sexta-feira, 22 de março de 2013

Nossa missão nas Casas de Paz


Nossa missão nas Casas de Paz

Estamos nos movimentando para a partir de 14 de abril, o “Dia D”, estabelecermos centenas e centenas de novas Casas de Paz nesta cidade e região. Entretanto, precisamos entender e preparar-nos para nossa missão.

Texto-Chave: Lucas 10:5-9
Estamos nos movimentando para a partir de 14 de abril, o “Dia D”, estabelecermos centenas e centenas de novas Casas de Paz nesta cidade e região. Entretanto, precisamos entender e preparar-nos para nossa missão. O propósito não é somente fazer um movimento, sem rumo. Quanto Jesus enviou os setenta para a mesma tarefa que temos hoje, Ele deixou muito claro em que consistia a missão de cada dupla de “semeadores da paz”.
 1. PROPOR A PAZ DE DEUS NO MEIO DAS FAMÍLIAS – “Ao entrardes numa casa, dizei antes de tudo: Paz seja nesta casa!” (vs. 5) – As pessoas estão sem paz. As famílias também. Por isso, nossa missão é oferecer a paz que só a presença de Jesus pode trazer. Nossa abordagem às pessoas deve ser do tipo: “Você precisa da paz de Deus em sua casa? Há algo roubando a paz da sua família? Você está disposto abrir sua casa para Cristo e buscar a bênção e os milagres que precisa?” É com esse tipo de proposta que devemos falar para as pessoas do projeto da Casas de Paz e mostrar que centenas de famílias estão abrindo seus lares para receber o Príncipe da Paz, Jesus... Onde houver um filho da paz, a porta se abrirá!
 2. ESTABELECER AMIZADE COM OS FILHOS DA PAZ – “Permanecei na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem” (vs. 7) – Nossa missão não é fazer uma série de vistas técnicas ou religiosas a estas famílias, mas desenvolver relacionamento com elas, tornar-nos seus amigo e através disso abençoá-las. Ao ordenar que aqueles setenta discípulos permanecessem nas casas que se abrissem para eles, comendo e bebendo do tivessem, Jesus estava apontando justamente para esta necessidade de que desenvolvessem um relacionamento de confiança e intimidade com aquelas pessoas.
3. LEVAR LIBERTAÇÃO DE TUDO O QUE ROUBA A PAZ DAQUELAS VIDAS  – “Curai os enfermos que nela houver” (vs. 9a) – O que rouba a paz das famílias são as enfermidades, seja do corpo, da alma, dos relacionamentos. Há pessoas literalmente doentes, precisando de cura. Há muitos que estão enfermos nas emoções (depressão, mágoa, pânico, sentimento de abandono). Há casamentos adoecidos, relacionamentos entre pais e filhos quebrados... Precisamos deixar claro que nossa proposta, através de uma busca perseverante durante sete semanas, é atrair o poder de Deus para sanar estas situações. Devemos ser ousados para anunciar milagres e despertar a fé das pessoas para buscar a Deus conosco.
 4.  ESTABELECER O SENHORIO DE CRISTO NAQUELAS VIDAS E FAMÍLIAS – “E anunciai-lhes: A vós outros é chegado o reino de Deus” (vs. 9b) – Não vamos apenas levar a bênção, para revelar o Abençoador, Jesus. Nossa maior mensagem é: “Chegou o reino de Deus nesta casa!” Ou seja, proclamar o governo de Cristo, o  seu senhorio, levar as pessoas a renderem-se a Cristo e obedecerem sua palavra para que a paz crie raízes em sua vidas. Embora estejamos sendo enviados para apontar em Deus soluções imediatas para as pessoas, o propósito final da nossa missão é conduzi-las a uma verdadeira conversão.
CONCLUSÃO – Na parte final da reunião, use o tempo para intercessão diante da “cadeira vazia”, colocando nela papeis e fotos com os nomes de pessoas que a célula vai propor a Casas de Paz... Oriente seus discípulos a já fazerem contato, propondo a campanha, anunciando o começo de tudo para o “Dia D”, 14 de abril. Se alguma dessas pessoas contatadas estiver muito aflita e o semeador da paz sentir que não dá para esperar o dia 14, pode já começar a fazer umas reuniões prévias na casa da pessoa, preparando o ambiente e desenvolvendo amizade... Antes de terminar a reunião, não se esqueça de dar oportunidade para que todos ofertem... Informe a todos de que na próxima semana as células não se reunirão, para que toda a igreja se concentre e participe da ReVisão. É preciso inscrição para entrar. 
 http://www.comcrist.org/edificacao/celulas/nossa-missao-nas-casas-de-paz/

quarta-feira, 20 de março de 2013

A PEDRA FUNDAMENTAL DA IGREJA: PEDRO OU CRISTO?


