terça-feira, 29 de outubro de 2013

PORTA DOURADA - A PORTA PELA QUAL O MESSIAS ENTRARÁ EM JERUSALÉM

SEGUNDA-FEIRA, 12 DE DEZEMBRO DE 2011

A grande porta dourada de Jerusalém

PORTA DOURADA


A porta dourada ou porta de ouro como é conhecida tem trazido muito admiração em Jerusalém Israel, pois esta porta traz uma forte atenção pois ela tem se cumprindo a palavra Deus. A porta dourada estar rodeada entre os muros da cidade velha de Jerusalém, a onde se tem uma vista mais ampla dela é através do Jardim do Getsêmani, no monte das oliveiras. Para os Judeus que não aceitam Jesus como o messias, eles Aguardam a vinda do redentor que cruzará o vale do cedron e entrará no monte do templo pela porta oriental conhecida como “porta dourada”. Tanto judeus como cristãos observam esta porta constantemente “tomam conta”, pois é por ela que o messias entrará conforme o que foi dito pelo profeta Ezequiel. Para os judeus e neste portão (porta) que o messias irá passar conforme falou o profeta Ezequiel (Ez 43:1-5) e devolver a Israel a sua glória como no passado, já para os cristãos é a onde Jesus Cristo entrará na sua cidade para ali estabelecer o seu reino milenar e governar todas as nações. E interessante notar que os otomanos mulçumanos bem escolados nestas profecias lacraram o portão em 1530 e sabendo que o messias judeu, como um sumo sacerdote não pode atravessar um cemitério, nem tocar em mortos, pois assim se tornaria imundo por sete dias conforme estar escrito a lei de Moisés (Num 19:16) fizeram um cemitério em frente a porta dourada, tal atitude tornaria assim o sacerdote impuro. Isto foi feito pelos otomanos mulçumanos para tentar impedir o cumprimento desta profecia que o messias soberano ira entrar por estar porta. Mal sabendo eles que tal atitude dos otomanos de lacrarem o portão estaria também se cumprindo outra profecia de Ezequiel que viu a porta fechada “Então me fez voltar para o caminho da porta exterior do santuário, que olha para o oriente, a qual estava fechada. E disse-me o Senhor: Esta porta permanecerá fechada, não se abrirá: ninguém entrará pó ela, porque o Senhor, o Deus de Israel entrou por ela; por isso permanecerá fechada” Ez 44.01-02. E muito interessante notar que Jesus jamais poderia passar por cima de um cemitério, pois assim estaria quebrando um dos mandamentos da lei de Moisés “Se alguém, em pleno campo, tocar em um homem morto pela espada, em um cadáver, em ossos humanos, ou em um sepulcro, será impuro durante sete dias. Nm 19:16”, mediante a este fato Jesus nunca entraria pela porta pois a muitos túmulos enfrente a porta, Mas é muito curioso é que, a Bíblia nos revela também que Jesus retornado é tocará (colocará) com os seus pés no monte das oliveiras e este monte se fenderá em duas partes, uma para o oriente e outro para ocidente (Zc 14:04),esta fenda se abrirá no monte das Olivereiras e acreditamos que talvez o vale de cedron também se abrirá pois estar no meio entre a cidade e o monte das oliveiras. Seria talvez esta fenda a maneira mais gloriosa de remover estes túmulos feitos pelos Otomanos muçulmanos e abrir definitivamente a Porta Dourada. De uma coisa sabemos que Jesus Cristo o nosso Salvador entrará pela porta dourada e reinará Eternamente para sempre.

Podem cópia esta matéria mediante a citação do endereço: http://www.pastorgilberto.com/

John Piper desafia tradição da Igreja Batista e faz pregação polêmica sobre batismo no espírito santo e dons espirituais


John Piper desafia tradição da Igreja Batista e faz pregação polêmica sobre batismo no espírito santo e dons espirituais

O estudo acerca dos dons espirituais sempre gerou polêmica no meio cristão, haja vista a própria Igreja Batista ter varias ramificações por divergências neste assunto.

Em uma pregação o pastor John Piper demonstrou sua visão acerca dos dons espirituais como dons de línguas e de cura. Para o pastor da Igreja Batista Betel de Minneapolis há razões para acreditarmos na contemporaneidade dos dons.


