sexta-feira, 18 de agosto de 2017

19 DE AGOSTO - LEITURA BÍBLICA ANUAL - JÓ 23 A 25.


Jó 23

1Então Jó respondeu:
2"Até agora me queixo com amargura;
a mão dele é pesada,
a despeito de meu gemido.
3Se tão somente eu soubesse
onde encontrá-lo e como ir à sua habitação!
4Eu lhe apresentaria a minha causa
e encheria a minha boca
de argumentos.
5Estudaria o que ele me respondesse
e analisaria o que me dissesse.
6Será que ele se oporia a mim
com grande poder?
Não, ele não me faria acusações.
7O homem íntegro poderia
apresentar-lhe sua causa;
eu seria liberto para sempre
de quem me julga.
8"Mas, se vou para o oriente,
lá ele não está;
se vou para o ocidente,
não o encontro.
9Quando ele está em ação no norte,
não o enxergo;
quando vai para o sul,
nem sombra dele eu vejo!
10Mas ele conhece o caminho
por onde ando;
se me puser à prova,
aparecerei como o ouro.
11Meus pés seguiram de perto
as suas pegadas;
mantive-me no seu caminho
sem desviar-me.
12Não me afastei dos mandamentos
dos seus lábios;
dei mais valor às palavras de sua boca
do que ao meu pão de cada dia.
13"Mas ele é ele!
Quem poderá fazer-lhe oposição?
Ele faz o que quer.
14Executa o seu decreto contra mim
e tem muitos outros planos semelhantes.
15Por isso fico apavorado diante dele;
pensar nisso me enche de medo.
16Deus fez desmaiar o meu coração;
o Todo-poderoso causou-me pavor.
17Contudo, não fui silenciado
pelas trevas,
pelas densas trevas
que cobrem o meu rosto.

Jó 24

1"Por que o Todo-poderoso
não marca as datas de julgamento?
Por que aqueles que o conhecem
não chegam a vê-las?
2Há os que mudam
os marcos dos limites
e apascentam rebanhos
que eles roubaram.
3Levam o jumento
que pertence ao órfão
e tomam o boi da viúva como penhor.
4Forçam os necessitados
a sair do caminho
e os pobres da terra a esconder-se.
5Como jumentos selvagens no deserto,
os pobres vão em busca de comida;
da terra deserta a obtêm
para os seus filhos.
6Juntam forragem nos campos
e respigam nas vinhas dos ímpios.
7Pela falta de roupas,
passam a noite nus;
não têm com que cobrir-se no frio.
8Encharcados pelas chuvas
das montanhas,
abraçam-se às rochas
por falta de abrigo.
9A criança órfã é arrancada
do seio de sua mãe;
o recém-nascido do pobre é tomado
para pagar uma dívida.
10Por falta de roupas, andam nus;
carregam os feixes,
mas continuam famintos.
11Espremem azeitonas
dentro dos seus muros;
pisam uvas nos lagares,
mas assim mesmo sofrem sede.
12Sobem da cidade os gemidos
dos que estão para morrer,
e as almas dos feridos
clamam por socorro.
Mas Deus não vê mal nisso.
13"Há os que se revoltam
contra a luz,
não conhecem os caminhos dela
e não permanecem em suas veredas.
14De manhã o assassino se levanta
e mata os pobres e os necessitados;
de noite age como ladrão.
15Os olhos do adúltero
ficam à espera do crepúsculo;
'Nenhum olho me verá', pensa ele;
e mantém oculto o rosto.
16No escuro os homens invadem casas,
mas de dia se enclausuram;
não querem saber da luz.
17Para eles a manhã
é tremenda escuridão;
eles são amigos
dos pavores das trevas.
18"São, porém, como espuma
sobre as águas;
sua parte da terra foi amaldiçoada,
e por isso ninguém vai às vinhas.
19Assim como o calor e a seca
depressa consomem a neve derretida,
assim a sepultura consome
os que pecaram.
20Sua mãe os esquece,
os vermes se banqueteiam neles.
Ninguém se lembra dos maus;
quebram-se como árvores.
21Devoram a estéril e sem filhos
e não mostram bondade
para com a viúva.
22Mas Deus, por seu poder, os arranca;
embora firmemente estabelecidos,
a vida deles não tem segurança.
23Ele poderá deixá-los descansar,
sentindo-se seguros,
mas atento os vigia
nos caminhos que seguem.
24Por um breve instante são exaltados
e depois se vão,
colhidos como todos os demais,
ceifados como espigas de cereal.
25"Se não é assim,
quem poderá provar que minto
e reduzir a nada as minhas palavras?"

