quinta-feira, 18 de junho de 2015

A Teoria do Bode na Sala

A Teoria do Bode na Sala

A Teoria do Bode na Sala

Muita gente tem me perguntado sobre o que é a teoria do bode na sala. Como esta história é geralmente contada em tom de piada, eu tenho que confessar que fui muito resistente em escrever um artigo a respeito. Porém, após alguma reflexão, comecei a considerar que este tema poderia ser um bom ponto de partida para se gerar uma discussão sobre técnica de venda, negociação, ou se preferir, de manipulação. Então vamos a ela:

Dizem que um pai de família passando por sérias dificuldades, que morava numa casinha muito pequena e com muitos filhos, foi pedir ajuda ao pároco da sua cidade.

Após escutar seu drama, o padre lhe deu um bode com a recomendação de que, durante uma semana, o homem mantivesse o mesmo na sua sala. Após este prazo, o pobre coitado deveria então retornar a igreja.

Passada uma semana, o cidadão retornou.

O padre perguntou: E então? Às coisas melhoraram?

– Não, seu padre. Não melhorou nada… O bode está nos atrapalhando bastante.

– Então, devolva o bode e volte daqui a uma semana. Disse o padre.

O sujeito devolveu o bode e uma semana depois retornou.

Novamente o padre perguntou: E então? Às coisas melhoraram?

– Agora sim, seu padre, a minha vida nunca foi tão maravilhosa. Sem o bode a gente tem espaço na sala e não tem mais aquele mau cheiro.

E lá foi o feliz homem de volta á sua casa, agradecido a deus pela vida que levava.

Não sei determinar qual é a origem desta história. Como toda “sabedoria popular”, a teoria do bode na sala possui muitas variações, e se adapta á vários tipos de problemas. Para dar um ar mais acadêmico, vamos agora reapresenta-la de uma forma mais descritiva, como uma técnica de negociação.

Aplicabilidade:

Quando alguém começar a reclamar sobre um problema que você não tenha como (ou não queira) resolver.

Ação:

Arrume um problema novo, de difícil solução, e o apresente como resposta a reclamação apresentada.

Espere um tempo para que o novo problema comece a gerar muito desgaste para o reclamante.

Resultado:

Opção 1: O reclamante pode ficar tão estressado com o novo problema, que irá esquecer da queixa original.

Opção 2: O reclamante pode implorar para se livrar do novo problema. Você então, de forma magnânima, remove-o. Ao retornar ao estado inicial, o nosso reclamante passará a considerar a queixa original como insignificante. Com sorte, ele até achará que foi injusto com o protesto feito.

Após ler este artigo, tenho certeza que você irá perceber e compreender melhor as propostas de revisões constitucionais, plebiscitos, e tudo o mais que esta acontecendo por aí. Quero aproveitar, para agradecer aos leitores que sugeriram este tema, aparentemente tão inocente. Obrigado a todos!

Crédito da Foto:

Marco Gil via Photopin CC

www.planejamentodevendas.com.br/tecnicas-de-vendas/a-teoria-do-bode-na-sala/

Nenhum comentário:

Postar um comentário