Hernandes Dias Lopes

Muito se tem discutido, ao longo da história, qual é a pedra fundamental, sobre a qual a igreja está edificada. Quem é o fundamento da igreja? O texto de Mateus 16.18: "Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela", tem sido interpretado de três maneiras:


1) Pedro é a pedra;

2) A declaração de Pedro é a pedra: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo" (Mt 16.16);
3) Cristo é a pedra.

A palavra grega "Petros" = Pedro, significa pedra ou fragmento de pedra; a palavra "Petra" = pedra, significa rocha. O pronome feminino "esta" combina com pedra e não com Pedro. Se Pedro fosse a pedra, Jesus teria dito: "Tu és Pedro e sobre ti edificarei a minha igreja". 

O próprio Pedro entendeu com clareza que Cristo é a pedra sobre a qual a igreja está edificada e afirmou isso duas vezes: a primeira vez no começo do seu ministério (Atos 4.11,12) e a segunda, no final do seu ministério (1Pedro 2.4-8).

O apóstolo Paulo corrobora com essa mesma idea em 1Coríntios 3.11 e 10.4. 

Jesus Cristo é a pedra sobre a qual a igreja está edificada. Ele é o dono da igreja, o edificador da igreja e o protetor da igreja!

Hernandes Dias Lopes.

terça-feira, 19 de março de 2013

EU AGUARDO DE DEUS UM AVIVAMENTO

Deus visitou a sua igreja, muitas vezes, em muitos lugares, com um poderoso avivamento. Foi assim na Inglaterra e na Nova Inglaterra no século dezoito. Foi assim na Escócia e nos Estados Unidos no século dezenove. Foi assim no País de Gales e Coréia no século vinte. 

Deus é o mesmo e ele pode fazer de novo o que fez noutros tempos. Deus prometeu derramar água sobre o sedento, torrentes sobre a terra seca e o Espírito sobre sua posteridade. Essa promessa se cumpriu no Pentecoste, mas ao longo da história, novos derramamentos do Espírito aconteceram. 

Eu ainda aguardo nos nossos dias essa especial e extraordinária visitação de Deus à sua igreja, trazendo salvação, santidade e testemunho.

Hernandes Dias Lopes

DOMINGO DE PASCOA OU DE CHOCOLATE?

Florencio de Ataides

O que é Páscoa? Qual tem sido o seu sentido para a humanidade.

Para muitos, especialmente em nossa cultura, é o dia seguinte ao sábado de “Aleluia” ou, ainda, o dia de comer as guloseimas deliciosas preparadas para serem consumidas nesta época: os famosos “ovos de páscoa”. Quem não gosta? É claro que é muito bom comer chocolate, principalmente quando não temos problemas de saúde ou não estamos acima do peso! Comer chocolate é bom demais!

Mas, afinal, o que é Páscoa? Qual o verdadeiro sentido da Páscoa?
A palavra Páscoa vem do hebraico Pessach, que significa passagem. A celebração da Páscoa entre os judeus marcava o episódio da morte dos primogênitos – a décima praga. Israel foi liberto da escravidão egípcia por Moisés. Naquela noite, sob orientação divina, eles prepararam-se para partir do Egito: mataram o cordeiro, símbolo de Jesus, e passaram seu sangue sobre os umbrais das portas; quando o anjo da morte passou, à meia-noite, não atingiu nenhum dos israelitas.

Por ocasião desta festa judaica, Jesus celebrou a Páscoa com os seus discípulos, trazendo um novo simbolismo para a nova religião que nascia: o Cristianismo. Foi a última ceia partilhada por Jesus e os seus discípulos. Naquela oportunidade, o Senhor instituiu a Santa Ceia.

Após ter sido morto e sepultado, no terceiro dia, no domingo, o Senhor Jesus ressuscitou e levantou-se da sepultura vencendo a morte. Por isso, nessa data é comemorada a Sua ressurreição.

