quinta-feira, 27 de abril de 2017

28/04/17 - LEITURA BÍBLICA ANUAL - 2º SAMUEL 15 E 16.


2 Samuel 15

A conspiração de Absalão

1Algum tempo depois, Absalão adquiriu uma carruagem, cavalos e uma escolta de cinquenta homens.
2Ele se levantava cedo e ficava junto ao caminho que levava à porta da cidade. Sem­pre que alguém trazia uma causa para ser decidida pelo rei, Absalão o chamava e perguntava de que cidade vinha. A pessoa respondia que era de uma das tribos de Israel,
3e Absalão dizia: "A sua causa é válida e legítima, mas não há nenhum representante do rei para ouvi-lo".
4E Absalão acrescentava: "Quem me dera ser designado juiz desta terra! Todos os que tivessem uma causa ou uma ques­tão legal viriam a mim, e eu lhes faria justiça".
5E sempre que alguém se aproximava dele para prostrar-se em sinal de respeito, Absalão estendia a mão, abraçava-o e beijava-o.
6Absalão agia assim com todos os israelitas que vinham pedir que o rei lhes fizesse justiça. Assim ele foi conquistando a lealdade dos homens de Israel.
7Ao final de quatro anos, Absalão disse ao rei: "Deixa-me ir a Hebrom para cum­prir um voto que fiz ao Senhor.
8Quando o teu servo estava em Gesur, na Síria, fez este voto: Se o Senhor me permitir voltar a Jerusalém, prestarei culto a ele em Hebrom".
9"Vá em paz!", disse o rei. E ele foi para Hebrom.
10Absalão enviou secretamente mensageiros a todas as tribos de Israel, dizendo: "Assim que vocês ouvirem o som das trom­betas, digam: Absalão é rei em Hebrom".
11Ab­salão levou duzentos homens de Jerusalém. Eles tinham sido convidados e nada sabiam nem suspeitavam do que estava acontecendo.
12De­pois de oferecer sacrifícios, Absalão mandou chamar Aitofel, da cidade de Gilo, conselheiro de Davi. A conspiração ganhou força, e cresceu o número dos que seguiam Absalão.

A fuga de David

13Então um mensageiro chegou e disse a Davi: "Os israelitas estão com Absalão!"
14Em vista disso, Davi disse aos conselheiros que estavam com ele em Jerusalém: "Vamos fugir; caso contrário não escaparemos de Absalão. Se não partirmos imediatamente ele nos alcançará, causará a nossa ruína e matará o povo à espada".
15Os conselheiros do rei lhe responderam: "Teus servos estão dispostos a fazer tudo o que o rei, nosso senhor, decidir".
16O rei partiu, seguido por todos os de sua família; deixou, porém, dez concubinas para tomarem conta do palácio.
17Assim, o rei partiu com todo o povo. Pararam na última casa da cidade,
18e todos os seus soldados mar­charam, passando por ele: todos os queretitas e peletitas, e os seiscentos giteus que o acom­panhavam desde Gate.
19O rei disse então a Itai, de Gate: "Por que você está indo conosco? Volte e fique com o novo rei, pois você é estrangeiro, um exilado de sua terra.
20Faz pouco tempo que você chegou. Como eu poderia fazê-lo acompanhar-me? Volte e leve consigo os seus irmãos. Que o Senhor o trate com bondade e fidelidade!"
21Itai, contudo, respondeu ao rei: "Juro pelo nome do Senhor e por tua vida que, onde quer que o rei, meu senhor, esteja, ali estará o teu servo, para viver ou para morrer!"
22Então Davi disse a Itai: "Está bem, pode ir adiante". E Itai, o giteu, marchou, com todos os seus soldados e com as famílias que estavam com ele.
23Todo o povo do lugar chorava em alta voz enquanto o exército passava. O rei atravessou o vale do Cedrom e todo o povo foi com ele em direção ao deserto.
24Zadoque também estava lá e com ele todos os levitas que carregavam a arca da aliança de Deus; Abiatar também estava lá. Puseram no chão a arca de Deus até que todo o povo saísse da cidade.
25Então o rei disse a Zadoque: "Leve a arca de Deus de volta para a cidade. Se o Senhor mostrar benevolência a mim, ele me trará de volta e me deixará ver a arca e o lugar onde ela deve permanecer.
26Ma­s, se ele disser que já não sou do seu agrado, aqui estou! Faça ele comigo a sua vontade".
27Disse ainda o rei ao sacerdote Zadoque: "Fique alerta! Volte em paz para a cidade, você, Aimaás, seu filho, e Jônatas, filho de Abiatar.
28Pelos desfiladeiros do deserto ficarei esperando notícias de vocês".
29Então Zadoque e Abiatar levaram a arca de Deus de volta para Jerusalém e lá permaneceram.
30Davi, porém, continuou subindo o monte das Oliveiras, caminhando e chorando, com a cabeça coberta e os pés descalços. E todos os que iam com ele também tinham a cabeça coberta e subiam chorando.
31Quando informaram a Davi que Aitofel era um dos conspiradores que apoiavam Absalão, Davi orou: "Ó Senhor, transforma em loucura os conselhos de Aitofel".
32Quando Davi chegou ao alto do monte, ao lugar onde o povo costumava adorar a Deus, veio ao seu encontro o arquita Husai, com a roupa rasgada e com terra sobre a cabeça.
33E Da­vi lhe disse: "Não adianta você vir comigo.
34Mas, se voltar à cidade, poderá dizer a Absalão: Estarei a teu serviço, ó rei. No passado estive a serviço de teu pai, mas agora estarei a teu serviço. Assim você me ajudará, frustrando o conselho de Aitofel.
35Os sacerdotes Zadoque e Abiatar estarão lá com você. Informe-os do que você souber no palácio.
36Também estão lá os dois filhos deles: Aimaás e Jônatas. Por meio deles me informe de tudo o que você ouvir".
37Husai, amigo de Davi, chegou a Jerusalém quando Absalão estava entrando na cidade.