No estudo ele apresenta quatro delas: a primeira é sobre o termo “batismo com o Espírito Santo”, baseado em Atos 1:5 e 11:16. Sobre isso Piper escreveu que “se o Espírito te cobre como um batismo, não podemos imaginar o Espírito entrando de maneira sorrateira e quieta enquanto você dorme e fazendo morada de maneira imperceptível.”

Outro aspecto pregado por evangélicos pentecostais que Piper concorda é sobre o poder, a ousadia e a confiança. “Jesus diz em Atos 1.5 e 8 que o batismo com o Espírito significa: “mas recebereis a (virtude) poder… e ser-me-eis testemunhas”. Isso é uma experiência de ousadia, confiança e vitória sobre o pecado.”

“Não há motivo para pensar que até mesmo para Paulo o batismo com o Espírito Santo estava limitado ao momento inicial da conversão. E certamente no livro de Atos o batismo com o Espírito Santo é mais que um ato divino subconsciente de regeneração- é uma experiência consciente de poder (Atos 1.8).”

Outro ponto apresentado pelo pastor reformado é sobre ao testemunho descrito em Atos. “Na verdade a terceira razão que me faz pensar isso é que quando pegamos uma concordância e procuramos em todas as passagens em Atos onde o Espírito Santo trabalha nos cristãos, nunca é de forma subconsciente. Em Atos o Espírito Santo não é uma influência silenciosa, mas experimentação de poder. ”

Já o quarto e último ponto fala sobre a manifestação do Espírito como consequência da fé, e não de forma subconsciente. “Em Atos 11.15-17 Pedro relata como o Espírito Santo desceu sobre Cornélio assim como nos discípulos em Pentecostes. (…) Note que o dom do Espírito, ou batismo com o Espírito, é precedido pela fé.”

Concluindo esse estudo sobre o Batismo do Espírito, Piper fala sobre os dons de línguas. “Em si mesma a língua é relativamente sem importância. A verdadeira contribuição valiosa da renovação carismática é sua implacável ênfase na verdade que receber o dom do Espírito é uma experiência real marcante.”

Fonte: Gospelprime

Piper e o dom de línguas

Piper e o dom de línguas

Por Vanderson M. da Silva


John Piper, um dos grandes expoentes atuais do neocalvinismo. Créditos: Rachel Ford James (sob Creative Commons)

E não é que o pastor e escritor batista reformado americano John Piper defende a contemporaneidade do dom de línguas? Confira o leitor mesmo aqui.

A posição dele sobre essa questão é compartilhada por outros que, juntamente com Piper, são os expoentes do chamado neocalvinismo, como Paul Walsher e Mark Driscoll (malgrado divergirem entre si sobre outras questões). Discordam, assim, que a Bíblia ensine que certos carismas da Igreja Primitiva hajam cessado no presente, como os dons de línguas e o de profecia — embora seja lícito questionar como este último dom pode se coadunar hoje com o princípio de Sola Scriptura, por exemplo.

Todavia, quero me ocupar aqui com o dom de línguas, manifestando minha discordância quanto à sua continuidade atual e expondo minhas razões para assim pensar. É o que farei a seguir.

Pois bem, o Senhor Jesus disse que línguas eram um “sinal” (Mc 16.17). Nas ocorrências em Atos, fica implícito que se tratava de um sinal indicativo da universalidade do Evangelho, destinado não só aos judeus (os primeiros recipientes da mensagem), mas também aos prosélitos (cap. 2), gentios (cap. 10) e mesmo aos joanitas (19.1-7). Portanto, confirmando que absolutamente todos os grupos possíveis eram abarcados pelo cristianismo. Mesmo o remanescente dentre a nação judaica (representado pelos apóstolos) teve dificuldades para aceitar que os gentios foram “enxertados” na oliveira (Romanos 11), mas o sinal das línguas serviu para atestar tal verdade aos judeus fieis (At 11.1-18).