A Páscoa é o evento religioso-cristão considerado a mais importante festa da cristandade. Páscoa para nós, que cremos no Senhor Jesus, é mais que ganhar, dar, vender, comprar “ovos” de chocolate ou deliciar-se com guloseimas. É o dia em que celebramos a ressurreição do Mestre da Galileia, que morreu, mas ressuscitou e está vivo para todo sempre. Aleluia!

Ele Vive!!!

Pr. Florencio de Ataides - Presidente da Mispa.
www.iprb.org.br

segunda-feira, 18 de março de 2013

ÁFRICA, CONTINENTE AMALDIÇOADO?


Isaltino Gomes Coelho Filho
A primeira vez que ouvi alguém dizer que a África era um continente amaldiçoado foi pela boca de um irmão, que já está na glória. Como era uma pessoa dada ao exotismo bíblico, que sempre via o que nunca alguém vira, e muito problemática, logo rejeitei a ideia. Além de estapafúrdia, a declaração vinha de uma pessoa que eu, embora tivesse apenas 15 anos, sabia não merecer crédito.
A “base bíblica” foi a maldição sobre Caim (Gn 4.11ss). Vez por outra, pessoas ignorantes da Bíblia e que a usam de maneira atomizada, sacando passagens do contexto, e ignorantes da obra de Cristo, presas e apaixonadas às maldições veterotestamentárias, ressuscitam a ideia esdrúxula. É impressionante o que a ignorância, aliada à empáfia, faz! Para alguns intérpretes (foi o caso deste irmão que me deu sua interpretação) o sinal posto sobre Caim foi a cor negra. Por isso, a África e os negros eram amaldiçoados, e foram deportados como escravos. Já ouvi gente dizer que a terra de Node, onde Caim foi habitar, era a África. Tolice da grossa, pois a região nunca foi identificada. E o termo hebraico, nod, tem a ideia de andar sem rumo, e não de deportação. A maldição sobre Caim foi que ele, um agricultor, homem de vínculos com a terra, seria nômade. E também a associação dos cainitas (descendentes de Caim) com os quenitas, amaldiçoados com deportação escrava (Nm 24.21-24) é tremendamente incerta. É uma violência exegética, o que se chama de eisegese (pôr ideia no texto).
Além de não se poder afirmar que Caim foi para a África, tal ideia ignora que o sinal (‘oth, algo externo), foi para proteção e não para maldição. Quem o encontrasse não deveria matá-lo (Gn 4.15). O termo reaparece em Gênesis 9.12: ‘oth berith (“sinal da aliança”). E em Gênesis 17.11: lê ‘oth berith (“para sinal da aliança”) Nestes dois casos, a palavra traduzida como “sinal” se associa com bênção. Obviamente que é o mesmo sentido com o episódio de Caim. Foi um sinal benigno, não maligno. O sinal posto foi lê Qain, literalmente “para Caim”, e não “contra Caim”. Foi algo para lhe favorecer. A maldição sobre Caim foi a de ser errante, e o trato posterior de Yahweh com ele foi de misericórdia, e não de ódio eterno. A tradição judaica diz que o sinal posto sobre Caim foi o nome sagrado de YHWH, para que todos soubessem que não deviam tocá-lo. Yahweh foi fiador de Caim. Isso se chama Graça e não maldição!
E há mais: as raças não surgiram após o Éden, mas após o dilúvio (Gn 10). E a dispersão da humanidade pela face da terra se deu em Gênesis 11 (especialmente v. 9). Caim nada teria a ver com a África nem com a Europa nem mesmo com a Oceania.
Há gente fissurada em maldições e no Antigo Testamento e suas pragas. Respeitosamente recordo-lhes o conteúdo do Sermão do Monte: “foi dito” e “eu, porém, vos digo” e sua admirável conclusão: “Estas minhas palavras”. O padrão é o ensino de Jesus, o Novo Testamento. Lembrem-se da palavra do Pai, na Transfiguração: “Este é o meu Filho amado, em quem me agrado; a ele ouvi” (Mt 17.5). Nós não ouvimos a Moisés e Elias (o Antigo Testamento), mas ao Filho amado (Hb 1.1-2).
Uma regra elementar de Hermenêutica ensina que o Novo Testamento interpreta o Antigo Testamento. Inclusive, segundo Paulo, o judeu só entende completamente o Antigo Testamento quando aceita o Novo (2Co 3.14-16). Seria bom parar de colocar o mundo e a igreja de Jesus sob o jugo do Antigo Testamento.
Fujamos de gente exótica que vê na Bíblia o que intérpretes bem mais capacitados e de mais autoridade espiritual nunca viram. Os reinventores do evangelho e da Teologia geralmente nos envergonham e escandalizam.
E no que interessa: não há nenhuma maldição especial sobre a África e sobre os negros. Racistas de plantão: não deturpem a Bíblia nem envergonhem os evangélicos
http://www.isaltino.com.br/2013/03/africa-continente-amaldicoado/

