segunda-feira, 24 de junho de 2013

Pastores da Igreja Maranata são presos



Pastores da Igreja Maranata são presos durante semana de comemoração do aniversário de 45 anos da igreja
Na manhã dessa terça-feira (12), quatro pastores da Igreja Cristã Maranata foram presos pela Polícia Federal no Espírito Santo e, decorrência de uma investigação contra a igreja por crimes como estelionato, lavagem de dinheiro, tráfico de influência, falsidade ideológica e desvio de erário.

A prisões, que ocorreram em uma ação conjunta da Polícia Federal com o Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES), foi realizada porque os pastores são acusados de coagir e intimidar testemunhas e autoridades para dificultar o andamento das investigações que correm contra a instituição religiosa. O MP-ES abriu inquérito em março de 2012 para apurar a suspeita de desvio de dízimo e enriquecimento ilícito por parte de membros da diretoria da instituição, a partir de uma denúncia que partiu de um processo feito pela própria igreja contra os suspeitos.

As prisões dos líderes da igreja aconteceram em meio à semana de comemorações pelos 45 anos da igreja, que no último domingo reuniu 100 mil fiéis em um mega culto na Praça do Papa, em Vitória para celebrar o seu aniversário.

Segundo o G1, entre os presos, estão o presidente afastado Gedelti Gueiros, que teve o benefício da prisão domiciliar devido à idade avançada; o atual presidente Elson Pedro dos Reis e o pastor Amadeu Loureiro, que foram encaminhados para o Centro de Triagem de Viana; e o advogado Carlos Itamar Coelho Pimenta, que ficará no Quartel da Polícia Militar, em Maruípe, Vitória.

O Ministério Público informou que as prisões dos pastores foram efetuadas de maneira a proteger as vítimas das coações, que acontecem de forma direta e indireta, dificultando o andamento das investigações.

Em nota oficial, a Igreja Maranata nego ter coagido testemunhas ou ameaçado autoridades, a igreja informou ainda que está processando judicialmente aqueles que estão acusando a instituição, de acordo com a lei. De acordo com o comunicado, a igreja acredita que todas as acusações e acontecimentos desta terça-feira, com a prisão dos pastores, foram pautadas no desejo de retaliação e perseguição.


"Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores."
1 Timóteo 6:10


Por Dan Martins, para o Gospel+

sexta-feira, 21 de junho de 2013

COMO CRISTÃO, POSSO PROTESTAR? - Davi Liepkan

Em uma época que entrará para os livros de história e será lembrada por causa da reação popular contra o governo, fica a pergunta: como cristão, posso protestar? 
Davi Liepkan
Os que defendem a passividade do cristão em relação à política citam versículos como “Lembre a todos que se sujeitem aos governantes e às autoridades, sejam obedientes, estejam sempre prontos a fazer tudo o que é bom” (Tt 3.1). Também “Por causa do Senhor, sujeitem-se a toda autoridade constituída entre os homens; seja ao rei, como autoridade suprema, seja aos governantes, como por ele enviados para punir os que praticam o mal e honrar os que praticam o bem” (1Pe 2.13-14). Será que esses textos querem dizer isso mesmo? O cristão deve ser politicamente passivo? 

A Bíblia está repleta de exemplos de reações contra a opressão, mesmo a que vem de um governo legitimamente constituído, mas que se corrompe. Isaías foi um dos profetas que clamou contra o governo. Ele denuncia em nome de Deus “Seus líderes são rebeldes, amigos de ladrões; todos eles amam o suborno e andam atrás de presentes”. (Is 1:23); e também convida “Busquem a justiça, acabem com a opressão. Lutem pelos direitos do órfão, defendam a causa da viúva” (Is 1:17). 

Ainda temos um exemplo no Novo Testamento de um profeta que foi preso por levantar seu protesto contra o governante. É João Batista. Ele repreendeu publicamente o governador romano, Herodes, por sua imoralidade, pois tomou como esposa sua cunhada, além de muitas outras maldades. João morreu por causa da sua coragem. 

Não! Lutar pacificamente pelo direito, por aquilo que é certo, pela justiça não é errado. 

Os textos de Tito e Pedro falam sobre a obediência dentro da lei. Denunciar o erro é dever de quem está a serviço de Deus.

Davi Liepkan

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Do Pr. Hernandes Dias Lopes: O MINISTÉRIO DOS ANJOS

O MINISTÉRIO DOS ANJOS
Os anjos foram criados por Deus e são espíritos ministradores em favor dos que herdam a salvação. Os anjos não são uma raça que se procria como os homens. 

Existe a mesma quantidade de anjos desde a criação. 

Na rebelião de Lúcifer muitos anjos caíram com ele e se tornaram demônios. Os que conservaram sua fidelidade, entretanto, são maiores em quantidade e poder. 

Eles vivem para cumprir as ordens de Deus, adorar a Deus e servir aos santos. Eles trabalham tanto na execução do juízo aos maus como no auxílio dos fiéis. Eles foram ativos na encarnação de Jesus e na consolação do Filho de Deus no Getsêmani. 

Estiveram presentes na sua ressurreição, ascensão e também estarão presentes em sua segunda vinda. 

Os anjos não devem ser adorados; eles são adoradores do Deus vivo. Eles se alegram quando um pecador se arrepende e eles reunirão os escolhidos dos quatro cantos da terra no grande Dia de Deus. 

Louvado seja Deus por tão grandes ministros que nos assistem!

COMO SERÁ O CORPO DA RESSURREIÇÃO?


Uma das perguntas que mais escuto é: como será o corpo da ressurreição? 
Nós vamos nos conhecer no céu? 

A Bíblia nos deixa orientações claras sobre esse importante assunto. Sim, nós vamos nos conhecer no céu. Agora conhecemos em parte, mas então conheceremos, como também somos conhecidos. Agora, vemos parcialmente, mas então veremos com diáfana clareza. 

Como será nosso corpo? 

