sábado, 8 de agosto de 2015

PRESERVAÇÃO DOS TEXTOS DO ANTIGO TESTAMENTO ATRAVÉS DOS SÉCULOS


PROVAS NO SANTUÁRIO DO LIVRO 

Por David Cloud 

É fascinante que os dois maiores testemunhos históricos da autoridade da Bíblia em hebraico Massorético, que é a base para as grandes Bíblias protestantes como a alemã de Lutero, a espanhola Reina Valera, e do Rei Tiago em inglês, estão localizados em um só lugar: o Santuário do Livro em Jerusalém. 
Eles são os detentores do grande rolo de Isaías e do Codex Aleppo.

O texto Massorético foi preservado por cuidadosos escribas hebraicos antes da invenção da impressão por tipos móveis no século 15. (A primeira Bíblia hebraica impressa apareceu em 1488). 
O Santuário do Livro foi inaugurado em 1965 pelo Museu de Israel, apenas 17 anos após a Guerra da Independência. Sua importância nacional é evidente pelo fato de que ele está localizado perto do Parlamento israelense (o Knesset). 

O teto do museu tem a forma da tampa dos jarros de barro que protegia os rolos do Mar Morto, e o corredor que leva ao museu lembra uma caverna. O branco brilhante do teto do museu contrasta fortemente com a parede preta nas proximidades, o que significa a guerra entre os Filhos da Luz contra os Filhos das Trevas descrita nos escritos da comunidade essênia, encontrados entre os Manuscritos do Mar Morto. Os essênios erradamente acreditavam serem os verdadeiros filhos da Luz, e o moderno Estado de Israel não entende o verdadeiro significado de tais coisas. Mas a Bíblia que está no Santuário do Livro ensina que há uma guerra entre a verdade e o erro, a luz e as trevas, e que culminará no retorno de Cristo. 

É incrível e maravilhoso que as duas maiores testemunhas da autenticidade da Bíblia Massorética estão localizados no Santuário judeu do Livro no Estado moderno de Israel, porque foi para os judeus que Deus atribuiu a tarefa de preservar a Bíblia Hebraica. Em Romanos 3:1-2 Paulo chama o Antigo Testamento hebraico de "as palavras de Deus" e nos diz que estas palavras estavam confiadas aos judeus. Embora os judeus não obedecessem as Escrituras eles as reverenciavam. Josefo e Filo "nos asseguram que eles preferiam ter sido submetidos a todos os tipos de tormentos em vez de ter tirado uma carta da Escritura, ou alterar uma palavra dela" (John Kitto, Illustrated History of the Bible, editado por Alvan Bond, 1908, p . 39). Inúmeros judeus morreram em seu afã de proteger e preservar a Bíblia do Antigo Testamento. 

Essa reverência foi colocada em seus corações pelo Deus da Bíblia com a finalidade de sua preservação. Em particular, os sacerdotes judeus que foram designados como os guardiões das Escrituras (Dt 31:24-26; 17:18). 
Após o cativeiro babilônico houve um reavivamento dentro do sacerdócio judeu (Esdras 7:10) e as Escrituras do Antigo Testamento foram preservadas. "Por Esdras e seus sucessores, sob a orientação do Espírito Santo, todos os livros do Antigo Testamento foram reunidos em um cânon do Antigo Testamento, e os seus textos foram purgados de erros e preservados até os dias do ministério terreno do nosso Senhor. Por esse tempo o texto do Antigo Testamento era tão firmemente estabelecido que mesmo a rejeição dos judeus a Cristo não poderia perturbá-lo" (Edward Hills, The King James Bible Defended, 4th edition, p. 93). 

Após a destruição de Jerusalém em 70 d.C, eram os chamados Tannaim (professores), escribas judeus que guardaram as Escrituras do Antigo Testamento. Esses escribas "copiaram o texto do Antigo Testamento com grande precisão" (Edward Hills, The King James Bible Defended, 4th edition, p. 93). Os Tannains foram seguidos por outros escribas chamados Amorains (expositores). Embora tenham exaltado a tradição do homem acima da Escritura, na prática diária, veneraram muito a Escritura e a preservaram de geração em geração. (Foi nessa época que o Talmude foi produzido, o qual canonizou a tradição rabínica).

No começo do século VI, foram os Massoretas (tradicionalistas), que zelosamente guardaram o texto hebraico e o passaram de geração em geração. É a Bíblia Massorética hebraica que foi adotada pelos cristãos e utilizada nas primeiras Bíblias impressas. 
Os massoretas eram famílias de estudiosos hebreus que tinham centros na Palestina, Tiberíades e Babilônia. O tradicional texto hebraico Massorético recebe o seu nome desses estudiosos. Um dos mais famosos foi Ben Asher em Tiberíades, que "trabalhou para produzir uma cópia correta das Escrituras". Desde o século 12 em diante o texto de Ben Asher foi recebido como Bíblia Hebraica. 
Os massoretas tinham um grande cuidado na transcrição do Velho Testamento. Eles desenvolveram regras mais rigorosas para as cópias, a fim de manter o texto puro. As seguintes regras são da "General Biblical Introduction" por Herbert Miller (1937), com informação adicional de outras fontes. 
O pergaminho deve ser feito da pele de animais limpos; deve ser elaborado somente por um único judeu, e as peles devem ser presas por tiras colhidas de animais limpos.

