domingo, 29 de maio de 2016

QUAL A FINALIDADE E O ALCANCE DO PENTECOSTES?

QUAL A FINALIDADE E O ALCANCE DO PENTECOSTES?

Autor: Pr. Ubirajara Quintino

pentecosteUm velho reformado, inconformado com a Igreja Brasileira e os dias atuais! Cresci no seio de uma igreja pentecostal histórica. Digo, Histórica, não no sentido que se traz às denominações oriundas da reforma, mas histórica no sentido de diferenciá-la dos modernos movimentos denominados neopentecostais. Desde cedo sempre ouvi sobre a necessidade de todo cristão buscar com insistência o Batismo com o Espírito Santo, pois se tratava de uma afirmação como salvo em Cristo, para diferenciar-nos daqueles que não criam no chamado “Batismo com o Espírito Santo”.
Para os pastores, obreiros e crentes em geral das igrejas pentecostais, os cristãos históricos eram considerados cristãos de segunda classe, pois não dispunham do Espírito Santo, ou seja, não falavam em línguas, não profetizavam, não oravam por curas, não expulsavam demônios e uma série de outras considerações pejorativas, como não terem a pratica da chamada “Doutrina”, que nada mais era do que um conjunto de regras humanas sobre usos e costumes. Confesso que na minha infância e adolescência, vi muitas curas e intervenções divinas, que eram incompreensíveis para mim! Os anos se passaram e pouco a pouco fui percebendo existir no seio daquela igreja, uma diferenciação entre os que falavam em línguas e os que não falavam em línguas, aí já não se tratando de um preconceito para com os de fora, mas dentro da própria igreja. Os que não falavam em línguas, ou seja, não batizados com o “Espírito Santo”, muitas vezes eram confrontados pelo pastor, sob alegação, de que não buscavam a Deus da maneira correta, não criam, estavam gelados ou mesmo em pecado! Passo a passo, vi formarem-se duas congregações dentro de uma mesma igreja. A exposição constante a esta doutrinação, levou-me a uma busca frenética para falar em línguas. Queria ser considerado um cristão fiel, temente a Deus e cumpridor da “Doutrina!”. Finalmente consegui! O que vem a seguir, é a descoberta que o “Batismo com o Espírito Santo”, não me isentava de pecar e o temor de ser jogado no inferno apoderou-se de minha alma a ponto de tornar-se um verdadeiro tormento, que me acompanhou por muitos anos.
Muitas vezes eu questionava a Deus dizendo: “Mas Senhor, eu sou batizado com o Espírito, como posso ainda estar cometendo falhas grotescas, no meu dia a dia”? Não obtinha respostas, nem de Deus nem dos meus líderes, pois na verdade eu não tinha compreendido e nem sido ensinado sobre a verdadeira finalidade do Espírito na vida do cristão. A ênfase pentecostal na busca do “Batismo com o Espírito Santo”, nada mais é do que uma tentativa de santificação do cristão. A lógica é esta: Crentes batizados com o Espírito são mais santos do que os outros que não são. Custei a entender isto, e só fui compreender, quando me matriculei no seminário! Lá comecei a ter contato com professores que eram na sua maioria, oriundos da América do Norte. A visão bíblica destes homens e mulheres de Deus, foram pouco a pouco, mudando meu comportamento cristão, lógico, para melhor, embora muitas vezes entrava em conflito comigo mesmo, por causa da visão estreita e ambígua que eu tinha da Palavra de Deus.
Depois de muitos anos de estudo, em pelo menos, três seminários diferentes, e hoje em uma denominação oriunda da fé reformada, tenho uma visão completamente diferente do Pentecostes, sua finalidade e alcance!
COMPREENDENDO O PENTECOSTES
Antes que se fale sobre a finalidade e o alcance do Pentecostes, é preciso compreender o que é o Pentecostes. Muitos, por ignorância ou por má fé, afirmam que o Espírito Santo, só veio se manifestar no Novo Testamento, com o estabelecimento da igreja. Isto não é verdade!
Podemos ler diversas vezes no Antigo Testamento, a ação do Espírito Santo, agindo no decurso da história de Israel. Logo alguns dirão que esta manifestação ou ação, era pequena ou a conta gotas, como já ouvi de determinados pregadores. Mas num exame mais apurado, veremos uma ação extraordinária do Espírito operando na vida de grandes personagens do A.T.
É preciso primeiramente que se compreenda que o Espírito Santo, não foi “criado para ser exclusividade da igreja neo-testamentária”, digo criado não no sentido herético sobre a doutrina da Trindade, mas no sentido de um ser exclusivo das igrejas pós pentecostes, pois esta é a ideia que passam!
Podemos citar alguns exemplos da ação do Espírito Santo, através de personagens bíblicos.
Começo por aquele, que é considerado o maior legislador da história de Israel: Moisés!
