quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Andressa Urach revela que viu espíritos da morte querendo levar sua alma em hospital



Andressa Urach revela que viu espíritos da morte querendo levar sua alma em hospital



PUBLICADO POR André Moura Repórter



Ela se aproximou da morte e renasceu. Depois de passar 25 dias internada por conta de uma inflamação causada pelo uso de hidrogel nas coxas e com isso apresentar um quadro de sepse, Andressa Urach parece ter tirado lições do que sofreu.

Usando um vestido longo - novo estilo de roupa adotado por ela desde que começaram os incômodos nas pernas em junho - e se apresentando serena, Andressa mencionou as palavras Deus e renascimento várias vezes. À mãe, Marisete De Faveri , ela agradece a árdua luta para mantê-la viva. Nos 25 dias que passou internada na UTI do Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre, ela conta que a morte passou perto dela e que foi graças à fé materna e à necessidade de se manter viva para cuidar do filho, Arthur, de 9 anos, que Andressa foi e voltou.

Durante a entrevista, Andressa revelou detalhes de parte do drama que viveu no hospital. Com a sepse, seus rins pararam de funcionar e ela viu seu corpo inchado, com quase 150 quilos. Na maca, era assombrada por vultos negros que gritavam e a envolviam.

Urach aponta o seu passado pecaminoso, como avalia, o responsável por tudo o que sofreu nesses últimos meses. Além do excesso de vaidade, que a levou às consequências desastrosas do presente, Andressa revelou que durante cinco anos contou com o trabalho de uma senhora para obter fama e dinheiro.Seguindo as orientações da mulher, ela diz que travava pactos com orixás e uma pombagira para conquistar luxo, riqueza e a tão almejada fama.

Andressa acredita que tenha quase gastado o valor de um apartamento nesses trabalhos de magia para, segundo ela, conseguir o que queria e afastar pessoas indesejáveis que poderiam prejudicar sua ascensão.

“Também fiz muito sexo por interesse, nunca por amor. Sempre me envolvi com homens de bom poder aquisitivo, comprometidos, casados, para conseguir deles boas viagens e bons jantares. Não tenho vergonha de contar, porque isso faz parte do meu passado.” Em franca recuperação e disposta a escrever uma nova história para si, ela pretende voltar à bancada do programa que apresenta, o “Muito show”, na Rede TV, no dia 9 de fevereiro. No carnaval quer estar no sambódromo paulistano para comandar de lá os desfiles para a Rede TV: “Amo o meu trabalho!”.

Fantasmas da morte

“No hospital vi espíritos da morte querendo levar a minha alma. Eram a alma da morte. Eles me rondavam porque queriam a minha alma de qualquer jeito. Isso tudo porque eu não agradeci a Deus. Foi a fé da minha mãe, que foi um elo com Deus, que fez com que as almas fossem embora. Eu estava perturbada. Eram almas feito nuvens escuras. Me davam um sentimento de medo e faziam barulhos assustadores como espíritos sofredores. Pareciam vultos escuros como se fossem fumaças. O vulto mais forte deles era um bem escuro que passava dentro do meu corpo. Pedi para suspenderem a morfina porque eles achavam que era ela que me fazia delirar. Mas eu acredito nessa coisa de espírito e achava que a substância me deixava entre esses dois mundos. Minha mãe chamou pastores que rezaram por mim. Os médicos retiraram a morfina e as visões pararam.”

Pecados

“Não cometi pecados de matar, de roubar, mas pecados de excesso de vaidade, de arrogância. Era arrogante talvez em função da vida difícil que tive. Ignorada pelo meu pai, abusada sexualmente dos 2 aos 8 anos pelo marido da mulher maravilhosa que me criou, uma professora de português, fui ficando com o coração mais frio. Também passei por cima de algumas pessoas e também expus muito a minha vida, o meu corpo... No hospital passou todo esse filme na minha cabeça, mas Deus conhecia o meu coração. Sabia que maldade eu jamais tinha feito e eu clamei pela vida do meu filho. Ele é o ser humano mais importante para mim, foi o amor dele que me salvou e me fez voltar para a terra. Tenho certeza disso.”

Pacto com entidades espirituais

“Tinha consulta com uma senhora que comandava um centro. Não chegou a ser magia negra, não sei explicar muito bem. Eu não chegava a frequentar um centro, mas tinha a sua ajuda. Ela me dava banhos de perfume, de sal para me limpar. Pedia para os orixás tudo que queria: o sucesso, o bom carro, o apartamento, consegui tudo. Eu paguei muito caro por isso. A promessa que fiz com a minha pompagira na época foi que, para cada R$ 1 mil que eu ganhasse, eu daria uma champanhe a ela. Fora os R$ 5 mil da festa de final de ano do centro espírita que eu também dava. Para celebrar os trabalhos que conquistava na televisão, doava R$ 3 mil. Também fiz mal para algumas pessoas, fazendo trabalhos para elas se afastarem de mim. A senhora que comandava o centro dizia o nome da pessoa, e eu fazia o trabalho para mantê-la longe.”