2 Samuel 16

David e Ziba

1Mal Davi tinha passado pelo alto do monte, lá estava à sua espera Ziba, criado de Mefibosete. Ele trazia dois jumentos carregando duzentos pães, cem bolos de uvas passas, cem frutas da estação e uma vasilha de couro cheia de vinho.
2O rei perguntou a Ziba: "Por que você trouxe essas coisas?"
Ziba respondeu: "Os jumentos servirão de montaria para a família do rei, os pães e as frutas são para os homens comerem, e o vinho servirá para reanimar os que ficarem exaustos no deserto".
3"Onde está Mefibosete, neto de seu senhor?", perguntou o rei.
Respondeu-lhe Ziba: "Ele ficou em Jerusalém, pois acredita que os israelitas lhe restituirão o reino de seu avô".
4Então o rei disse a Ziba: "Tudo o que pertencia a Mefibosete agora é seu".
"Humildemente me prostro", disse Ziba. "Que o rei, meu senhor, agrade-se de mim".

Simei amaldiçoa David

5Chegando o rei Davi a Baurim, um homem do clã da família de Saul chamado Simei, filho de Gera, saiu da cidade proferindo maldições contra ele.
6Ele atirava pedras em Davi e em todos os conselheiros do rei, embora todo o exército e a guarda de elite estivessem à direita e à esquerda de Davi.
7En­quanto amal­diçoava, Simei dizia: "Saia daqui, saia daqui! Assassino! Bandido!
8O Senhor retribuiu a você todo o sangue derramado na família de Saul, em cujo lugar você reinou. O ­Senhor entregou o reino nas mãos de seu filho Absalão. Você está arruinado porque é um assassino!"
9Então Abisai, filho de Zeruia, disse ao rei: "Por que esse cão morto amaldiçoa o rei, meu senhor? Permite que eu lhe corte a cabeça".
10Mas o rei disse: "Que é que vocês têm com isso, filhos de Zeruia? Ele me amaldiçoa porque o Senhor lhe disse que amal­diçoasse Davi. Portanto, quem poderá questioná-lo?"
11Disse então Davi a Abisai e a todos os seus conselheiros: "Até meu filho, sangue do meu sangue, procura matar-me. Quan­to mais este benjamita! Deixem-no em paz! Que amal­diçoe, pois foi o Senhor que mandou fazer isso.
12Ta­lvez o Senhor considere a minha aflição e me retribua com o bem a maldição que hoje recebo".
13Assim, Davi e os seus soldados prosseguiram pela estrada, enquanto Simei ia pela encosta do monte, no lado oposto, amaldiçoando e jogando pedras e terra.
14O rei e todo o povo que estava com ele chegaram exaustos a seu destino. E lá descansaram.

O conselho de Husai e Aitofel

15Enquanto isso, Absalão e todos os homens de Israel entraram em Jerusalém, e Aitofel estava com eles.
16Então Husai, o arquita, amigo de Davi, aproximou-se de Absalão e exclamou: "Viva o rei! Viva o rei!"
17Mas Absalão disse a Husai: "É essa a lealdade que você tem para com o seu amigo? Por que você não foi com ele?"
18Respondeu Husai: "Não! Sou do ­escolhido do Senhor, deste povo e de todos os israelitas, e com ele permanecerei.
19Além disso, a quem devo servir? Não deveria eu servir ao filho? Assim como servi a teu pai, também te servirei".
20Então Absalão disse a Aitofel: "Dê-nos o seu conselho. Que devemos fazer?"
21Aitofel respondeu: "Aconselho que tenhas relações com as con­cubinas de teu pai, que ele deixou para tomar conta do palácio. Então todo o Israel ficará sabendo que te tornaste repugnante para teu pai e todos os que estão contigo se encherão de co­ra­gem".
22E assim armaram uma tenda no terraço do palácio para Absalão, e ele teve relações com as concubinas de seu pai à vista de todo o Israel.
23Naquela época, tanto Davi como Absalão consideravam os conselhos de Aitofel como se fossem a palavra do próprio Deus.






Nenhum comentário:

Postar um comentário