Lemos no capítulo 11 de Números, a queixa do povo e também a queixa de Moisés acerca do povo. Disse ele no versículo 14: “Eu sozinho não posso levar todo este povo, pois me é pesado demais. Se assim me tratas, mata-me de uma vez, eu te peço, se tenho achado favor aos teus olhos; e não me deixes ver a minha miséria”. Faltavam forças a Moisés para continuar à frente daquele povo. Sabemos que quando Jesus falou a seus discípulos, que enviaria o outro Consolador, a idéia que temos é em função da repentina saída de Jesus do meio deles e conseqüentemente um vazio ficaria com eles, causando o sentimento de perda e falta de força e coragem para continuar. Jesus não estaria mais ao lado deles fisicamente nos momentos difíceis. Então eles lhes promete, um outro semelhante a ele. A palavra no grego, para Consolador, é Parakletos, que de uma forma açodada foi traduzida do latim para as versões correntes, notadamente a King James, como Consolador, quando na verdade deveria expressar o sentido mais apurado que é “aquele que vem com força ou aquele que vem dar força.” Com esta tradução, podemos entender claramente que os discípulos tiveram uma força sobrenatural, para superar a perda física de Jesus. Mais do que isto, tiveram uma “força tal” que foram impelidos por este Espírito a pregarem a palavra por todo o mundo. (João 16:1-33). É esta força, que está internalizada em Moisés, que é “tirada” dele, para ser repartida entre os setentas anciãos! Vejamos o que diz o texto: Números 11.17, “Então, descerei e ali falarei contigo; tirarei do Espírito que está sobre ti e o porei sobre eles; e contigo levarão a carga do povo, para que não a leves tu somente.” Números 11:25-29, “Então, o Senhor desceu na nuvem e lhe falou; e tirando do Espírito que estava sobre ele, o pôs sobre aqueles setenta anciãos; quando o Espírito repousou sobre eles, profetizaram; mas, depois nunca mais. Porém, no arraial ficaram dois homens; um se chamava Eldade e o outro, Medade. Repousou sobre eles o Espírito, porquanto estavam entre os inscritos, ainda que não saíram à tenda; e profetizavam no arraial. Então correu um moço, e o anunciou a Moisés, e disse: Eldade e Medade profetizam no arraial. Josué filho de Num, servidor de Moisés, um dos seus escolhidos, respondeu e disse: Moisés, meu senhor, proíbe-lho. Porém Moisés lhes disse: Tens tu ciúmes por mim? Tomara todo o povo do Senhor fosse profeta, que o Senhor lhes desse o seu Espírito!” Vemos aqui claramente uma antevisão do pentecoste neo-testamentário!
Podemos ainda citar um caso conhecido de todos nós, que o caso de Sansão e a morte dos filisteus. Não vem ao caso agora, discorrermos sobre toda a história que envolve este personagem bíblico. O que importa no nosso caso é entendermos que já, desprovido de forças físicas em razão de sua desobediência, Sansão, arrependido, ora Deus, para que este o esforçasse somente mais uma vez. Com a força do Espírito que repousa sobre ele, agarra-se às colunas principais que sustentam o templo onde ele está o templo de Dagom, palco do escárnio e zombaria sobre ele, derruba-as, matando todos os homens que ali se encontravam. (Juízes 16:23-30). Novamente vemos o Parakleto em ação!
O intuito de Deus, não era o de contemplar com o seu Espírito, somente algumas pessoas, como reis, profetas, juízes e sacerdotes. Para tanto usa o profeta Joel dizendo o seguinte: “E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões; até sobre os servos e sobre as servas derramarei o meu Espírito naqueles dias.” (Joel 2:28-29). Vê-se claramente aqui, novamente, a antevisão do pentecostes neo-testamentário, confirmando, que em todo o tempo, quis Deus capacitar seu povo, dando-lhes forças, para cumprirem suas tarefas no reino que ele está por estabelecer!
Quando se cumpre esta profecia? No dia de Pentecostes, logo após a ascensão de Jesus aos céus!
O Pentecostes poderia ter qualquer outro nome, relativo às festas de Israel. Por decreto divino, o cumprimento da profecia de Joel, deu-se enquanto a nação israelita comemorava esta festa!
Há algum espanto e novidade, na ação do Espírito Santo tanto no Antigo como no Novo Testamento? Não!
A FINALIDADE DO PENTECOSTES
Qual a importância da descida do Espírito Santo para a Igreja? Serão inúmeras as respostas dadas, principalmente pelos cristãos do movimento pentecostal. Curas, milagres, exorcismos, falar em línguas, cultos movimentados, alegres cantos quase beirando a gritaria, danças no “espírito”, profecias, interpretações de línguas, revelações e muitas outras novidades que tem surgido principalmente no meio neo-pentecostal, que são verdadeiras aberrações e heresias!