Sexo por interesse

“Conquistei tudo o que eu quis, mas fui infeliz na vida amorosa. Os homens que se aproximavam de mim ou eram homens casados, ou comprometidos. Eu queria um amor de verdade. Sempre busquei isso, mas sabia que pelo fato de explorar demais esse lado sensual de bumbum, nenhum homem me aceitava. Eu sabia que esse era o preço que eu tinha a pagar por trabalhar na televisão. Só me envolvia com homens com bom poder aquisitivo. Sempre tive preconceito com homem que não tinha dinheiro. Sempre quis homens que me proporcionassem bons jantares, boas viagens, e isso é um pensamento triste. Não buscava o sentimento da pessoa e, sim, o que ela poderia me oferecer. Me envolvia com os homens por interesse. Não tenho vergonha de contar porque isso faz parte do meu passado.”

Shows eróticos

“Fiz striptease por cachês muito bons. Fiz, sim. Mas ali eu te digo: não foi pecado porque não estava vendendo meu corpo para o sexo. Era um show que famosas como Gretchen fazem. Eu era uma profissional que foi contratada pra ficar seminua e dançar. Foi um trabalho. Não era uma prostituição. Nunca dormi com um homem e ele me deu dinheiro depois. Hoje as prioridades são outras. A gente não pode mudar o nosso passado, mas pode mudar o nosso futuro. Agora as pessoas vão me ver pelas minhas atitudes.”

Vida nova

“Está mudando tudo! Minha forma de viver, de pensar, de me alimentar (voz emocionada)... Tanto fisicamente quanto espiritualmente. Isso se deu a partir do momento que me vi diante da morte. Sei que sou um milagre de Deus, a experiência que vivi com Deus só eu sei. Ele é vivo, Ele existe.”

Fotos de dentro do hospital

“Sei quem as tirou. Foram parentes. Como vou punir um parente? Isso me deixou muito mal. Chorei durante três dias. Eu pedi para eles tirarem as fotos para eu guardar o processo da minha evolução clínica. Jamais venderia essas imagens para ganhar dinheiro, vaidosa do jeito que sou.”

Pai

“Quando nasci meu pai me ignorou. Aos 11 anos, pedi a minha mãe para conhecê-lo. Ficamos dez minutos juntos, ele estava no matagal de sua cidade caçando quando fomos apresentados. Com 14, pedi para ir morar com ele e convivi em sua casa por três meses. Eu o vi novamente quando meu filho nasceu, quando eu tinha 17 anos. Fui com meu marido até sua cidade para apresentá-lo ao neto. Depois disso, fiquei dez anos sem vê-lo. Ele nunca me procurou! No hospital, ao chegar para me visitar, disse que faria um escândalo se não pudesse me ver. Entrou no quarto e ficou dez minutos comigo. Depois contou tudo o que viu para uma emissora de TV que o levou até lá. Ele me magoou muito.”

Cicatrizes nas pernas

“Vou deixá-las lá, como estão. Tomei medo de cirurgia. Pensei em fazer tatuagem para escondê-las, mas elas não estão me incomodando diante de tudo que passei. Nem estava usando mais roupa curta porque há um ano mudei meu estilo de roupa, usava saias mais longas. Pode ser que de repente eu até coloque um shortinho jeans e mostre as minhas cicatrizes para todo mundo ver. Elas são as marcas da minha vitória. Não existe um guerreiro que não tenha cicatrizes.”




http://www.meionorte.com/entretenimento/famosos/andressa-urach-revela-que-viu-espiritos-da-morte-querendo-levar-sua-alma-em-hospital-264761


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

COMO FORMAR LIDERANÇAS EFICAZES.

COMO FORMAR LIDERANÇAS EFICAZES.

"Timóteo, o que de mim ouviste de muitas testemunhas, transmite-o a homens fiéis, que sejam idôneos (capazes) para também ensinarem os outros." 2 Timóteo 2:2

- Paulo não se preocupava em discipular as multidões. Sua preocupação era transmitir seus conhecimentos e unção a um pequeno grupo. Ensinamento teórico e prático. Na cidade de Éfeso usou a sala de um filósofo na qual cabiam cerca de 12 pessoas. Esses discípulos deveriam fazer o mesmo com algumas pessoas e assim por diante.

- Para ter-se uma noção da eficácia desse método vamos ver o apóstolo através de seu trabalho e de seus discípulos alcançando em menos de três anos todas as cidades da Ásia Menor. Sete delas citadas como as Sete Igrejas do Apocalipse. 

- Paulo passa essa instrução a Timóteo, seu filho na fé, para que também o imitasse. Temos essa instrução no verso acima e dessa forma como conselho aos nossos pastores e lideranças da Igreja de hoje também. 

- Na prática nenhum pastor consegue pastorear a contento mais do que vinte pessoas. Nem Cristo ou Paulo o fez. E se eles não o fizeram qual o porquê de tantos não seguirem o exemplo do Mestre e do apóstolo?

Ivo Gomes do Prado.