Cada coluna não deve ter menos de 48 nem mais de 60 linhas. A cópia toda deve ser alinhada primeiro.

A tinta não deve ser de outra cor além de preto, e deve ser preparada de acordo com uma receita especial.

Nenhuma palavra ou letra pode ser escritas da memória; o escriba deve ter uma cópia autêntica diante dele, e ele deve ler e pronunciar em voz alta cada palavra antes de escrevê-la. 

Ele deve reverentemente limpar sua pena cada vez antes de escrever a palavra "Deus" (Elohim) e deve lavá-la inteira antes de escrever o nome "Jeová" para que o Santo Nome não seja contaminado.

Cada palavra e cada letra era contada, e se uma letra era omitida, ou uma extra inserida, ou se uma letra tocasse outra, essa seção do manuscrito era condenada e destruída. Um manuscrito Massorético hebraico do Gênesis contém 4.395 linhas em 43 colunas, com 27.713 palavras e 78.100 letras. 

Miller conclui com esta observação: "Algumas dessas regras podem parecer radicais e absurdas, mas mostram o quão sagrado era a Palavra de Deus do Antigo Testamento sob a sua custódia, dos judeus (Rm 3:2), e eles nos dão forte incentivo a acreditar que TEMOS O VERDADEIRO ANTIGO TESTAMENTO, O MESMO QUE O NOSSO SENHOR TINHA E QUE FOI ORIGINALMENTE DADO POR INSPIRAÇÃO DE DEUS "(General Biblical Introduction, 1937, p. 185). 


O GRANDE ROLO DE ISAÍAS 

O Grande rolo de Isaías foi encontrado em uma caverna em Qumran perto do Mar Morto, em 1947. Ele contém todo o livro de Isaías. Foi escrito em 17 pedaços de pele de carneiro costurada para formar um rolo medindo aproximadamente 7 metros de comprimento. Ele está no Santuário do Livro, e um fac-símile realista está em exibição na sala principal. Foi datado pelo menos quatro vezes pelo método do carbono 14 e os resultados têm variado de 335 a 107 a.C. Outras técnicas de datação (por exemplo, material de escrita e estilo, associação de artefatos) dataram para 150 a 100 a.C. Assim, esse rolo foi escrito pelo menos um século antes de Cristo, se não dois ou três séculos. 

Todos os livros do Antigo Testamento foram encontrados no Mar Morto, exceto o livro de Ester e sessenta a sessenta e cinco por cento dos pergaminhos que representam o texto Massorético. Isto é surpreendente, pois desde os primeiros códices hebraicos do texto massorético usados pelos estudiosos dos séculos 16 e 17 (como o Aleppo) foram escritos mais de mil anos após o Mar Morto. 

As diferenças entre os pergaminhos conservados do Mar Morto e do texto Massorético são extremamente pequenas, em grande parte pertencentes a ortografia ou gramática, a omissão ou a adição de uma palavra, ou a mistura de letras hebraicas. Por exemplo, um dos dois rolos de Isaías encontrado na gruta 1 deixa de fora um "santo" de Isaías 6:3, obviamente, um descuido dos copistas. Comparando Isaías 53 no Grande rolo de Isaías de 100 a.C e o Codex Aleppo de 900 d.C, existem apenas três letras que são diferentes. Quanto ao Grande Rolo Isaías e sua concordância com o texto massorético, o Dr. Ernst Wurthwein chama de "impressionante" e Adolfo Roitman chama de "extraordinariamente próximos" (Wurthwein, The Text of the Old Testament, 1979, p. 144; Roitman, The Bible in the Shrine of the Book, 2006, p. 43). 


O CODEX ALEPPO

A outra testemunha da grande autoridade da Bíblia em hebraico Massorético no Santuário do Livro é o Codex Aleppo (conhecido em hebraico como Ha-Keter, ou seja, a Coroa). Ele foi feito por volta de 920 d.C, em Tiberíades, que era um centro de estudos judaicos depois da destruuição de Jerusalém. Foi também um centro para a criação do Talmude, que é uma coleção de tradição judaica que foi elevado (na prática) a uma autoridade igual à das Escrituras, e que Jesus condenou fortemente em Mateus 15 e 23. 