Nosso corpo será um corpo imortal, incorruptível, poderoso, glorioso, celestial, semelhante ao corpo da glória de Cristo. Nosso corpo não ficará cansado nem doente. Nosso corpo não terá defeitos físicos nem precisará alimentar-se. Nosso corpo não estará sujeito às leis da natureza nem ficará sujeito à velhice. O corpo semeado em fraqueza, ressuscitará em poder. 

O corpo semeado em corrupção, ressuscitará em glória. Temos, de fato, uma viva e gloriosa esperança!

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Pastores entregam “palavra profética” ao Papa Francisco

Seis líderes evangélicos argentinos visitaram Francisco no Vaticano

por Jarbas Aragão


Pastores entregam "palavra profética" ao Papa Francisco

Seis pastores evangélicos da Argentina visitaram o Papa Francisco em sua residência no Vaticano. Liderados por Jorge Himitian, que foi durante muito tempo presidente do Conselho de Pastores de Buenos Aires, estavam presentes Norberto Saracco, Carlos Mraida, Omar Cabrera, Angel Negro e Humberto Golluscio.

Eles contam que o líder da Igreja Católica Romana os recebeu com “abraços e beijos, ao estilo argentino”. Durante o encontro, que durou quase uma hora e meia, o Papa agiu sem seguir os protocolos e disse aos pastores: “Hoje temos que pregar o kerygma de Jesus Cristo, proclamando a Cristo “.

Os líderes evangélicos pentecostais, todos de Buenos Aires, são amigos de longa data de Jorge Bergoglio, que foi arcebispo de Buenos Aires durante muitos anos, e se encontrava com os pastores seguidamente nas reuniões da Comunidade Renovada de católicos e evangélicos no Espírito Santo (CRESCER).

“Nós costumávamos orar com Bergoglio e nos encontrávamos ocasionalmente. Com essas reuniões nós conhecemos um homem de profunda espiritualidade e nos tornamos amigos”, disse Himitian. ”Expressamos nossa alegria em tê-lo em um lugar tão importante, reconhecemos seu elevado compromisso com Cristo e com o ser humano, os necessitados, e seu compromisso com a oração”, acrescentou.

Durante a reunião, a jornalista Evangelina, filha do pastor Himitian, deu ao papa uma cópia do livro biográfico “Francisco. Papa do Povo”, escrito por ela.

Ao voltar à Argentina, pastores disseram que foi ótimo encontrar com o “Papa Francisco, com a simplicidade habitual”. Por sua vez, o Chefe do Vaticano disse que ficou nervoso com a possibilidade de ser Papa, mas depois da eleição sentiu uma grande paz que se mantém até hoje”.

A conversa também abordou a realidade espiritual da Argentina, mas não incluiu as questões de política local. Segundo Himitian: ”Nós conversamos sobre os aspectos positivos desta abertura, que ocorre em países da América Latina e na própria Itália, onde as pessoas estão muito felizes e muito abertas para retornar à fé, à igreja. As pessoas se sentem muito ansiosas. Que a Igreja e os sacerdotes possam ser sábios para saciar a fome das pessoas que estão mais abertas a voltar-se para a fé… É claro que, se evangelizar sem proselitismo, vamos encher as igrejas tanto evangélicas quanto católicas”.

Curiosamente, Himitian conta que passaram “algum tempo em oração e depois entregaram a ele uma palavra profética que muitos sentiram de Deus, baseada em Jeremias 1 que Deus o havia escolhido como um profeta para as nações e que não tivesse medo de pregar a palavra que Deus lhe deu”. Com informações Protestante Digital.
http://noticias.gospelprime.com.br/pastores-vaticano-papa-palavra-profetica/

terça-feira, 4 de junho de 2013

Influências de Sodoma e Gomorra - Mary Schultze

O mundo está se tornando “sodomizado e gomorrizado” de tal maneira que já não se pode sair às ruas das pequenas e grandes cidades sem dar de cara com um sujeito maquilado, usando roupas e trejeitos femininos, influenciando nossos filhos e netos.

A família tradicional está sendo atacada, de tal modo que os tempos de Sodoma e Gomorra dificilmente tenham sido piores. Provavelmente, o nosso Pai Celeste deve chorar de vergonha, quando olha para baixo e vê a Sua criação se desviando de maneira escabrosa.

Sempre que eu encontro um gay pela cidade, procuro conversar com ele, demonstrando o meu amor cristão, entregando-lhe algum texto evangélico, na esperança de que o Espírito de Deus aja em seu coração e o transforme numa pessoa de Deus. Não desprezo essas pessoas; apenas lamento a sua condição, dando graças a Deus de ter nascido e vivido numa época em que elas ficavam discretamente escondidas em seus lares, sem dar as suas demonstrações do chamado “orgulho gay”.

Nosso tempo é de depravação política, de guerras constantes em vários países, de malignidade operando em cidades como São Paulo, onde tantos crimes acontecem diariamente. A juventude está sujeita aos piores desafios e é difícil que ela se conserve longe dos vícios (fumo, álcool e drogas), do sexo livre e até do crime.

Nada aconteceu em Sodoma e Gomorra que deixe de ser visto e escutado na mídia. Mas, na história bíblica, os horrores morais eram restritos àquelas duas cidades. Agora, eles se espalham em todo o mundo, até mesmo com a proteção da Lei, em nome da liberdade, que, no final, é libertinagem.

O mundo inteiro está sendo engolfado no caudaloso rio da imoralidade, com o abandono da virtude, da justiça, da integridade pessoal, do matrimônio tradicional e da vida familiar. Sodoma e Gomorra foram o maior exemplo de vidas dissolutas, até alguns anos arás... Porque, agora, o Ocidente, em matéria de pecados, está subrepujando as duas cidades castigadas.

No passado, muito esforço era exigido, a fim de que o mal fosse combatido e exterminado. Agora, homens ocupando posições importantes (na política e na igreja) dão os piores exemplos de falta de caráter confirmando Jeremias 17:9 – “maldito o homem que confia no homem”.