Mas o que fica implícito nesse livro, Paulo deixa explícito em 1 Coríntios 14.21,22. Lemos ali: “Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor. De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis”. O que o apóstolo queria dizer com isso? Simplesmente, que o dom de línguas (que se manifestava em Corinto) era sinal para o povo judeu (os “infiéis”), e isso para cumprir a profecia de Isaías 28.11,12. Lembremos ainda que, desde o seu estabelecimento na cidade, tal igreja enfrentou forte oposição judaica (cf. At 18: parece mesmo que aquela ficava bem ao lado de uma sinagoga, v. 7; ainda, tal oposição recrudesceu justamente quando Paulo decidiu “partir para os gentios”, vv. 6ss).

A profecia citada por Paulo é um trecho de um capítulo que fala do juízo de Deus sobre Efraim e Judá por causa de sua impenitência. É também em Isaías 28 que temos o bem conhecido versículo: “Portanto assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, uma pedra já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não se apresse” (v. 16). Tal pedra é Cristo, rejeitada pelos judeus, em sua maioria, os quais sofreriam o devido castigo pela rebelião ( 1Pe 2.1-10), castigo do qual Jesus trata em seu longo Sermão Profético (Mt 24, 25). O propósito de tal carisma foi cumprido: independentemente da visão escatológica que se adote, nenhuma contempla a volta da necessidade da manifestação das línguas para atestação à nação judaica do caráter universal da religião de Cristo.

Todavia, alguns ainda insistem que tal dom poderia ter por finalidade viabilizar a proclamação do Evangelho para falantes de outros idiomas, e usam o próprio texto de Atos 2.1ss para respaldar tal ideia. Nesse caso, porém, não é crível que os judeus de outras partes do mundo, que ali estavam em peregrinação, e que visitavam a Judeia regularmente, não tivessem um meio comum de comunicação com os seus compatriotas locais, seja aramaico, hebraico ou mesmo grego koiné.Assim, as línguas manifestadas eram cumprimento de profecias do AT e sinal de que o Evangelho era de fato universal — e que abrangia também os odiados gentios, em cujas terras aqueles judeus viviam como estrangeiros, em hostilidade e desconfiança.

Por tudo isso, entendo que, pelo menos quanto ao dom em apreço, não se pode cogitar que ele não tenha cessado para a nossa era.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Como se livrar de uma sogra chata

É só uma lenda,mas se aplicássemos em nossas vidas....

Há muito tempo, na China, Lili casou-se e foi viver com o marido e a sogra. Em pouco tempo, Lili percebeu que não iria se entender com a sogra. Os temperamentos delas eram muito diferentes e Lili ficava cada vez mais furiosa com os hábitos de sua sogra. Além disto, ela criticava Lili constantemente. Os dias, as semanas, os meses foram passando e Lili e a sogra discutiam e brigavam continuamente.

Mas, o pior de tudo era que, de acordo com antiga tradição chinesa, Lili tinha que se curvar à sogra e obedecê-la em tudo o que ela desejasse. Este comportamento estava causando ao pobre marido um grande estresse.

Finalmente, Lili não aguentando mais, decidiu tomar uma atitude. Foi ver o Sr. Huang, bom amigo de seu pai, que vendia ervas. Ela lhe falou sobre a situação e pediu que lhe desse algum veneno para resolver o problema de uma vez por todas. O Sr. Huang pensou por algum tempo e finalmente disse:
- Lili, eu ajudarei você a resolver seu problema, mas você tem que me escutar e obedecer a todas as instruções que eu lhe der.
Lili respondeu:
- Sim, Sr. Huang, eu farei tudo o que me pedir que faça.

O Sr. Huang entrou no quarto dos fundos e voltou após alguns minutos com um pacote de ervas e explicou a Lili:
- Você não pode usar tudo de uma só vez para se libertar de sua sogra, porque isso causaria suspeitas. Eu lhe dou várias ervas que vão lentamente envenenar sua sogra. A cada dois dias prepare uma refeição bem saborosa e ponha um pouco destas ervas no prato dela. Mas, para ter certeza de que ninguém irá suspeitar de você quando ela morrer, deve ter muito cuidado e agir de forma muito amigável com ela. Não discuta com ela, obedeça-a em tudo e trate-a como se fosse uma rainha.

Lili ficou muito contente. Agradeceu ao Sr. Huang e voltou apressada para casa para começar o projeto de assassinar a sua sogra.

