terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

NOSSAS OBRAS SÃO COMO TRAPO DE IMUNDÍCIE


"Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam." Isaías 64:6


- A confissão mais pesada da Bíblia acha-se no livro de Isaías: “Todos nós nos tornamos impuros. As nossas boas ações, que pensamos ser um lindo manto de justiça, não passam de ‘trapos imundos’” (Is 64.6, NBV). Outras versões chegam mais perto do que o profeta quer dizer e mencionam “roupa ‘manchada’” (BP) e “panos ‘repugnantes’” (TEB). A tradução da CNBB acerta: “Nossa justiça toda é como ‘sangue menstrual’”. Esses trapos imundos são os absorventes da época. 


É um choque quando o véu da autoavaliação equivocada é removido e o culpado chega a ponto de saber que suas possíveis boas obras são como trapos de imundícia. 


Porém, se existe sangue menstrual, existe também sangue remidor e purificador!

Nenhum comentário:

Postar um comentário