A obrigação de um cristão bíblico é admoestar os crentes e os incrédulos contra o mau procedimento, mesmo que isso acarrete antipatia e até desprezo contra ele. Quando vemos uma pessoa cometendo adultério ou fornicação, devemos ler a Bíblia, mostrando-lhe que a mão de Deus pode pesar sobre ela, porque Ele não deixa impune o pecador que não se arrepende do seu pecado.

Estamos no mundo, mas não somos do mundo. Portanto, tenhamos coragem de denunciar o pecado, aconselhando os infratores da Lei Divina a viverem uma vida reta, diante de Deus e da comunidade, porque os dias são maus e eles poderão colher as consequências dos seus pecados, aqui mesmo, ou numa eternidade de tormento...

Infelizmente, os entretenimentos representam uma porta aberta às tragédias (como no caso de Santa Maria, RS) e muitas pessoas são enviadas à eternidade sob a sentença da morte eterna.

Um dos pecados mais ostensivos da atualidade é o orgulho. Trata-se de uma desordenada auto-estima, quando alguém se coloca como o centro da vida, em seu coração, esquecendo que Deus está acima de tudo. Essa pessoa em geral ama o mundo e tudo que ele representa. Tiago 4:6 nos dá o seu recado: “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes”. Na 1 João 2:15-7, lemos: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”.

Por causa do nosso orgulho e da nossa vaidade é que a apostasia está entrando nas igrejas, onde alguns pastores se julgam superiores aos anjos e tratam os membros como lacaios. Na 2 Timóteo 3:1-7, Paulo admoesta o seu discípulo Timóteo: “nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade”.

Pois, é exatamente isso que estamos presenciando, hoje em dia. O “orgulho gay” dos habitantes de Sodoma e Gomorra foi a causa principal da sua destruição, conforme podemos entender, quando vemos Ezequiel 16:22-23 admoestando Israel: “E em todas as tuas abominações, e nas tuas prostituições, não te lembraste dos dias da tua mocidade, quando tu estavas nua e descoberta, e revolvida no teu sangue. E sucedeu, depois de toda a tua maldade (ai, ai de ti! diz o Senhor DEUS)”. A sociedade moderna está nua de princípios morais e revolvida no sangue da ambição. Por isso, o Senhor não vai deixar barato o preço dos nossos pecados.

As nações ocidentais do mundo livre têm-se transformado em chocantes exemplos de Sodoma e Gomorra, com governantes ímpios e imorais, sequiosos de fama e poder, esquecendo que Deus está cima deles e que o povo precisa de bons exemplos.

Mary Schultze, 03/06/2013 - marybiblia.com
Inspirado num texto lido no scottwoodward.org/sodom

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Quando Paulo foi arrebatado ao terceiro céu? - Mary Schultze

Quando lemos a 2 Coríntios 12:2-4, ficamos sabendo que Paulo foi arrebatado ao terceiro céu: “Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar”.

A Bíblia não revela quando isso aconteceu, mas Sir Robert Anderson, autor do livro “The Lord of Heaven” (por mim traduzido há dois anos) tem uma teoria que me deixou realmente fascinada. Ele dá a entender que isso teria acontecido em Listra, quando Paulo foi apedrejado até chegar a uma experiência de quase morte. Vejamos o que ele escreveu:

O apedrejamento de Paulo não foi uma execução, mas um assassinato, e os seus assassinos eram homens, cujas paixões eram inflamadas pelo ódio religioso. A ferocidade e brutalidade de sua ação é indicada pela narrativa. A ordem dada para aquele apedrejamento foi para que o mesmo fosse executado “fora do campo”, e no caso de uma cidade, deveria ser executado fora do portão. Mas em seu ódio contra Paulo esse detalhe foi ignorado e então, após tê-lo apedrejado, “o arrastaram para fora da cidade, cuidando que estava morto” (Atos 14:19). Arrastaram-no como se fosse o cadáver de um cachorro.

Se aqui terminasse o relato, poderíamos conjeturar que Paulo foi levado pelos seus discípulos, para longe dali e amorosamente restaurado à vida, e que, após muitas semanas de sofrimento ele ficou em forma para reiniciar o seu ministério. Mas, dentre todos os milagres de cura no NovoTestamento nada existe mais maravilhoso do que o que realmente aconteceu ali. “Mas, rodeando-o os discípulos, levantou-se, e entrou na cidade, e no dia seguinte saiu com Barnabé para Derbe. E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icônio e Antioquia” (Atos 14:20-21). Se já houve um milagre, certamente este foi um!

“Eles o apedrejaram, não à maneira judaica, mas tumultuosamente, e nas ruas, tendo-o arrastado para fora da cidade (Alford). O Sentido exato é “E tendo prevalecido sobre a multidão, para que lhes permitisse apedrejar Paulo, eles o arrastaram para fora da cidade”. Na certa, fazendo referência às injúrias brutais e injustas lançadas contra os cadáveres dos malfeitores executados, os quais eram geralmente apanhados pelos calcanhares e lançados fora dos portões da cidade” (Bloomfield).

Se realmente atravessou os portões da morte, naquele dia tenebroso, e foi trazido de volta à vida, o Apóstolo jamais soube dizer:

“(... se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar”

(2 Coríntios 12:3-4). Ele foi arrebatado ao terceiro céu e ouviu palavras inefáveis. Sua visão na estrada de Damasco foi narrada sempre e sempre, mas as glórias do paraíso e as palavras ali ouvidas ultrapassaram a possibilidade da expressão humana.

Bem, para que ele não se exaltasse pela excelência das revelações e para evitar-lhe a soberba, foi-lhe dado “um espinho na carne, um mensageiro de Satanás”, para que sua vida se transformasse em martírio. A natureza dessa aflição tem sido objeto de muita conjectura. Ela, evidentemente, começou depois da “revelação” e a inferência natural é que se tratava de sofrimentos físicos, aos quais a revelação estava associada. Que era algo que tendia a afastá-lo do ministério público torna-se evidente, “algo em seu aspecto ou personalidade, que o afligia com agonia e humilhação”. Contudo, uma saída de emergência é necessária para se chegar a uma conclusão. Em Corinto a sua pregação fora considerada “desprezível”, enquanto no início do seu ministério ele havia sido enaltecido como orador. Pois, embora Barnabé não fosse um homem de capacidade e marca medíocres, não foi ele, mas Paulo quem foi saudado em Listra como Mercúrio (deus da eloqüência). Então qual seria a explicação para esse paradoxo?