10 mitos sobre a crise hídrica

10 mitos sobre a crise hídrica

seca
Gostaria de desmistificar alguns pontos sobre a crise hídrica em SP, assunto que tangencia minhas pesquisas acadêmicas.
1- “Não choveu e por isso está faltando água”. Essa conclusão é cientificamente problemática. Existem períodos chuvosos e de estiagem, descritos estatisticamente. É natural que isso ocorra. A base de dados de São Paulo possibilita análises precisas desde o século XIX e projeções anteriores a partir de cálculos matemáticos. Um sistema de abastecimento eficiente precisa ser projetado seguindo essas previsões (ex: estiagens que ocorram a cada cem anos).
2- “É por causa do aquecimento global”. Existem poucos estudos verdadeiramente confiáveis em São Paulo. De qualquer forma, o problema aqui parece ser de escala de grandeza. A não ser que estejamos realmente vivendo uma catástrofe global repentina (que não parece ser o caso esse ano), a mudança nos padrões de chuva não atingem porcentagens tão grandes capazes de secar vários reservatórios de um ano para o outro. Mais estudadas são as mudanças climáticas locais por causa de ocupação urbana desordenada. Isso é concreto e pode trazer mudanças radicais. Aqui o problema é outro: as represas do sistema Cantareira estão longe demais do núcleo urbano adensado de SP para sentir efeitos como de ilha de calor. A escala do território é muito maior.
3- “Não choveu nas Represas”. Isso é uma simplificação grosseira. O volume do reservatório depende de vários fluxos, incluindo a chuva sobre o espelho d’água das represas. A chuva em regiões de cabeceira, por exemplo, pode recarregar o lençol freático e assim aumentar o volume de água dos rios. O processo é muito mais complexo.
4- “As próximas chuvas farão que o sistema volte ao normal”. Isso já é mais difícil de prever, mas tudo indica que a recuperação pode levar décadas. Como sabemos, quando o fundo do lago fica exposto (e seco), ele se torna permeável. Assim a água que voltar atingir esses lugares percola (infiltra) para o lençol freático, antes de criar uma camada impermeável. Se eu fosse usar minha intuição e conhecimento, diria que São Paulo tem duas opções a curto-médio prazo: (a) usar fontes alternativas de abastecimento antes que possa voltar a contar com as represas; (b) ter uma redução drástica em sua economia para que haja diminuição de consumo (há relação direta entre movimento econômico e consumo de água).
5- “Não existe outras fontes de abastecimento que não as represas atuais”. Essa afirmação é duplamente mentirosa. Primeiro porque sempre se pode construir represas em lugares mais e mais distantes (sobretudo em um país com esse recurso abundante como o Brasil) e transportar a água por bombeamento. O problema parece ser de ordem econômica já como o custo da água bombeada de longe sairia muito caro. Outra mentira é que não podemos usar água subterrânea. Não consigo entender o impedimento técnico disso. O Estado de São Paulo tem ampla reserva de água subterrânea (como o chamado aquífero Guarani), de onde é possível tirar água, sobretudo em momentos de crise. Novamente, o problema é custo de trazer essa água de longe que afetaria os lucros da Sabesp.
6- “O aquífero Guaraní é um reservatório subterrâneo”. A ideia de que o aquífero é um bolsão d’água, como um vazio preenchido pelo líquido, é ridiculamente equivocada. Não existe bolsão, em nenhum lugar no mundo. O aquífero é simplesmente água subterrânea diluída no solo. O aquífero Guaraní, nem é mesmo um só, mas descontínuo. Como uma camada profunda do lençol freático. Em todo caso, países como a Holanda acham o uso dessas águas tão bom que parte da produção superficial (reservatórios etc) é reinserida no solo e retirada novamente (!). Isso porque as propriedades químicas do líquido são, potencialmente, excelentes.
7- “Precisamos economizar água”. Outra simplificação. Os grandes consumidores (indústrias ou grandes estabelecimentos, por exemplo) e a perda de água por falta de manutenção do sistema representam os maiores gastos. Infelizmente os números oficiais parecem camuflados. A seguinte conta nunca fecha: consumo total = esgoto total + perda + água gasta em irrigação. Estima-se que as perdas estejam entre 30% e 40%. Ou seja, essa quantidade vaza na tubulação antes de atingir os consumidores. Água tratada e perdida. Para usar novamente o exemplo Holandês (que estudei), lá essas perdas são virtualmente 0%. Os índices elevados não são normais e são resultados de décadas de maximização de lucros da Sabesp ao custo de uma manutenção precária da rede.
8- “Não há racionamento”. O governo está fazendo a mídia e a população de boba. Em lugares pobres o racionamento já acontece há meses, dia sim, dia não (ou mesmo todo dia). É interessante notar que, historicamente, as populações pobres são as que sempre sentem mais esses efeitos (cito, por exemplo, as constantes interrupções no fornecimento de água no começo do século XX nos bairros operários das várzeas, como o Pari). A história se repete.
9- “É necessário implantar o racionamento”. Essa afirmação é bem perigosa porque coloca vidas em risco. Já como praticamente todas as construções na cidade têm grandes caixas d’água, o racionamento apenas ataca o problema das perdas da rede (vazamentos). É tudo que a Sabesp quer: em momentos de crise fazer racionamento e reduzir as perdas; sem diminuição de consumo, sem aumentar o controle de vazamentos. O custo disso? A saúde pública. A mesma trinca por onde a água vaza, se não houver pressão dentro do cano, se transformará em um ponto de entrada de poluentes do lençol freático nojento da cidade. Estaremos bebendo, sem saber água poluída, porque a poluição entrou pela rede urbana. Por isso que agências de saúde internacionais exigem pressão mínima dentro dos canos de abastecimento.
10- “Precisamos confiar na Sabesp nesse momento”. A Sabesp é gerida para maximizar lucros dos acionistas. Não está preocupada, em essência, em entregar um serviço de qualidade (exemplos são vários: a negligência no saneamento que polui o Rio Tietê, o uso de tecnologia obsoleta de tratamento de água com doses cavalares de cloro e, além, da crise no abastecimento decorrente dos pequenos investimentos no aumento do sistema de captação). A Sabesp é apenas herdeira de um sistema que já teve várias outras concessionárias: Cantareira Águas e Esgotos, RAE, SAEC etc. A empresa tem hoje uma concessão de abastecimento e saneamento. Acredito que é o momento de discutir a cassação dessa outorga, uma vez que as obrigações não foram cumpridas. Além, é claro, de uma nova administração no Governo do Estado, ao menos preocupada em entregar serviços público e não lucros para meia dúzia apenas.
Enfim, se eu pudesse resumir minhas conclusões: a crise no abastecimento não é natural, mas sim resultado de uma gestão voltada para a maximização de lucros da concessionária e de um Governo incompetente. Simples assim, ou talvez, infelizmente, nem tanto.
Gabriel Kogan é arquiteto e jornalista, formado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP; desenvolveu mestrado em Gerenciamento Hídrico no UNESCO-IHE (Holanda), onde pesquisou as origens históricas das enchentes em São Paulo.
http://cosmopista.com/2014/10/14/10-mitos-sobre-a-crise-hidrica/