Jó 25

Bildade

1Então Bildade, de Suá, respondeu:
2"O domínio e o temor pertencem
a Deus;
ele impõe ordem nas alturas,
que a ele pertencem.
3Seria possível contar
os seus exércitos?
E a sua luz, sobre quem
não se levanta?
4Como pode então o homem
ser justo diante de Deus?
Como pode ser puro
quem nasce de mulher?
5Se nem a lua é brilhante
e nem as estrelas são puras
aos olhos dele,
6muito menos o será o homem,
que não passa de larva,
o filho do homem,
que não passa de verme!"
Temas relacionados com o Jó 25:



quinta-feira, 17 de agosto de 2017

18 DE AGOSTO - LEITURA BÍBLICA ANUAL - JÓ 21 A 22.


Jó 21

1Então Jó respondeu:
2"Escutem com atenção
as minhas palavras;
seja esse o consolo
que vocês haverão de dar-me.
3Suportem-me enquanto
eu estiver falando;
depois que eu falar
poderão zombar de mim.
4"Acaso é dos homens que me queixo?
Por que não deveria eu
estar impaciente?
5Olhem para mim e ficarão atônitos;
tapem a boca com a mão.
6Quando penso nisso, fico aterrorizado;
todo o meu corpo se põe a tremer.
7Por que vivem os ímpios?
Por que chegam à velhice
e aumentam seu poder?
8Eles veem os seus filhos
estabelecidos ao seu redor
e os seus descendentes
diante dos seus olhos.
9Seus lares estão seguros
e livres do medo;
a vara de Deus não os vem ferir.
10Seus touros nunca deixam
de procriar;
suas vacas dão crias e não abortam.
11Eles soltam os seus filhos
como um rebanho;
seus pequeninos põem-se a dançar.
12Cantam, acompanhando a música
do tamborim e da harpa;
alegram-se ao som da flauta.
13Os ímpios passam a vida na prosperidade
e descem à sepultura em paz.
14Contudo, dizem eles a Deus:
'Deixa-nos! Não queremos conhecer
os teus caminhos.
15Quem é o Todo-poderoso,
para que o sirvamos?
Que vantagem temos em orar a Deus?'
16Mas não depende deles
a prosperidade que desfrutam;
por isso fico longe
do conselho dos ímpios.
17"Pois, quantas vezes
a lâmpada dos ímpios se apaga?
Quantas vezes a desgraça
cai sobre eles,
o destino que em sua ira Deus lhes dá?
18Quantas vezes o vento
os leva como palha,
e o furacão os arrebata como cisco?
19Dizem que Deus
reserva o castigo de um homem
para os seus filhos.­
Que o próprio pai o receba,
para que aprenda a lição!
20Que os seus próprios olhos
vejam a sua ruína;
que ele mesmo beba da ira
do Todo-poderoso!
21Pois, que lhe importará a família
que deixará atrás de si
quando chegarem ao fim os meses
que lhe foram destinados?
22"Haverá alguém que o ensine
a conhecer a Deus,
uma vez que ele julga
até os de mais alta posição?
23Um homem morre em pleno vigor,
quando se sentia bem e seguro,
24tendo o corpo bem nutrido
e os ossos cheios de tutano.
25Já outro morre
tendo a alma amargurada,
sem nada ter desfrutado.
26Um e outro jazem no pó,
ambos cobertos de vermes.
27"Sei muito bem
o que vocês estão pensando,
as suas conspirações contra mim.
28'Onde está agora a casa
do grande homem?', vocês perguntam.
'Onde a tenda dos ímpios?'
29Vocês nunca fizeram perguntas
aos que viajam?
Não deram atenção ao que eles contam?
30Pois eles dizem que o mau é poupado
da calamidade
e que do dia da ira recebe livramento.
31Quem o acusa, lançando em rosto
a sua conduta?
Quem lhe retribui o mal que fez?
32Pois o levam para o túmulo
e vigiam a sua sepultura.
33Para ele é macio o terreno do vale;
todos o seguem,
e uma multidão incontável o precede.
34"Por isso, como podem vocês
consolar-me com esses absurdos?
O que sobra das suas respostas
é pura falsidade!"