Poderia acontecer, naturalmente, que o apedrejamento lhe tivesse causado uma paralisia facial, ou uma moléstia ainda mais aflitiva, que tivesse destruído o controle de suas feições, tornando-o objeto de zombaria aos membros hostis de cada audiência às quais ele se dirigia? Isso eu me atrevo a opinar, foi o seu “getsêmani” - aflição da qual ele três vezes suplicou que o Senhor o livrasse. Quanto mais estudamos essa maravilhosa personalidade, mais insatisfatória se nos apresenta a visão comum de que era apenas “um espinho na carne”, do tipo que muitos cristãos carregam, sem murmuração.

“É bastante digno de nota que sempre que ele se apresentava diante de ouvintes cultos, como, por exemplo, seus vários juizes romanos, o Apóstolo parecia merecer alta consideração e respeito. Sua aflição atraía a cortesia desses homens, enquanto entre o povo comum ela excitava repulsa. Diz-se que essa aflição iria afetar a sua vítima em diferentes graus, em diferentes ocasiões. (2 Coríntios 12). Bloomfield cita autoridades para a conjectura de que “essa enfermidade constava de uma afecção paralisante e hipocondríaca, que lhe causava uma distorção de continência e outros efeitos aflitivos.” Ainda é dito que supunha-se tratar de um milagre imperfeito e incompleto de cura, para o que não se encontra qualquer respaldo na Escritura. Mas, certamente, as palavras do Apóstolo indicam que ele sabia que sua experiência era peculiar. Suportar “um espinho na carne” tem acontecido a multidões entre o povo de Deus, mas sofrer uma punção, como se diz, após terem sido os ferimentos divinamente curados, isso era de tal modo exclusivo que ele deixou de aceitar, por duas vezes, a resposta à sua oração pela cura. Devemos acatar os que entendem essas palavras gráficas, significando nada menos que uma “agonia de punção”.) Até aqui falou Sir Robert Anderson.

Em geral, as pessoas que têm uma experiência de quase morte, segundo o livro “Os Fatos Sobre a vida Após a Morte”, de John Anckerberg e John Weldon (por mim traduzido em 1997 para a Chamada da Meia Noite), voltam incrédulas, pois são recebidas, do outro lado, pelo “anjo de luz”, durante essa travessia pelo mundo espiritual, o qual lhes incute a incredulidade na Divindade do Senhor. Com Paulo, que havia sido separado para o serviço de Deus desde o ventre materno (Gálatas 1:15), foi diferente. Ele voltou mais dedicado e consciente de sua missão de pregar o evangelho da graça aos gentios. Isso nos dá a gloriosa certeza de que o “anjo de luz” jamais poderá nos afastar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor (Romanos 8:38-39).



Mary Schultze, novembro 2006

NOS LUGARES CELESTIAIS - UM ESTUDO PROFUNDO SOBRE OS "CÉUS"

Efésios 1:3: “Nos Lugares Celestiais”
por
Dr. David Martyn Lloyd-Jones

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” – Efésios 1:3

Já temos visto que muitos erram em todo o seu pensamento sobre o cristianismo porque partem de um ponto de vista errado. Eles têm uma concepção materialista do cristianismo, e não se dão conta de que a fé cristã é positivamente extra-mundo. A consequência é que eles ficam constantemente em dificuldade. Há muitos que dizem que não podem ser cristãos por causa do estado do mundo e das coisas que estão acontecendo nele. O argumento deles é que, se Deus é amor, que promete abençoar todo aquele que O buscar, os cristãos não deveriam sofrer – não deveriam adoecer ou sofrer adversidade. Temos aí um claro exemplo daqueles mal-entendidos resultantes da não percepção de que as bênçãos advindas ao cristão são "espirituais" e estão "nos lugares celestiais”.

Mas devemos examinar este assunto de maneira mais minuciosa. Nem nesta Epístola, nem em qualquer outro lugar, o apóstolo sobe a maiores alturas do que neste versículo particular, onde ele nos eleva aos “mais altos céus” e nos mostra o ponto de vista cristão em sua maior glória e majestade. De muitas maneiras a expressão "nos lugares celestiais” é a chave desta Epístola, em particular, onde ela ocorre não menos que cinco vezes. Acha-se neste versículo 3, e também no versículo 20 deste capítulo primeiro, onde Paulo escreve sobre o fato de Cristo estar assentado à mão direita de Deus nos lugares celestiais. Alguns comentaristas não gostam da palavra “lugares”, pois acham que ela tende a localizar o conceito. Contudo, não basta dizer “celestiais”. Vê-se a mesma expressão também no capítulo 2, versículo 6, e no versículo 10 do capítulo 3. A última referência é no versículo 12 do capítulo 6, na declaração: “Não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”. É óbvio que o apóstolo não repetiria esta frase, se ela não tivesse um significado real e profundo; e ela é, repito, uma das apresentações mais gloriosas da verdade cristã. Se tão-somente pudéssemos enxergar como nós estamos em Cristo nos lugares celestiais, isso faria uma revolução em nossas vidas, e mudaria toda a nossa maneira de ver.

Ao empregar a frase “nos lugares celestiais”, o apóstolo emprega uma expressão descritiva que, era muito popular no século primeiro. Era uma concepção judaica típica. Ele faz uso da mesma idéia na Segunda Epístola aos Coríntios, capítulo 12, onde nos dá um pouco de biografia, e no versículo 2 diz: conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo não sei, se fora do corpo não sei: Deus o sabe) foi arrebatado até o terceiro céu”. A expressão “terceiro céu” é exatamente idêntica a “lugares celestiais”, nos termos em que é empregada nesta Epístola aos Efésios. Segundo essa concepção, o primeiro céu é o que se pode descrever como o céu atmosférico, onde ficam as nuvens. O segundo céu pode ser descrito como o céu estelar; é aquela parte das regiões superiores onde estão colocados o sol, a lua e as estrelas. Essa parte está muito mais distante de nós do que as nuvens ou o céu atmosférico, e os números astronômicos utilizados pelos cientistas lembram-nos que os céus estelares estão a uma tremenda distância de nós.