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

OS EVANGÉLICOS SÃO MAIS CATÓLICOS DO QUE ELES IMAGINAM TODOS OS CRISTÃOS SE BASEIAM NA TRADIÇÃO E NÃO APENAS NA BÍBLIA

OS EVANGÉLICOS SÃO MAIS CATÓLICOS DO QUE ELES IMAGINAM TODOS OS CRISTÃOS SE BASEIAM NA TRADIÇÃO E NÃO APENAS NA BÍBLIA

topic
A tradição é importante.
Como declaração sobre as bases da doutrina da Igreja, este comentário pode não soar muito surpreendente. Aliás, ele é bastante óbvio para os fiéis católicos e ortodoxos. Mas ele também evoca um grande paradoxo que existe no pensamento de uma numerosa e influente parcela dos cristãos do mundo inteiro: os evangélicos. Por mais surpresos e até chocados que eles possam ficar ao ouvir ou ler isto, o fato é que os evangélicos são muito mais católicos do que eles imaginam.
Os evangélicos se orgulham do alicerçar a sua fé somente na Bíblia. Este, afinal, é o núcleo da doutrina da “sola scriptura”, proposta pela reforma protestante. Se você acompanhar um debate evangélico, verá que esta questão não demora quase nada para surgir: “Onde é que esta afirmação consta na Bíblia? Indique o capítulo e o versículo”.
E aí é que está o problema. Os evangélicos acreditam de modo irrenunciável em doutrinas centrais da fé que não podem se basear simplesmente na escritura, pois se desenvolveram na tradição da Igreja. Depois de formulada uma crença, caso se queira, é possível pinçar versículos bíblicos para ampará-la, mas nunca se chegaria a essas posições doutrinárias por meio das escrituras sozinhas.
O exemplo mais óbvio é a própria Trindade, que os evangélicos consideram uma crença fundamental para qualquer cristão. No entanto, ela não aparece explicitamente na Bíblia. A sua única base bíblica é aquilo que ficou conhecido como “os parênteses joaninos”, uma menção abertamente trinitária feita em 1 Jo 5, 7-8, passagem consagrada no texto da Bíblia do rei James, de 1611. Mas os estudiosos sabem há séculos que aquelas palavras foram inseridas muito tardiamente no texto original. Nenhum escritor sério as cita hoje como autênticas.
Deixar esses parênteses de lado não gera dificuldade alguma para quem acredita na Trindade, que é uma doutrina muito arraigada na tradição da Igreja. A doutrina foi abraçada pelos cristãos no segundo século, em especial por padres apostólicos como Inácio e Justino Mártir. Falar de tradição da Igreja não significa, é claro, que tais figuras inventaram doutrinas para satisfazer os seus próprios propósitos obscuros. Ao contrário, como os teólogos católicos e ortodoxos sempre destacaram, a Igreja foi e é guiada pelo Espírito Santo. Sem essa crença no poder da tradição contínua, porém, como é que se poderia justificar a própria doutrina da Trindade?
Sem tradição da Igreja, sem Trindade.
Também é fundamental para os evangélicos a crença na encarnação de Cristo. O Novo Testamento nos permite formar ideias, é claro, sobre a divindade de Cristo e sobre o fato de Ele ter se tornado homem. No entanto, basear-se nesses textos bíblicos deu aos primeiros crentes uma enorme margem de manobra no tocante ao entendimento de qual seria a relação entre o humano e o divino. Cristo era literalmente Deus caminhando sobre a terra em forma humana? Ou será que a divindade “desceu” sobre Jesus em algum momento da sua vida terrena, presumivelmente no batismo, para depois abandoná-lo na hora da crucificação? Os cristãos discutiram sobre essas doutrinas complexas ao longo de séculos e só as estabeleceram no Concílio de Calcedônia, no ano de 451. Em outras palavras, trata-se uma doutrina definida por meio do debate no seio da Igreja, com base na escritura e na tradição, sob a orientação do Espírito Santo.
Sem tradição da Igreja, sem doutrina da Encarnação.
Os protestantes sempre tiveram a Igreja primitiva em alta estima. Ilustres estudiosos evangélicos publicaram obras sobre os primeiros padres. Em língua inglesa, por exemplo, a editora evangélica IVP apresentou uma série maravilhosa de volumes sob o título “Ancient Christian Commentary on Scripture” [“Comentários do cristianismo primitivo sobre as escrituras”]. Dito isso, os evangélicos ainda rejeitam o uso da sabedoria da Igreja dos primeiros séculos para estabelecer a doutrina.
http://www.aleteia.org/pt/religiao/artigo/os-evangelicos-sao-mais-catolicos-do-que-eles-imaginam-5805606808059904