O tempo foi passando e, a cada dois dias, Lili servia a comida, especialmente preparada para a sua sogra. Ela se lembrava do que o Sr. Huang tinha dito sobre evitar suspeitas. Assim ela controlou o seu temperamento, obedeceu à sogra, e a tratou como se fosse sua própria mãe. Depois de seis meses, a casa inteira tinha mudado. Lili tinha controlado tanto o seu temperamento que ela quase nunca se aborrecia.

Nestes seis meses, não tinha tido uma discussão com a sogra, que parecia agora muito mais amável e mais fácil de se lidar. As atitudes da sogra com Lili mudaram, e ela começou a amar Lili tanto quanto a própria filha. Ela revelava aos amigos e parentes que Lili era a melhor nora que alguém poderia ter. Lili e a sogra estavam tratando uma a outra como verdadeiras mãe e filha. O marido de Lili estava muito contente em ver o que estava acontecendo.

Um dia, Lili foi ver o Sr. Huang e pediu-lhe ajuda novamente. Ela disse:
- Querido Sr. Huang, por favor me ajude a evitar que o veneno mate minha sogra! Ela se transformou em uma mulher agradável, e eu a amo como minha própria mãe. Não quero que ela morra por causa do veneno que eu lhe dei.

Sr. Huang sorriu e acenou com a cabeça.
- Lili, não há nada com que se preocupar. Eu nunca lhe dei qualquer veneno. As ervas que eu dei à você, eram vitaminas para melhorar a saúde dela. O único veneno estava em sua mente e em sua atitude para com ela, mas isso tudo foi jogado fora pelo amor que você deu a ela.

É sempre bom avaliarmos as nossas atitudes, pois temos a tendência de achar que o problema é com os outros. (Lenda chinesa)

domingo, 13 de outubro de 2013

O DIABO ESTÁ PRESO?

E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia; assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.” Judas 1:6-7

Eu não creio que o diabo esteja preso, o próprio texto não cita como se o diabo especificamente esteja. Uma das principais regras de interpretação de textos, especialmente para a Bíblia Sagrada é que não podemos fazer doutrina baseando-nos em um verso isolado, mas sim no conjunto tanto do capítulo, do livro, como também de toda a Bíblia.

No mesmo livro de Judas vemos a citação do diabo disputando com o arcanjo Miguel acerca do corpo de Moisés. Ora, se o diabo disputou, contendeu com o arcanjo é porque ele não está preso.

Nos textos dos evangelhos dizendo sobre a tentação sofrida por Jesus, foi o próprio diabo em pessoa que tentou o Senhor e não um demônio ou anjo mau especialmente enviado para isso.

E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto;
E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e naqueles dias não comeu coisa alguma; e, terminados eles, teve fome.”Lucas 4:1-2

Já não falarei muito convosco, porque se aproxima o príncipe deste mundo, e nada tem em mim;" João 14:30  Quem no caso é o príncipe deste mundo? Sem dúvida alguma é o próprio diabo. E se ele se próxima é porque não está encarcerado.

Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência;” Efésios 2:2
Vemos aí satanás (diabo) operando nos filhos da desobediência. Se opera é porque solto. Alguém pode até dizer que esse príncipe não é satanás. Mas pela interpretação feita do verso de Judas todos os anjos caídos estariam presos, e isso sabemos que não aconteceu com todos os anjos caídos porque temos anjos maus operando em toda a história da humanidade. A mesma regra de interpretação deve servir para a Bíblia toda nunca comportando raciocínios ou regras diferentes, pois isso se revelaria incoerência nossa.

Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;”1 Pedro 5:8 Onde o diabo anda mesmo? Em derredor dos salvos. Sendo em derredor é porque está o diabo está solto.

E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite.”Apocalipse 12:10
E num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor, veio também Satanás entre eles.” Jó 1:6

O diabo se apresenta sempre diante de Deus para nos acusar. Coloquei os dois versos acima para mostrar que o diabo está solto. No primeiro verso vemos ele sendo expulso do céu, no caso do terceiro céu.

E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão.” Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos.” Apocalipse 20:1-2 Se o diabo já estava preso, porque ele foi preso novamente? Só é preso quem está solto.