Contudo, há um “terceiro céu”, que não se trata do céu atmosférico nem do céu estelar. Trata-se da esfera em que Deus , de maneira muito especial, manifesta a Sua presença e a Sua glória. É também o lugar em que o Senhor Jesus Cristo, em Seu corpo ressurreto, habita. Além disso, é o lugar em que os “principados e potestades” aos quais o apóstolo se refere no capítulo 3 têm a sua habitação; na verdade, é o lugar a respeito do qual lemos no capítulo 5 de Apocalipse, onde a glória de Deus se manifesta. Lemos ali a respeito de Cristo em Seu corpo glorificado, "um Cordeiro, como havendo sido morto”, cios brilhantes espíritos angélicos, dos animais c dos "vinte e quatro anciãos”. Todos esses dignitários angélicos e poderes têm sua habitação ali. E, ainda mais maravilhoso e glorioso, ali também estão “os espíritos dos justos aperfeiçoados”. Os que morreram no Senhor, “em Cristo”, estão ali com – Cristo neste momento. Estão nos “lugares celestiais”, no “terceiro céu”, naquele domínio em que Deus manifesta algo da sua glória eterna.

Agora podemos passar a considerar o sentido da expressão “nos lugares celestiais” à luz destas cinco referências a ela nesta Epístola aos Efésios. O Senhor Jesus Cristo, ressurreto dentre os mortos, já está naquele domínio em Seu corpo glorificado, como disso nos faz lembrar o versículo 20. O que, portanto, o apóstolo está dizendo é que o que temos, e tudo o que gozamos corno cristãos, vem de Cristo, que está naquela esfera, e por meio dEle. Mais que isso, pelo novo nascimento, por nossa regeneração, somos ligados ao Senhor Jesus Cristo, e nos tornemos partícipes de Sua vida e de todas as bênçãos que dEle vêm. O ensino do apóstolo é que, nos estamos "em Cristo”. Somas parte de Cristo; estamos tão ligados a Ele por esta união orgânica mista que tudo quanto lhe, seja próprio, nos é próprio espiritualmente. Assim como Ele está nos lugares celestiais, assim também nós estamos nos lugares celestiais. As bênçãos que gozamos como cristãos são bênçãos "nos lugares celestiais” porque elas toquem de Cristo que lá está.

É minha opinião que aqui vemos mais claramente do que em qualquer outro lugar a profunda mudança a que alguém sc sujeita por tornar-se cristão. Não se trata de uma mudança superficial, não é apenas que vestimos uma roupa de respeitabilidade ou decência ou moralidade, não é um melhoramento na superfície ou uma mudança temporal. É tão profunda como o fato de que somos tomados de um reino e colocados em outro. Assim corno Deus tirou o Senhor Jesus Cristo do túmulo, e dentre os mortos, e O colocou à Sua mão direita nos lugares celestiais, assim o apóstolo ensina que a mudança pela qual passamos em nosso novo nascimento e regeneração leva a esta correspondente mudança em nós. É a fim de que os cristãos efésios possam entender isso mais completamente que Paulo ora por eles: para que "tendo iluminados os olhos do vosso entendimento... saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos; e qual a sobreexcelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força de seu poder, que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dos mortos, e pondo-o h sua direita nos céus” (VA: “nos lugares celestiais”). Essa, e nada menos que essa, é a verdade ‘acerca do cristão. Dada a limitação das nossas capacidades, em conseqüência da nossa condição finita e do nosso pecado, achamos muito difícil apossar-nos destas coisas; mas tudo o que esta Epístola aos Efésios procura fazer é concitar-nos a lutar para que tornemos posse delas, a orar pedindo iluminação para podermos entender.

A dificuldade surge pelo fato de que o cristão é, necessariamente, num certo sentido, dois homens em um ao mesmo tempo. É óbvio (não é?) que os cristãos simplesmente não podem entender nada destas questões O apóstolo expõe isso claramente no capítulo 2 da Primeira Epistola aos Coríntios, onde ele descreve a diferença entre o homem “natural” e o "espiritual” Ele escreve “O que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido”. “Discernir” (VA: julgar) significa entender. O cristão, diz Paulo, entende todas as coisas, mas ele mesmo não é entendido por ninguém Ele é, por definição, um homem que o incrédulo não tem a mínima possibilidade de entender. Portanto, um dos melhores testes que podemos aplicar a nós mesmos c descobrir se as pessoas acham difícil entender-nas porque somos cristãos Se a afirmação de Paulo é verdadeira, o cristão deve ser um enigma para todos os não cristãos. Aquele que não é cristão acha que há algo estranho quanto ao cristão, este não é como os outros, é diferente É como tem que ser, por definição, porque o cristão tem esta vida celestial e pertence a este domínio celestial. Entretanto, ele não somente escapa ao entendimento do não cristão: num sentido é certo dizer que ele próprio não pode entender a si mesmo. Ele tornou-se um problema para si próprio, por causa dessa nova natureza que há nele..“Vivo, não mais eu, mas Cristo vive em num” (Gálatas 2:20). Eu sou eu e não sou eu.