sábado, 9 de março de 2013

A MULHER BEM-AVENTURADA ENTRE AS MULHERES

Hoje, dia internacional da mulher, quero destacar dentre tantas mulheres virtuosas, a mãe do nosso Salvador. Ela era uma jovem pobre e humilde, que morava numa pequena cidade da Galileia. 

O anjo Gabriel é enviado a ela para lhe comunicar que Deus a havia escolhido para a ser a mãe do Messias, o Salvador do mundo. Maria, longe de envaidecer-se com tão distinta honra, coloca-se humildemente nas mãos de Deus para fazer sua vontade. Maria, demonstrou não apenas humildade, mas também coragem, pois pelo fato de estar ainda casada com José, ao aparecer grávida, corria sério risco de ser abandonada pelo noivo e hostilizada pelo povo. 

Maria, foi uma mulher desprendida, pois vai com José a Belém, mesmo em estado adiantado de gravidez e não encontrando uma hospedaria decente para ter seu filho, deu-o à luz num lugar improvisado, no campo dos pastores, e colocou o seu filho numa manjedoura. 

Maria, mesmo não podendo alcançar todas as implicações dessa gloriosa missão, guardava todas essas coisas no coração. 

A última aparição que temos de Maria na Bíblia está em Atos 1.14, quando reunida com os apóstolos e outros irmãos e irmãs, aguardava a promessa do Pai, o derramamento do Espírito Santo. 

Oh, que as mulheres contemporâneas imitem aquela que foi bem-aventurada entre as mulheres!

Hernandes Dias Lopes.

ÂNCORAS DA NOSSA ESPERANÇA

O mundo não tem esperança. As pessoas vivem um profundo vazio existencial e têm medo do futuro. 

A Palavra de Deus em 1 Tessalonicenses 4.13-18 fala sobre cinco colunas que sustentam nossa esperança:

1) A revelação - Não precisamos fazer conjecturas com respeito ao futuro; temos uma clara revelação de Deus.

2) A segunda vinda - Jesus virá em glória para buscar sua igreja.

3) A ressurreição - Os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro e os vivos serão transformados.

4) O arrebatamento - Os remidos subirão para encontrar o Senhor Jesus nos ares.

5) A reunião - E assim estaremos para sempre com o Senhor. 

Temos uma viva esperança, uma bendita esperança, uma esperança ancorada no próprio Deus!

Hernandes Dias Lopes

PREOCUPAÇÃO, O SOFRIMENTO ANTECIPADO

Muitas pessoas vivem aflitas, sofrendo antecipadamente, por possíveis problemas que venham a ocorrer no futuro. 

Está provado que mais de 70% das coisas que nos deixam preocupados nunca vão acontecer. Sofremos antecipadamente, desnecessariamente e perigosamente. Isso, porque, a preocupação produz em nós muitas enfermidades. 

A OMS (Organização Mundial de Saúde) prova que mais de 50% das pessoas que passam pelos hospitais sofrem de doenças psicossomáticas. A preocupação ou a ansiedade é uma grande vilã da saúde. Em vez de sofrermos antecipadamente, devemos entregar nossas causas a Deus, depositando a seus pés toda a nossa ansiedade!

Hernandes Dias Lopes.

SALVAÇÃO: MÉRITO OU GRAÇA?

Hernandes Dias Lopes

Todas as religiões, exceto o Cristianismo, ensinam que a salvação é uma conquista do mérito. O homem constrói seu próprio caminho para Deus e recebe a salvação como um prêmio de suas obras. 

O que a Bíblia ensina? A salvação não é resultado daquilo que fazemos para a Deus, mas do que Deus fez por nós, em Cristo. A salvação não é pelas obras, mas pela graça, mediante a fé e para as obras. As obras não são a causa da salvação, mas sua consequência. A salvação não é uma medalha de honra ao mérito que recebemos, mas uma oferta da graça de Deus.

Hernandes Dias Lopes.