Jó 22

Elifaz

1Então, Elifaz, de Temã, respondeu:
2"Pode alguém ser útil a Deus?
Mesmo um sábio,
pode ser-lhe de algum proveito?
3Que prazer você daria
ao Todo-poderoso
se você fosse justo?
Que é que ele ganharia se os seus
caminhos fossem irrepreensíveis?
4"É por sua piedade
que ele o repreende
e faz acusações a você?
5Não é grande a sua maldade?
Não são infindos os seus pecados?
6Sem motivo você exigia penhores
dos seus irmãos;
você despojava das roupas
os que quase nenhuma tinham.
7Você não deu água ao sedento
e reteve a comida do faminto,
8sendo você poderoso, dono de terras
e delas vivendo, e honrado
diante de todos.
9Você mandou embora de mãos vazias
as viúvas
e quebrou a força dos órfãos.
10Por isso está cercado de armadilhas
e o perigo repentino o apavora.
11Também por isso você se vê envolto
em escuridão que o cega,
e o cobrem as águas,
em tremenda inundação.
12"Não está Deus nas alturas dos céus?
E em que altura
estão as estrelas mais distantes!
13Contudo, você diz:
'O que sabe Deus?
Poderá julgar através
de tão grande escuridão?
14Nuvens espessas o cobrem,
e ele não pode ver-nos
quando percorre a abóbada dos céus'.
15Você vai continuar
no velho caminho
que os perversos palmilharam?
16Estes foram levados antes da hora;
seus alicerces foram arrastados
por uma enchente.
17Eles disseram a Deus: 'Deixa-nos!
O que o Todo-poderoso
poderá fazer conosco?'
18Contudo, foi ele que encheu
de bens as casas deles;
por isso fico longe
do conselho dos ímpios.
19"Os justos veem a ruína deles
e se regozijam;
os inocentes zombam deles, dizendo:
20'Certo é que os nossos inimigos
foram destruídos,
e o fogo devorou a sua riqueza'.
21"Sujeite-se a Deus,
fique em paz com ele,
e a prosperidade virá a você.
22Aceite a instrução
que vem da sua boca
e ponha no coração
as suas palavras.
23Se você voltar
para o Todo-poderoso,
voltará ao seu lugar.
Se afastar da sua tenda a injustiça,
24lançar ao pó as suas pepitas,
o seu ouro puro de Ofir
às rochas dos vales,
25o Todo-poderoso será o seu ouro,
será para você prata seleta.
26É certo que você achará prazer
no Todo-poderoso
e erguerá o rosto para Deus.
27A ele orará, e ele o ouvirá,
e você cumprirá os seus votos.
28O que você decidir se fará,
e a luz brilhará em seus caminhos.
29Quando os homens
forem humilhados
e você disser: 'Levanta-os!',
ele salvará o abatido.
30Livrará até o que não é inocente,
que será liberto graças à pureza
que há em você, nas suas mãos".