Aí vemos claramente que nesses mil anos não haverá interferência dele sobre as nações da terra exatamente porque está preso. E preso sem ação alguma.

Então qual é a interpretação dos anjos aprisionados?

Vemos no texto de Judas que esses anjos ficarão aprisionados até o dia do juízo. Por “dia do juízo” podemos interpretar como o sendo dia da grande tribulação. São criaturas terríveis que vão por certo horrorizar quem estiver vivo nesse tempo. A qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos, que estão presos junto ao grande rio Eufrates.” Apocalipse 9:14

Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.”Gênesis 6:2
Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama.”Gênesis 6:4

Quem seriam esses filhos de Deus? Há várias interpretações sobre isso como os filhos de Deus serem a descendência de Sete e as filhas dos homens serem a descendência de Caim. Mas nunca no Antigo Testamento homem algum foi chamado filho de Deus. Outra interpretação seria que foram os próprios anjos que desceram à terra cometendo esse pecado. E por isso também caíram em desgraça sendo encerrados em prisões. Deus enviou o dilúvio sobre a terra porque algo de muito terrível havia acontecido corrompendo toda a raça humana que, segundo alguns cálculos, já estaria na casa dos bilhões de habitantes. E apenas a linhagem direta de Noé e seus filhos e noras não haviam se misturado à descendência desses anjos terríveis e também foram os únicos a serem fieis a Deus. Foram os únicos a serem salvos da destruição da raça humana.

Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos de Deus no céu.” Mateus 22:30. Esse verso tem sido citado para refutar essa interpretação dizendo que os anjos não se casam. Mas observem que isso acontece com os anjos no céu e não na terra. Na terra ainda vemos anjos se alimentando quando visitaram Abraão, e também anjos sendo desejados para relações sexuais como nas cidades de Sodoma e Gomorra.

Com isso também é explicado as grandes e indecifráveis construções antigas como as pirâmides e outras, as quais seriam impossíveis ao homem pós-diluviano. Mas isso já é assunto para outro estudo.

Por hora é isso que temos.

Ivo Gomes do Prado.





domingo, 6 de outubro de 2013

ASSEMBLEIA NA CARPINTARIA

Contam que na carpintaria houve uma vez uma estranha assembleia. Foi uma reunião das ferramentas para acertar suas diferenças.
O martelo exerceu a presidência, mas os participantes lhe notificaram que teria que renunciar. A causa? Fazia demasiado barulho e, além do mais, passava todo o tempo golpeando.
O martelo aceitou sua culpa, mas pediu que também fosse expulso o parafuso, dizendo que ele dava muitas voltas para conseguir algo.
Diante do ataque, o parafuso concordou, mas por sua vez, pediu a expulsão da lixa. Dizia que ela era muito áspera no tratamento com os demais, entrando sempre em atritos.
A lixa acatou, com a condição de que se expulsasse o metro, que sempre media os outros segundo a sua medida, como se fora o único perfeito. 
Nesse momento entrou o carpinteiro, juntou o material e iniciou o seu trabalho. Utilizou o martelo, a lixa, o metro e o parafuso. Finalmente, a rústica madeira se converteu num fino móvel. Quando a carpintaria ficou novamente só, a assembléia reativou a discussão.
Foi então que o serrote tomou a palavra e disse:
- "Senhores, ficou demonstrado que temos defeitos, mas o carpinteiro trabalha com nossas qualidades, com nossos pontos valiosos. Assim, não pensemos em nossos pontos fracos, e concentremo-nos em nossos pontos fortes."
A assembléia entendeu que o martelo era forte, o parafuso unia e dava força, a lixa era especial para limar e afinar asperezas, e o metro era preciso e exato.
Sentiram-se então como uma equipe capaz de produzir móveis de qualidade. Sentiram alegria pela oportunidade de trabalhar juntos. Ocorre o mesmo com os seres humanos. Basta observar e comprovar.
Quando uma pessoa busca defeitos em outra, a situação torna-se tensa e negativa. Ao contrário, quando se busca com sinceridade os pontos fortes dos outros, florescem as melhores conquistas humanas.
É fácil encontrar defeitos. Qualquer um pode fazê-lo. Mas encontrar qualidades, isto é para os Sábios.