Analisemos isto um pouco mais. O cristão tem duas naturezas. Num sentido ele ainda é um homem natural. O que por nascimento ele herdou de seus antepassados, ele ainda possui. Ele ainda está neste mundo e nesta vida, como todos os demais. Ele tem que viver, tem que ganhar a vida e fazer várias coisas da mesma maneira que os outros. Ele ainda vive a vida secular, a vida “normal”, a vida vivida em termos do intelecto e do entendimento. Ele estuda vários assuntos e, como todos os demais interessa-se pelas condições políticas e sociais; ele tem que comprar e vender como todos os outros. Ele pode estudar artes, pode interessar-se por música. Essa é a sua vida "normal”, sua vida secular, sua mentalidade, coisas que ele compartilha com os não cristãos. Na verdade, podemos ir além e dizer que ele ainda experimenta falhas em vários aspectos, ele tem consciência do pecado Por vezes ele se olha e indaga se é diferente das outras pessoas, parece idêntico a elas. Ele falha, faz coisas que não devia fazer, ainda se sente culpado do pecado. Continua parecido com o homem natural. Se vocês tiverem apenas uma idéia superficial do cristão, poderão muito bem chegar à conclusão de que na verdade não há diferença alguma entre ele e qualquer outra pessoa. Mas isso não está certo, pois essa não é toda a verdade sobre ele. Em acréscimo a tudo isso, há outra natureza, há uma outra coisa que ocorre; e é esta outra coisa que faz do cristão um enigma para os outros e para si mesmo Num sentido ele é um homem natural, porém ao mesmo tempo é um homem espiritual O apóstolo contrasta o homem natural com o homem espiritual, porque o que há de grande acerca do cristão é que ele tem esta natureza espiritual adicional Esta é a característica principal, e é o furor dominante em sua vida O cristão, mesmo na pior condição, sabe que é diferente do incrédulo.

Expondo isso em sua expressão mais baixa, o cristão continua sendo culpado de pecado, mas o cristão não aprecia o pecado como apreciava, e como os outros apreciam. Há algo diferente até quanto ao seu pecado, graças a este princípio espiritual que há nele, a esta natureza espiritual, a esta consciência de uma nova vida, de uma vida que pertence a uma ordem diferente e a uma esfera diferente. É muito difícil expor isto em palavras; há algo evasivo nisso tudo e, todavia, há algo que o cristão sabe. É essencialmente subjetivo, embora resulte da fé na verdade objetiva. Noutras palavras, a menos que você sinta que é cristão, fica uma dúvida se você o é. A menos que lhe tenha acontecendo algo existencialmente, experimentalmente, a menos que lhe tenha acontecido algo na esfera da sua sensibilidade, você não é cristão.

Muitos no presente correm o perigo de considerar a fé de maneira tão puramente objetiva que pode tornar-se antibíblica. Eles dão toda a sua ênfase à subscrição de certos credos e à aceitação de certas formulações da verdade Mas isso pode não passar de assentimento intelectual. Ser cristão significa que Deus, mediante o Espírito, está operando em sua alma, deu-lhe um novo nascimento e colocou dentro de você um principio da vida celestial. E você tem que saber disso. Só você pode sabê-la. Você, necessariamente, tem consciência deste algo mais, desta diferença, deste poder que está agindo em você, deste elemento perturbador, como se pode provar. Você necessariamente tem consciência até de um novo conflito em sua vida. A pessoa não cristã é somente uma pessoa; a pessoa cristã é duas. Para usar a terminologia escriturística, o não cristão não é nada senão o “velho homem”. O cristão, porém, tem também um "novo homem” E entre o novo homem e o velho não há acordo; há uma tensão entre o velho homem e o novo, e há conflito – “A carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne” (Gálatas 5.17). O próprio estágio inferior da verdadeira experiência cristã é aquele estágio no qual você está cônscio justamente desse conflito. Você ainda não sabe o que é ser “cheio da plenitude de Deus”; você sabe pouco, se é que sabe algo, de uma comunhão pessoal e direta com Cristo; mas sabe que há algo em você que o inquieta, sabe que há, por assim dizer, outra pessoa em você, que há um conflito, que há quase que esta personalidade dual, esta dualidade por assim dizer. Estou tentando comunicar o fato da consciência que o cristão tem das duas naturezas. Ele está cônscio das duas naturezas porque ele está “em Cristo”, e Cristo está “nos lugares celestiais”. Ele recebeu esta vida de Cristo, e tudo o que ele tem deriva de Cristo; e isso é tão diferente de tudo mais, que o cristão tem consciência de que tem duas naturezas.

Pois bem, não é só certo dizer que o cristão tem duas naturezas; também tem dois interesses, porque vive em dois mundos. O cristão é cidadão de dois mundos ao mesmo tempo. Pertence a este mundo, tem nele a sua existência; e, contudo, sabe que pertence a outro mundo tão definidamente como a este. Isso é conseqüência inevitável do fato de que ele tem duas naturezas. Daí dizer o apóstolo que o cristão é alguém que foi transferido “da potestade das trevas para o remo do Filho do seu amor” (Colossenses 1:13) – ele foi transferido, transportado, e recebeu uma nova posição. E essa mudança é, num sentido, paralela a que se deu com o próprio Cristo. Deus manifestou o Seu poder quando ressuscitou a Cristo dentre os mortos e O colocou à Sua direita nos lugares celestiais. Com efeito, algo similar aconteceu com todos os cristãos. Não ficamos onde estávamos, fomos transportados, fomos transferidos de um lugar, de um domínio para outro, de um reino para outro, de um mundo para outro. Este é um elemento vital da experiência total do cristão.

Não significa que o cristão sai do mundo. Historicamente muitos cristãos caíram nesse erro, e diziam: visto que sou cristão não pertenço ao Estado. Há cristãos que dizem que não se deve votar nas eleições parlamentares, e que não se deve ter nenhum interesse pelas atividades do mundo. Mas isso não se harmoniza com o ensino das Escrituras, pois o cristão ainda é cidadão deste mundo e pertence à esfera secular. Ele sabe que este mundo é de Deus, e que nele Deus tem um propósito para ele. Ele sabe que é cidadão do país a que pertence, e está ciente de que tem as suas responsabilidades. A verdade é que, desde que é cristão, terá que ser um cidadão melhor do que ninguém no território. No entanto, ele não para aí, ele sabe que também é cidadão de outro reino, de um reino que não se pode ver, um reino que não é deste mundo. Todavia, ele está neste mundo, e o outro reino colide com ele. O cristão sabe que pertence a ambos os remos Assim, isto vem a ser um teste da nossa profissão de fé como cristãos. Sabemos das exigências que a nossa terra natal nos faz, e também sabemos das exigências do reino celestial. Nosso desejo é não transgredir as leis da terra, e maior ainda é o nosso desejo de não ofender o “Rei eterno, imortal, invisível” (1 Timóteo 1:17, VA, ARA) que habita aquele outro reino e que é o Senhor.