sábado, 24 de janeiro de 2015

PASTORES DORMINDO OU ACORDADOS?

"Havia, naquela mesma região, pastores que viviam nos campos e guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite. E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor. O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo." Lucas 2.8-10 

Naquela região, com certeza havia muitos pastores, mas nem todos receberam as boas-novas. E por que não receberam? Estavam dormindo! 

Quantos hoje recebem um título de pastor, mas suas igrejas estão vazias, frias e mortas espiritualmente? 

Por que em algumas igrejas o povo é cheio do Espírito Santo e forte e em outras o povo é débil e emotivo? Por que em algumas igrejas o povo é cheio de FÉ e em outras o povo é cheio de dúvidas e fraco? 

A pergunta é: aonde está o pastor dessa igreja? Os pastores que receberam as boas-novas estavam acordados na madrugada, cuidando de suas ovelhas! 

O anjo somente pode trazer as boas-novas para os pastores que estão de vigília, acordados, cuidando de suas ovelhas, dando o seu melhor. O anjo veio sobre eles e a glória de Deus veio sobre todo o povo! 

Os pastores que estavam dormindo não receberam e não viram nada.

Enviado pelo Pastor Daniel dos Santos

Neurocirurgião escreve livro sobre sua experiência de quase morte e garante: o Paraíso existe


Neurocirurgião escreve livro sobre sua experiência de quase morte e garante: o Paraíso existe

Caso vem chamando atenção da imprensa mundial: professor de Harvard ficou em coma e diz que, mesmo com o cérebro desligado e quase sem chances de sobrevivência, passou esse tempo em um reino espiritual

por Redação Galileu
Editora Globo
Eben diz que, no Paraíso, não existe o conceito de braços, pernas, ver, ouvir: tudo está entrelaçado e acontece ao mesmo tempo //Crédito: Reprodução
Um neurocirurgião professor de Harvard é o tipo de pessoa que se leva a sério. Não precisa concordar e nem acreditar, mas, se você tem juízo, vai ouvir o que ele tem pra falar. Pois é. O Dr. Eben Alexander tem muito que falar e quer que todo mundo ouça. Ele quer que a ciência entenda que o Paraíso existe. Mas ele é um acadêmico de Harvard, ele não brinca em serviço, ele merece crédito. Ele não acha que o Paraíso existe porque quer atenção, ele sabe que o Paraíso existe porque viveu uma semana lá.

Tudo começou quando Eben acordou com dor de cabeça em uma manhã de 2008. Não suportando a dor, foi levado ao hospital. Chegando lá, foi diagnosticado com um surto de meningite bacteriana –algo muito raro e que costuma atingir apenas recém-nascidos. A bactéria havia entrado em seu fluido cérebro-espinhal. A dor que ele sentia era da bactéria comendo seu cérebro e do seu córtex sendo desligado.

Eben chegou ao hospital com poucas chances de ter alguma sobrevivência que fosse além do estado vegetativo. Com o passar do tempo, essa estatística caiu pra praticamente zero. Uma semana depois, quando os médicos já debatiam se continuavam ou interrompiam o tratamento, ele abriu os olhos. Totalmente consciente e com uma certeza: passara os últimos dias no Paraíso.

A descrição do neurocirurgião é tão rica, tão cheia de detalhes que realmente leva a crer que ele não está inventando nada disso. Tanto que ele foi capa da revista americana Newsweek e está lançando um livro, que chega às lojas americanas dia 23 de outubro. Um acadêmico sério, um professor com respeitada carreira em Harvard, um médico especialista em cérebro...qualquer uma dessas pessoas falando de coisas como experiência pós-morte e reino espiritual chamaria atenção. Um ser humano que reúne as 3 características se importar em escrever um livro inteiro sobre o tema é suficiente para fazer o mundo virar a cabeça lentamente e se perguntar “Será que...?”

Se você já leu algum relato de viagem de ácido ou cogumelos, vai achar o Paraíso um lugar familiar. Eben diz que estava em cima de nuvens rosadas que contrastavam com um céu azul escuro. Acima dele, seres transparentes (nem anjos, nem pássaros, uma forma superior, segundo ele) cruzavam o céu. Ele sentia como se estivesse naquele lugar há muito tempo e não tinha nenhuma memória de sua vida aqui na Terra. A sinestesia imperava: sons são sentidos pela pele “como uma chuva que você sente mas não te molha”. O médico ficou o tempo todo acompanhado de uma mulher de olhos azuis que não falava nada, e nem precisava: “Se ela te olhasse daquele jeito por 5 segundos, sua vida inteira até aquele momento já teria valido a pena.” As cores de tudo à sua volta tinham um aspecto “avassalador e super vívido” – ele ficou um tempo com a mulher em cima de uma asa de borboleta, enquanto outras incontáveis borboletas voavam em volta deles.

