas palavras, é a exaltação, do nome de Deus por aquilo que Ele É, o nome Yaweh ou Jeová significa Eu Sou - Êxodo 3.14. É quando exteriorizamos todo o nosso amor por Ele em um momento de uma íntima e envolvente comunhão. Adoração é o reconhecimento da soberania do Senhor. Vide Salmos 95.6, Neemias 8.6 e Apoc. 11.16-17.

Deus habita no meio dos louvores

Os momentos de exaltação em nossas reuniões não são meramente para preencher o tempo, nem momentos de exaltações pessoais de músicos e cantores. Longe disso, nós os dedicamos tão somente ao Deus Todo Poderoso (El Shadai). São instantes em que a santidade do Altíssimo se faz presente em nossos corações, fazendo-nos crescer em espiritualidade, preparando-nos para receber a Palavra de edificação e salvação. Os não alcançados, são tocados e ficam maravilhados com o fato do Criador ser tão real para nós, com as grandes coisas que Ele tem feito e com o amor abundante com que o amamos.

Não são as nossas palavras, nem a nossa sabedoria que tocam os corações e sim a presença do Senhor em nosso meio (I Cor. 14.25). Podemos ter belas casas de culto, grandes programações, pregadores refinados, músicas “maravilhosas”; mas sem a presença de Deus nada disso valerá.

A principal tarefa da Igreja é a de adorar a Deus

Nós fomos feitos especialmente para a adoração de Deus. A principal tarefa da Igreja é a de adorar a Deus, porque o amamos acima de todas as coisas, as demais coisas vêm em conseqüência da adoração.

Durante os momentos de exaltação é comum ocorrerem algumas manifestações dirigidas pelo Espírito do Senhor. Destacamos algumas:-



Ø  Canção profética:- Pode aparecer em forma de cânticos espirituais.

Ø  Cura e ministrações:- Pessoas enfermas, aleijadas ou com problemas têm sido restauradas. O exemplo bíblico é quando Davi tocava sua harpa para afastar os espíritos que atormentavam o desobediente rei Saul.

Ø  Quebrantamento:- Momentos de quebrantamento têm se manifestado sobre pessoas ou congregações inteiras. Momentos solenes de humilhação e choro ou silêncio profundo.

Ø  Batalha espiritual:- Verdadeiras batalhas têm sido travadas nos momentos de exaltação. O inimigo não suporta o nosso louvor e adoração. Na Bíblia temos algumas passagens relatando a derrota de exércitos que marchavam contra o Povo de Deus simplesmente porque este se defendeu com louvores e adoração - 2 Crônicas 20.21,22, vide ainda Salmos 149. 6-9.

Ø  Liberação de dons espirituais:- Nós sabemos que Deus responde as nossas orações. No louvor damos tempo e condições para o Senhor agir, os dons são liberados, há a capacitação para novos ministérios para o uso nas necessidades do grupo.

O ministério do louvor e adoração é eterno.

Praticamente todos os ministérios e dons cessarão na eternidade, quando receberemos os nossos galardões e as novas atividades celestiais, de acordo com a nossa fidelidade. O louvor e a adoração, no entanto, ocuparão um lugar de destaque na eternidade. No livro do Apocalipse, que é a revelação do final dos tempos, nós encontramos diversas vezes os anjos e os homens exaltando o nome de Deus e do Cordeiro. Vamos ler agora Apocalipse 7.9 a 12.

Conforme nós vimos, devemos viver uma vida de louvor e adoração ao nosso Pai celestial. Se a murmuração nos traz contendas e tristezas, vamos substituí-la de vez pela exaltação onde há a alegria e a paz da presença do Senhor. É certo que o louvor e a adoração são eternos, então, vamos desde já desfrutar da eternidade exaltando o nome daquele que tanto nos amou.

Comentários no pequeno grupo:-

Como podemos crescer como uma comunidade de adoradores?

Ivo Gomes do Prado


Igreja Presbiteriana Renovada Central em Assis (SP).

Nenhum comentário:

Postar um comentário