O apóstolo prossegue e diz, porém, que não somente pertencemos àquele domínio celestial; no versículo 6 do capítulo 2 de Efésios ele faz uma declaração que soa tão espantosa quanto impossível Diz ele que Deus “nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus ”. Significa nada menos que eu e você, em Cristo, estamos assentados neste momento em lugares celestiais. Estamos lá; ele não está dizendo que vamos estar lá, e sim, que estamos lá. Mas como se pode conciliar isso com o fato de que ainda estamos neste mundo limitado pelo tempo, com toda a sua confusão e contradição? Como podem estas duas coisas ser verdadeiras ao mesmo tempo? A princípio soa paradoxal; e, contudo, é gloriosamente verdadeiro quanto ao cristão. Espiritualmente estou neste momento no céu, “em Cristo”, num sentido como sempre estarei; mas o meu corpo continua vivendo na terra, ainda sou deste mundo limitado pelo tempo, O meu espírito foi redimido em Cristo, como sempre redimido será; porém o meu corpo ainda não foi redimido, e eu, com todos os outros cristãos, estou “esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo” (Romanos 8:23). Ou, como Paulo o expressa, escrevendo aos Filipenses, a nossa situação neste mundo limitado pelo tempo é que “a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas” (3:20-21). Em meu espeto já estou lá, mas ainda estou na terra na carne e no corpo.

O aspecto glorioso desta verdade é que, devido eu estar “em Cristo”, o meu corpo vai ser emancipado; a adoção, a redenção dos nossos corpos vai acontecer; virá o dia em que eu estarei nos lugares celestiais, não somente em meu espírito, mas também em meu corpo Isso é absolutamente certo. Seremos transformados, os nossos corpos serão glorificados, e estaremos sem nenhum pecado, culpa ou ruga ou mancha. Em espírito e no corpo estaremos com Ele e O veremos como Ele é; na totalidade do nosso ser e das nossas personalidades estaremos naqueles lugares celestiais.

A dedução que tiramos do ensino do apóstolo foi exposta perfeitamente por Augustus Toplady, quando escreveu:



Mais felizes, mas não mais seguros,

Os espíritos glorificados no céu.



"Os espíritos glorificados no céu”, os cristãos que partiram e estão com Cristo são mais felizes do que nós. Isso porque nós, que ainda estamos nesta vida, estamos “sobrecarregados”, e, por isso, “gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu” (2 Coríntios 5:2). Os cristãos que pararam, já não têm que combater o pecado na carne, e no mundo; disso eles estão completamente livres; isso acabou, no que se refere a eles; porém nós continuamos na carne, no corpo, continuamos lutando, continuamos gemendo. Porque partiram, eles são “mais felizes”; mas não estão mais seguros. Não estão “em Cristo” mais do que nós. Eles estão lá agora porque estavam “em Cristo” quando estavam aqui; nós, mesmo agora, estamos “em Cristo” e estamos assentados espiritualmente junto com eles nos lugares celestiais – com eles e com Cristo, neste exato momento. Como nos lembra o autor da Epístola aos Hebreus, “não chegastes ao monte palpável, aceso em fogo, e à escuridão, e às trevas, e à tempestade, e ao sonido da trombeta, e à voz das palavras, a qual os que a ouviram pediram que se lhes não falasse mais, porque não podiam suportar o que se lhes mandava: se até um animal tocar o monte será apedrejado. E tão terrível era a visão que Moisés disse: estou assombrado, e tremendo. Mas chegaste ao monte de Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; à universal assembléia e Igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados; e a Jesus, o Mediador duma Nova Aliança, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o de Abel” (Hebreus 12:18-24). Estamos lá agora em nossos espíritos; estaremos finalmente lá em nossos corpos também.

Isso nos leva à percepção de que o cristão não somente tem duas naturezas, e duas existências, mas também, necessariamente, tem duas perspectivas. O cristão vê a vida e o mundo, e num sentido os vê como todo o mundo os vê; todavia, ao mesmo tempo ele os vê diferentemente. Como cristãos não olhamos para as coisas como o mundo olha, mas o fazemos como pessoas pertencentes aos domínios celestiais; vemos tudo diferentemente, vemos tudo do ponto de vista espiritual. Os homens e as mulheres não cristãos consideram o estado em que o mundo se encontra, as guerras e os tumultos, a causa de todas essas coisas e a possibilidade de outra guerra mundial. Consideram as sugestões quanto ao que se pode fazer, e se é certo ou errado ter exércitos e engajá-los na luta. Estas coisas requerem atenção. O cristão como cidadão deste domínio visível, tem que chegar a decisões, e tem que ser capaz de dar os motivos das suas decisões.

Com relação à Igreja Cristã, num sentido ela não tem nada a ver com os problemas do mundo, e não deve gastar muito tempo com eles. A tarefa primordial da Igreja é apresentar a perspectiva, o ponto de vista espiritual. Ela vê a causa de todos os problemas de maneira inteiramente diversa. A visão mundana enxerga a causa da guerra como uma questão de “equilíbrio do poder” entre as nações e em termos de como lidar com isso de maneira a mais eficiente. Isso está certo, dentro dos seus limites; porém não é esse o problema fundamental que, como Paulo nos ensina no último capítulo desta Epístola, consiste em que “não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais” (6:12). O cristão sabe que o mundo está como está devido ao pecado, devido ao diabo; ele vê todas as coisas com uma nova perspectiva e com um novo entendimento. Ele sabe que estas coisas são apenas a manifestação do poder satânico; e que, em última análise, o conflito deste mundo é um conflito espiritual, não um conflito material. Os problemas do mundo não são meramente resultantes da colisão de concepções materiais apenas; são produzidos pelos poderes do inferno e de satanás lutando contra o poder de Deus. Em contraste com a visão que o mundo tem, a visão do cristão é muito mais profunda. O cristão não vê as coisas meramente ao nível horizontal; ele as vê perpendicularmente também. Para ele há sempre este elemento básico – “sub specie aeternitatis”. *