O olhar arrebatador da mulher não era de amizade, nem de sedução ou amor: era algo muito além, muito acima e inédito para olhos mundanos – expressão bastante recorrente em seu relato. Sem falar nada, ela disse pra ele:

- “Você é amado e querido para sempre”

- “Você não tem nada para temer”

- “Não tem nada que você pode fazer de errado” 


E depois ainda emendou “Iremos mostrar muita coisa pra você aqui. Mas, eventualmente você vai voltar”. Tudo isso apenas olhando para Eben, que se perguntava “Voltar praonde?”. As respostas para suas perguntas existencialistas vinham “como uma explosão de cor, luz, amor e beleza que explodia em mim como uma onda quebrando”.

No final do seu relato, Eben deixa claro que sua estada no paraíso lhe pareceu mais real do que qualquer outra coisa que tenha acontecido com ele durante sua vida – casamento e nascimento de filhos incluso. Evidente que o relato de Eben não está acima de qualquer suspeita, mesmo que ele tenha passado por tudo isso, não há como garantir que esse lugar é real: todos nó sabemos quanto um sonho pode parecer real, mais até que a própria realidade, em alguns momentos. A diferença é que estamos falando de alguém que sempre teve todos os motivos do mundo para ser cético. É a ciência, mais uma vez, se confrontando com as imprecisões da mente  e da alma humana. Via Daily Mail
http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI321174-17770,00-NEUROCIRURGIAO+ESCREVE+LIVRO+SOBRE+SUA+EXPERIENCIA+DE+QUASE+MORTE+E+GARANTE.html

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

A Grande Mesquita de Paris e os judeus na II Guerra Mundial

A Grande Mesquita de Paris e os judeus na II Guerra Mundial


A Grande Mesquita de Paris, inaugurada em 1926, é considerada o mais belo templo islâmico da Europa. Sua construção foi o reconhecimento do governo francês aos muçulmanos do norte da África que lutaram na I Guerra Mundial sob a bandeira tricolor. A sua abertura foi um evento de grande solenidade, com a presença do Presidente Gaston Doumergue e do santo sufi Ahmad al-Alawi, que liderou as primeiras orações. Contudo, ignorado durante décadas foi o papel que a Mesquita exerceu na administração de Si Kaddour Benghabrit, durante a II Guerra Mundial, salvando milhares de judeus perseguidos e dando refúgio aos membros da resistência antinazista.


Com a tomada de Paris pelo exército alemão em 1940 todos os judeus que habitavam a capital francesa estavam expostos ao perigo. Uma parcela considerável da comunidade judaica era de israelitas orientais (mizrahim), que emigraram, juntamente com os seus conterrâneos de fé islâmica, buscando melhores condições de vida. Culturalmente não se diferenciavam muito dos muçulmanos; compartiam da mesma língua árabe e tinham traços étnicos similares. Ademais, com o incremento das lutas de resistência e anticolonialistas, o fator de unificação não estava na fé, mas na nacionalidade. Antes do islamismo ou do judaísmo estava o ser marroquino ou argelino.

Si Kaddour Benghabrit, responsável pela Grande Mesquita de Paris, exerceu um papel fundamental. Procurado pelos nazistas, que se interessavam em captar a comunidade muçulmana e usá-la como instrumento antissemita, o religioso publicamente mostrava interesse na construção de uma aliança com os alemães. Entretanto, escondidos nos túneis da mesquita parisiense estavam centenas de famílias judaicas e diversos militantes da resistência. Benghabrit forjava documentos para atestar que os judeus vindos do norte da África eram membros da comunidade muçulmana. Acredita-se que cerca de dois mil israelitas foram salvos graças às ações do líder islâmico. O número é impreciso principalmente porque grande parte desse capítulo da II Guerra Mundial só foi descoberto após a sua morte.

http://www.islamidades.com/2014/11/a-grande-mesquita-de-paris-e-os-judeus.html?m=1
 
Veja esse vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=t8kQuom7SMQ



 