Mas para que serve mesmo o “Batismo com o Espírito Santo”? Creio que uma boa parte dos cristãos pentecostais não atina para aquilo que disse Jesus, quando de sua despedida de seus discípulos. O autor do livro de Atos nos faz a seguinte narração: “Então, os que estavam reunidos lhes perguntaram: Senhor será este o tempo em que restaures o reino a Israel? Respondeu-lhes Jesus: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade; mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra.” (Atos 1:6-8). O desconhecimento da missão de Jesus na terra, ainda era forte no meio de seus discípulos. Então o Mestre lhes declara abertamente o que queria que eles fizessem: Proclamar as boas novas do reino que já tinha chegado!
O batismo com o “Espírito Santo” tem a única finalidade de capacitar e revestir os discípulos de Jesus, com “forças do alto céu”, para enfrentarem a difícil tarefa que lhes era agora incumbida. Pregar, ensinar, fazer discípulos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, vivendo de maneira tal, que em guardando estas palavras teriam a companhia do mestre até a consumação dos séculos!
Dons espirituais são ferramentas de trabalho para uma evangelização eficiente, não para exposição na mídia nem tampouco para comércio ou promoção pessoal. Os dons são de Deus, não nossos. A própria palavra dom, já explicita tudo: Dádiva!
Que me desculpem meus irmãos que amo tanto, muitos dos quais sem conhecer-lhes a face, mas não posso de maneira nenhuma aceitar estas manifestações carismáticas de hoje e sempre, que deturpam a Palavra de Deus e tiram-lhe o significado. Dons espirituais, não são para fazer barulho dentro da igreja, com a desculpa que se não houver barulho o culto é um culto frio sem a presença de Deus! Desde quando, barulho é sinônimo da presença de Deus? Já estamos fartos de saber que “lata vazia faz mais barulho do que uma lata cheia”! Para se demonstrar estar cheio do Espírito é só deixar transparecer a obediência à sua palavra, pois Jesus disse que não é só importante ouvir, mas praticar a palavra! Muitos dos que dão espetáculos deprimentes dentro das igrejas, são rebeldes contumazes que não obedecem à Palavra, pois não são ovelhas do Senhor! São cristãos falsos, assim como Jesus nos ensinou na parábola do joio e do trigo. Como o joio é o falso trigo, assim há também no nosso meio, falsos cristãos que são bem barulhentos alegando possuírem o “Batismo com o Espírito Santo”!
O ALCANCE DO PENTECOSTES
O livro dos Atos dos Apóstolos, como o próprio nome já diz, visa relatar a história dos primeiros passos da igreja recém-fundada por Jesus Cristo, bem como os passos dos anos seguintes, com a expansão do Cristianismo. É preciso ter-se muito cuidado com o livro de Atos, pois sendo um livro histórico, não permite que façamos “doutrinas” de seus escritos. Doutrinas são extraídas dos ensinos de Jesus e dos Apóstolos, que constituíram o fundamento da igreja cristã!
Neste ponto falha e muito o movimento pentecostal, pois quer transportar fatos históricos para os dias atuais, como se fossem doutrinários, tais fatos. O alcance do pentecostes na história da igreja pode ser divido em quatro partes:
1 – O Pentecostes entre os Judeus – Atos 2:1-47
2 – O Pentecostes entre os Samaritanos – Atos 8:14-17
3 – O Pentecostes entre os Tementes a Deus. (Gregos Helenistas, prosélitos do judaísmo, mas que não aceitavam a circuncisão). – Atos 10:13b-18; Atos 10:44-48
4 – O Pentecostes entre os Gentios – Atos 19:1-7.
Com estes fatos narrados por Lucas podemos entender que as palavras de Jesus no capítulo 1:8 de Atos, cumprem-se na sua totalidade, pois encerra dentro de um mesmo corpo, Jerusalém, Judéia, Samaria e os Confins da Terra, fazendo com que judeus e gentios possam formar a igreja, que é o corpo visível de Cristo sobre a face da Terra. Com estes derramamentos do Espírito, Jesus une num só Espírito e numa só fé toda a terra. Aquilo que foi impossível aos Sacerdotes e profetas do A.T, o Filho de Deus, através de sua morte, reconciliou ambos, judeus e gentios em um só corpo, nesta união mística que é a Igreja Militante e que um dia será a Igreja Triunfante.
Com isto não quero de maneira alguma dizer que Deus não mais concede dons aos homens, de maneira nenhuma, mas o intuito é reconhecermos que o movimento pentecostal ainda tem muito para aprender! Tento de uma maneira equilibrada, conciliar a fé reformada que professo com vigor com os dons espirituais, tão necessários para os dias atuais. Precisamos desta força, vinda de Deus, para continuarmos a tarefa que ele nos deu, sem, contudo vilipendiarmos a sua Palavra e a sua correta interpretação.
Espero que esta minha pequena contribuição, sirva para despertar outros, chamando-os para o estudo teológico reformado, alicerce de uma boa e crescente fé, nos dias atuais, conturbados por um número incalculável de heresias, que precisam ser atacadas com firmeza, para que triunfe o Verdadeiro Evangelho!” 
“Sola Scriptura”
http://estantereformada.com.br/index.php/2016/05/29/qual-a-finalidade-e-o-alcance-do-pentecostes/

Nenhum comentário:

Postar um comentário