Ele sabe, ademais, que a única maneira de lidar com estes problemas só pode ser espiritual. O cristão sabe que Deus tem duas maneiras de tratar destes problemas que resultaram das atividades do diabo, da queda do homem e do pecado. A primeira é que Deus restringe o mal, e o faz de muitas maneiras. Primeiro o fez, em parte, dividindo o mundo em países e estabelecendo limites para cada um deles. Isso Ele fez ordenando que houvesse reis e chefes de Estado, magistrados e autoridades. Nunca nos esqueçamos de que as potestades que existem foram ordenadas por Deus (Romanos 13 1). Foi Deus que ordenou os governos e os sistemas de governo. É por isso que o cristão é exortado a honrar o rei, os senhores e todos os que estão revestidos de autoridade. Dessa maneira Deus mantém o mal dentro de certos limites, restringindo o mal. Ele faz isso por meio dos governos, pelo uso dos estadistas, das conferências internacionais e pelo uso de diversos outros meros No entanto eles são somente negativos, simplesmente restringem o mal. A força policial pode impedir que um homem faça certas coisas más, porém nenhuma força policial pode transformar alguém num homem bom. O mesmo aplica-se também aos governos. Também se aplica esta verdade à cultura, à educação e a tudo quanto esteja destinado a melhorar os costumes e a tornar a vida ordeira, harmoniosa e agradável. Todas essas agências fazem parte do mecanismo de Deus para refrear o pecado e as suas manifestações e conseqüências. Entretanto, elas são negativas. Um homem altamente civilizado nunca fará certas coisas; mas isso não significa necessariamente que ele é um bom homem. É certo que a cultura não faz dele um homem espiritual.

Mas existe este outro aspecto positivo: Deus trata dos problemas do mundo de maneira positiva e curativa, a saber, em Cristo e por meio de Cristo e Sua grande obra de salvação. Ele tira um homem deste “presente mundo mau” em espírito, e o coloca dentro do reino de Cristo Coloca dentro dele um novo principio que não somente lhe tira a disposição para pecar, mas também lhe dá amor à santidade O homem se torna positivamente bom e passa a ter “fome e sede de justiça" Ele se torna semelhante ao Senhor Jesus Cristo Há um novo remo dentro “dos remos deste mundo"; é o reino de Deus Essa é a única cura. O remo de Deus finalmente vai ser tão grande que o pecado será destruído e banido, e não mais existirá. O cristão, e somente ele, vê o plano e o propósito de Deus. Os estadistas do mundo, os não cristãos, na melhor das hipóteses nada sabem a respeito, eles só vêem a situação em termos do visível e daquilo que está diretamente diante deles.

Estas duas maneiras de ver também são inteiramente diversas com respeito ao futuro. O incrédulo liga a sua fé às conferências. E imagina que se tão-somente os homens pudessem ter uma Conferência de Mesa Redonda e acordassem nunca mais fazer uso da bomba atômica ou da bomba de hidrogênio, o mundo se tornaria mais ou menos perfeito. Mas, ao que parece, isso nunca se efetuará. Ele não pode ir além da sua visão horizontal, ele nada sabe deste elemento espiritual superior. Ele a credita na perfectibilidade do homem e na evolução de toda a raça humana. Ele acredita que o homem ficará cada vez melhor, à medida que se torne mais instruído, e que finalmente abolirá a guerra.

Ora, infelizmente isso nunca acontecerá por causa deste elemento espiritual em conflito. Conquanto o homem tenha pecado em sua natureza, ele não somente será culpado do pecado individualmente, mas também numa escala nacional e mundial. Porque a mente de uma multidão sena diferente da mente de um indivíduo”. Graças a Deus, há outra mensagem; e a maior tragédia do mundo é que a Igreja, em vez de pregar a sua verdadeira mensagem, está pregando uma mensagem terrena, humana, carnal. Não teria a Igreja algo melhor para pregar do que apelar para os estadistas para que resolvam os problemas? Isso é realmente uma negação da fé cristã, e revela uma abismal ignorância dos "lugares celestiais”. Como cristãos, temos outra maneira de ver, temos algo inteiramente diverso. As preleções sobre a temperança nunca tornarão sóbrios os homens, nem as estatísticas das perdas de guerra porão fim à guerra. Sabemos que o problema é espiritual, e que a solução tem que ser igualmente espiritual Como é de satanás que basicamente vêm os maus desejos, as paixões e as cobiças, assim é de Cristo, e dEle somente, mediante o Espírito, que vem o poder para sobrepujá-los E Ele virá não somente para o indivíduo, graças a Deus, Ele virá para o mundo todo. O cristão sabe que Cristo, que agora está nos lugares celestiais, voltará a este mundo em forma visível, cavalgando as nuvens do céu e rodeado pelos santos anjos e pelos santos que já estão com Ele; e os que estiverem na terra quando Ele vier serão transformados e serão elevados nos ares para encontrar--se com Ele, e estarão todos "sempre com o Senhor". Ele derrotará os Seus inimigos, e banirá o pecado e o mal. Seu reino se estenderá "de mar a mar” (Salmos 72:8; Zacarias 9:10) e Ele será aclamado como o Senhor por todas as coisas “que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra” (Filipenses 2:10).

Isso é otimismo cristão, e significa que sabemos que somente Cristo pode vencer, e vencerá. Você está “nos lugares celestiais”, você está ciente das duas naturezas que há em você, está ciente de que pertence a duas esferas? Tem você esta nova visão espiritual da guerra e da paz e dos problemas do mundo? Você vê tudo pela perspectiva do céu, de Deus e do Senhor Jesus Cristo, assentado com Ele nos lugares celestiais? Bendito seja o nome de Deus!

* " Com a visão da eternidade”. Nota do tradutor.

Fonte: LLOYD-JONES, David Martyn. O Supremo Propósito de Deus: Exposição sobre Efésios 1:1-23. Editora PES.