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

“Igreja Sem Paredes” ensina cristãos a orar nas ruas

“Igreja Sem Paredes” ensina cristãos a orar nas ruas

Igreja Vida Real oferece alimentos e oração a população de rua
por Jarbas Aragão

“Igreja Sem Paredes” ensina cristãos a orar nas ruas"Igreja Sem Paredes" ensina cristãos a orar nas ruas
Dois anos atrás, os pastores Reggie e Ibelsa Stutzman, da Real Life Church (Igreja Vida Real), localizada no bairro no sul do Bronx, em Nova York, viram muçulmanos orando publicamente. Isso mexeu com eles. Como é costume em países muçulmanos, quando chega a hora de uma das suas orações diárias, os fiéis islâmicos param suas atividades e no lugar onde estão, ajoelham e passam a declamar a oração em árabe, fazendo movimentos pré-determinados por sua religião.
Eles contam que sentiram-se cobrados por Deus a manifestar publicamente a sua fé cristã. Em 2013, organizaram um evento de oração no Bronx, bairro conhecido por sua violência urbana. Cerca de 300 pessoas se ajoelharam na rua por uma hora, intercedendo pelos moradores da região. Repetiram o evento em outubro de 2014, com 200 pessoas. Para eles, não há dúvidas do efeito disso no mundo espiritual.
“As pessoas que passavam sentiram o Espírito Santo e alguns aceitaram a Cristo como Salvador”, lembra Ibelsa.
O casal pastoral é conhecido pelo ministério que chamam de “Igreja Sem Paredes”, pois reúnem os cerca de 50 participantes da Real Life Church por vezes no Centro de Recreação de Hunts Point. Outras vezes, fazem cultos ao ar livre, como os eventos em prédios da região, normalmente malcheirosos, cobertos de pichações e que servem como ponto para venda de drogas e sede das gangues.
Eles se reúnem na frente desses prédios, fazem um período de oração, cantam hinos e depois oferecem aos moradores refeições quentes e se dispõem a ajudá-los a fazer consertos nos apartamentos. Já chegaram a distribuir 500 refeições num único dia.
Em dezembro de 2014, distribuíram roupas e 200 caixas de sapatos contendo brinquedos e doces para as crianças. “Deus está trazendo luz para as trevas”, diz Reggie. “Durante um desses cultos, 21 moradores do prédio aceitaram ao Senhor.”
Entre as outras ações da igreja está visitar prostitutas nas ruas, levando uma palavra de conforto. “Eu vejo a desesperança em seus olhos e quero dar-lhes a esperança de Cristo”, diz Ibelsa. “Eu digo que elas não estão sozinhas e que o Senhor quer encontrá-las onde elas estão.”
Esse tem sido o lema da igreja. “Nós mostramos o evangelho e vamos até onde as pessoas estão”, diz o pastor Reggie. Antes de iniciar esse trabalho com a Real Life, Reggie já era conhecido e respeitado nas ruas do Bronx por causa do trabalho que fez com a Missão Evangélica Bowery por mais uma década.
“Deus colocou um amor por esta cidade no meu coração e aprendi a amar as pessoas que vivem em meio a bagunça”, diz ele. E a “bagunça” é grande. Seu bairro possui um dos mais altos índices de criminalidade, pobreza e desemprego dentre as maiores cidades dos EUA.
Nos últimos três anos, a Real Life recebeu equipes de voluntários de outras igrejas, que os ajudaram a realizar Escolas Bíblicas de Férias. A cada edição cerca de 500 crianças foram alcançadas. Desde o início desse trabalho missionário, batizaram cerca de 60 pessoas.
Seu próximo plano é a aquisição de um local de culto permanente. No momento, a igreja está orando pela compra de um antigo clube de strip tease. O valor é US$ 1 milhão. Os Stutzmans estão esperando por mais este milagre. Com informações de PE News
http://noticias.gospelprime.com.br/igreja-sem-paredes-cristaos-orar/

sábado, 10 de janeiro de 2015

Língua que Jesus falava não morreu

Língua que Jesus falava não morreu

Aramaico é mais que uma língua, é uma etnia em Israel
por Jarbas Aragão

Nas colinas da Galileia, onde Jesus andou e pregou dois mil anos atrás, existem ainda centenas de pessoas que falam aramaico, chamada por eles de “a língua de Cristo”. Em Israel, o aramaico mais que uma língua é uma identidade étnica. Falado por muitos árabes cristãos, eles lutam pelo reconhecimento de sua identidade cultural.
O governo de Israel recentemente reconheceu seu direito de mudarem seus registros de “árabe” para “aramaico”. Para os beneficiados é um sinal de tolerância étnica, num país que enfrenta tantos problemas desse tipo como Israel. De acordo com o departamento de estatísticas do governo israelense, cerca de 83% dos árabes israelenses são muçulmanos e 8% cristãos. O restante são drusos.
Shadi Khalloul, um ex-capitão do exército israelense, dirige a Sociedade Aramaica de Israel, que lutou anos por essa mudança. Seu filho de dois anos de idade, Yacov, foi o primeiro em Israel a ser registrado como o aramaico, após a lei promulgada em setembro. “É uma questão espiritual, me sinto igual entre iguais, que não sou menos do que eles, judeus, árabes, circassianos, drusos… meus antepassados ​​ficaria orgulhoso”, comemora.
Todos que pedem o reconhecimento hoje são residentes da aldeia de Jish e pertencem à Igreja Cristã Maronita. Sua língua litúrgica há milhares de anos é o aramaico. A pequena Jish tem três mil habitantes, mas muitos árabes estão contrariados. “Eles têm vergonha de sua etnia”, disse Marvat Marun, 39. “Eu sou árabe, um árabe cristão maronita, e me orgulhoso disso. Minhas raízes são palestinas”.
O congressista Basel Ghattas, do partido árabe Balad, acredita que o reconhecimento dessa minoria só irá geras divisões e animosidade entre a população. A Comissão de Justiça e Paz da Igreja Católica na Terra Santa também está insatisfeita. “Israel não precisa de cristãos que deformem sua identidade, que se posicionam como inimigos do seu próprio povo”.
Por sua vez, Yousef Yakoub, líder da Igreja maronita em Haifa, pediu que houvesse uma abordagem mais conciliadora. “Não é a vocação da igreja intervir na forma como as pessoas se identificam, mas construir uma cultura de comunhão e de abertura mútua”.  O Ministério do Interior ainda não definiu como será feita essa identificação, por isso o pequeno Yakov Khalloul ainda é o único aramaico israelense.
Chen Bram, antropólogo da Universidade Hebraica, acredita que essa mudança deve ser vista em um contexto político mais amplo. Pode estar ligada a uma tentativa recente de Israel em recrutar árabes cristãos para seu exército. A maioria dos árabes cristãos não gostam de se envolver nas questões entre israelenses e palestinos, por isso nunca se voluntariam para o serviço militar.

Língua Morta?

O aspecto que mais se destaca quando se fala em povo aramaico, é sua língua, que tem uma origem comum com o hebraico e o árabe. No passado distante, foi a linguagem predominante na região, mas foi quase abolida por causa das conquistas muçulmanas a partir do século 7 que impuseram o árabe.
De fato, o aramaico está em perigo de extinção. A guerra na Síria entre as forças leais ao governo e os terroristas do Estado Islâmico expos ao mundo essa possibilidade. O fim da língua falada por Jesus Cristo é uma preocupação da Unesco, que criou um programa para preservá-la, já que existem apenas algumas centenas de falantes do idioma na Síria e muitos deles foram mortos ou estão refugiados.
Eleanor Coghill, linguista da Universidade de Konstanz e pesquisador do projeto de banco de dados do Neo-aramaico, acredita que é difícil reavivar plenamente uma língua considerada morta. “Eu senti que a geração mais jovem estava se perdendo, nossa história e patrimônio foram desaparecendo. Nós vamos à igreja e recitamos aramaico como papagaios, sem saber o que estamos dizendo”, disse Khalloul. Por isso, ele e seu grupo ensina até hoje aramaico para os filhos em Jish. Com um número bastante reduzido de falantes pode se dizer que é uma língua ameaçada de extinção, mas não morta. Com informações de Jerusalem Post
http://noticias.gospelprime.com.br/lingua-jesus-falava-nao-morreu/

Igreja fechada na Holanda se torna pista de skate

Igreja fechada na Holanda se torna pista de skate

Em outros países da Europa templos religiosos estão sendo vendidos pela falta de frequentadores
por Leiliane Roberta Lopes

Igreja fechada na Holanda se torna pista de skateIgreja fechada na Holanda se torna pista de skate
Em diversos países da Europa é possível encontrar igrejas sendo vendidas ou ver os espaços sendo ocupados por empresas. Desocupar os grandes templos foi a única decisão que as igrejas – católicas ou protestantes – puderam tomar diante da queda do número de fiéis.
Sem ter membros para frequentar as reuniões e sem arrecadar dinheiro para manter esses espaços, “passar o ponto” foi a única escolha que restou.
A Igreja de St. Joseph, na Holanda, por exemplo, se transformou no Arnhem Skate Hall. Ali dezenas de skatistas realizam manobras radicais em um espaço onde antes cerca de 1.000 fiéis se juntavam para rezar.
Quem ainda preserva a fé se emociona ao ver que as igrejas estão sendo ocupadas para outras funcionalidades. “Se a igreja for abandonada, veremos uma grande mudança em nosso país”, diz Lilian Grootswagers, moradora de Arnhem que tentou salvar uma igreja que foi fechada.
Quando o templo é alugado e empresa ou entidade que loca não consegue custear o espaço ele acaba sendo demolido e vendido para a construção de outros pontos (comerciais ou residenciais), mas demolir pontos históricos tem desagradado até mesmo os moradores seculares (população cada vez maior) na Europa.
A Holanda é um dos países onde o fechamento de igrejas é mais constante, a estimativa é que nos próximos dez anos 1.600 igrejas católicas devem ser fechadas e 700 protestam deixarão de existir em quatro anos.
“Os números são tão grandes que toda a sociedade será confrontada por eles. Todo mundo será confrontado com grandes construções vazias na vizinhança”, diz Lilian que fundou a ONG “Futuro do Patrimônio Religioso”.
Algumas igrejas que já foram fechadas na Holanda se tornaram empreendimentos como supermercado, floricultura, livraria, academia de ginástica e até loja de roupas femininas.

Europa sem cristianismo

O cristianismo perdeu forças na Europa, enquanto que o judaísmo ortodoxo continua estável. Segundo o Instituto Pew Research Center a imigração tem feito com que o número de muçulmanos aumente na região chegando a atingir 6% da população em 2010.
Além da Holanda igrejas na Inglaterra também estão fechando, uma delas funciona hoje como Circomedia, uma escola de treinamento de circo. O espaço hoje usado para criar malabaristas e palhaços já foi chamado de Igreja de St. Paul localizada em Bristol.
Na Escócia, mais precisamente em Edimburgo, uma igreja luterana se transformou em um bar, mas não trata-se de um pub comum naquela região, mas sim um bar temático sobre o Frankenstein. Com informações Wall Street Journal
http://noticias.gospelprime.com.br/igrejas-fechadas-holanda-pista-skate/