O manuscrito Aleppo foi copiado por Shlomo Ben Boya'a, e as marcações de vogais foram adicionadas pelo renomado mestre escriba Aaron ben Asher. Durante quase mil anos "era usado como texto padrão para a correção dos livros", enquanto gerações de escribas fizeram peregrinações para consultá-lo" (Roitman, p. 62). Ele estava em uma sinagoga no Cairo, Egito, por volta de 1099 a 1375, quando foi transferido para a sinagoga em Alepo, na Síria. Aí ficou em uma caixa de metal duplo fechado na "Caverna de Elias" (de acordo com a tradição, Elias foi exilado lá). As chaves eram confiadas a dois homens proeminentes e a caixa só poderia ser aberta na presença de ambos sob a autoridade dos líderes da sinagoga. Em 2 de dezembro de 1947, após a aprovação da resolução da ONU para estabelecer um Estado judeu, a sinagoga foi destruída por furiosos muçulmanos durante as revoltas que irromperam em todo o mundo árabe. Os manifestantes invadiram a sinagoga, quebraram a caixa de ferro e rasgaram as páginas do Codex jogando-as no chão. A maior parte do Pentateuco foi perdido, assim como algumas outras partes. Alguém recuperou o Codex danificado e ele ficou escondido por muitos anos. Em 1958, foi contrabandeado para a Turquia escondido em uma máquina de lavar, e de lá trazido a Jerusalém. Foi laboriosamente restaurado ao longo de um período de seis anos pelo Museu de Israel, e hoje está em exposição no Santuário do Livro. 

Estudiosos admitem agora que o texto Massorético foi a Bíblia Hebraica padrão no fim do período do Segundo Templo. Isso foi comprovado não só pelo Mar Morto, mas também por pergaminhos encontrados em Massada, Murabba'at Wadi, Nahal Hever e Tze'elim Nahal. Adolfo Roitman, diz que o texto Massorético "aparentemente tornou-se o texto oficial para a corrente principal do judaísmo no final do período do Segundo Templo" (The Bible and the Shrine of the Book, p. 56).

À luz de Romanos 3:1-2, isso é um reconhecimento importante! Eruditos liberais veem o texto Massorético e as concorrentes Septuaginta e textos samaritanos como representando textos igualmente legítimos. Eles acreditam que é apenas porque os rabinos proibiram estes que o texto massorético prevaleceu. Eles veem isso como um acidente da história. Por exemplo, Geza Vermes diz: 

"[A existência de ambos os textos Massorético e Septuaginta nos rolos do Mar Morto] sugere que os textos hebraicos da época de Qumran correspondam ao samaritano e as antigas versões do grego divulgadas conjuntamente; assim, reforçam a teoria de que o proto-Massorético, Samaritano e Septuaginta - formas de texto em hebraico, co-existiram harmoniosamente antes da censura rabínica eliminar as duas últimas em torno de 100 d.C "(The Story of the Scrolls, p. 106). 

Isso é quase exatamente o que os estudiosos liberais do Novo Testamento acreditam sobre o texto grego de Alexandria. Eles acham que o Texto Tradicional Grego das Bíblias protestantes prevaleceu somente porque foi proclamado oficial pelos concílios e lançado pelas autoridades da Igreja. Eles sustentam esta opinião porque não acreditam que o Antigo e o Novo Testamentos foram dados por inspiração divina e preservados pelo mesmo Deus que é o autor deles. A Bíblia para eles é um produto puramente humano, e estudam apenas considerando o elemento humano. 

Mas, à luz da declaração de Paulo em Romanos 3:1-2 e das muitas promessas na Bíblia que Deus iria preservar a Sua Palavra, sabemos que Deus estava supervisionando a transmissão do Antigo Testamento, e guiou os rabinos judeus, mesmo em sua incredulidade e cegueira espiritual, para preservar a Bíblia Massorética. 

As autoridades judaicas que atuam no Santuário do Livro, acreditam que a exposição do Codex Aleppo é o cumprimento de Isaías 2:3: "porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do SENHOR." ("The Wandering Book: The Aleppo Codex,"http://www.english.imjnet.org.il/htmls/article_450.aspx?c0=13806&bsp=13246&bss=13806&bscp=12940, viewed May 5, 2010). 

Na verdade, essa grande profecia será cumprida no retorno de Cristo, quando "nos últimos dias que se firmará o monte da casa do SENHOR no cume dos montes, e se elevará por cima dos outeiros; e concorrerão a ele todas as nações." (Isaías 2:2). É óbvio que isto não se refere aos nossos dias, quando Israel é uma das mais desprezadas nações da face da terra!

Tanto o Grande Rolo de Isaías quanto o Codex Aleppo foram digitalizados e estão disponíveis no site do Museu de Israel web:http://www.imj.org.il/shrine_center/

Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira
Fonte: The Way of Life
http://www.discernimentobiblico.net/PROVAS%20NO%20SANTU%C1RIO%20DO%20LIVRO.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário