segunda-feira, 5 de junho de 2017

06 DE JUNHO - LEITURA BÍBLICA ANUAL - ISAÍAS 28 E 29.


Isaías 28



Juízo sobre Samaria

1Ai daquela coroa
situada nos altos de um vale fértil,
orgulho dos bêbados de Efraim!
Ai de sua magnífica beleza,
que agora é como uma flor murcha.
Ai dos que são dominados pelo vinho!
2Vejam! O Senhor envia alguém
que é poderoso e forte.
Como chuva de granizo
e vento destruidor,
como violento aguaceiro
e tromba d'água inundante,
ele a lançará com força ao chão.
3A coroa orgulhosa
dos bêbados de Efraim
será pisoteada.
4Sua magnífica beleza,
localizada na cabeça de um vale fértil,
é agora uma flor que murcha.
Ela será como figo maduro
antes da colheita;
quem o vê, logo o apanha e o come.
5Naquele dia, o Senhor dos Exércitos
será uma coroa gloriosa, um belo diadema
para o remanescente do seu povo.
6Ele será um espírito de justiça
para aquele que se assenta para julgar
e força para os que fazem recuar
o ataque na porta.
7E estes também cambaleiam
pelo efeito do vinho,
e não param em pé
por causa da bebida fermentada.
Os sacerdotes e os profetas cambaleiam
por causa da bebida fermentada
e estão desorientados devido ao vinho;
eles não conseguem parar em pé
por causa da bebida fermentada,
confundem-se quando têm visões,
tropeçam quando devem dar um veredicto.
8Todas as mesas estão cobertas de vômito
e não há um só lugar limpo.
9"Quem é que está tentando ensinar?",
eles perguntam.
"A quem está explicando a sua mensagem?
A crianças desmamadas
e a bebês recém-tirados do seio materno?
10Pois o que se diz é: ´Ordem sobre ordem, ordem sobre ordem,
regra e mais regra;
um pouco aqui, um pouco ali."
11Pois bem, com lábios trôpegos
e língua estranha
Deus falará a este povo,
12ao qual dissera:
"Este é o lugar de descanso.
Deixem descansar o exausto.
Este é o lugar de repouso!"
Mas eles não quiseram ouvir.
13Por isso o Senhor lhes dirá:
"Ordem sobre ordem,
ordem sobre ordem,
regra e mais regra,
regra e mais regra;
um pouco aqui, um pouco ali",
para que saiam, caiam de costas,
firam-se, fiquem presos no laço
e sejam capturados.
14Portanto, ouçam a palavra do Senhor,
zombadores,
vocês, que dominam este povo
em Jerusalém.
15Vocês se vangloriam, dizendo:
"Fizemos um pacto com a morte,
com a sepultura fizemos um acordo.
Quando vier a calamidade destruidora,
não nos atingirá,
pois da mentira fizemos o nosso refúgio
e na falsidade
temos o nosso esconderijo".
16Por isso diz o Soberano, o Senhor:
"Eis que ponho em Sião uma pedra,
uma pedra já experimentada,
uma preciosa pedra angular
para alicerce seguro;
aquele que confia, jamais será abalado.
17Farei do juízo a linha de medir
e da justiça o fio de prumo;
o granizo varrerá o seu falso refúgio,
e as águas inundarão o seu abrigo.
18Seu pacto com a morte será anulado;
seu acordo com a sepultura
não subsistirá.
Quando vier a calamidade destruidora,
vocês serão arrastados por ela.
19Todas as vezes que vier, ela os arrastará;
passará manhã após manhã,
de dia e de noite".
A compreensão desta mensagem
trará pavor total.
20A cama é curta demais
para alguém se deitar,
e o cobertor é estreito demais
para ele se cobrir.
21O Senhor se levantará como fez
no monte Perazim,
mostrará sua ira
como no vale de Gibeom,
para realizar sua obra,
obra muito estranha,
e cumprir sua tarefa,
tarefa misteriosa.
22Agora, parem com a zombaria;
senão, as suas correntes
ficarão mais pesadas;
o Senhor, o Senhor dos Exércitos,
falou-me da destruição decretada
contra o território inteiro.
23Ouçam, escutem a minha voz;
prestem atenção, ouçam o que eu digo.
24Quando o agricultor ara a terra
para o plantio, só faz isso o tempo todo?
Só fica abrindo sulcos
e gradeando o solo?
25Depois de nivelado o solo,
ele não semeia o endro e não espalha
as sementes do cominho?
Não planta o trigo no lugar certo,
a cevada no terreno próprio
e o trigo duro nas bordas?
26O seu Deus o instrui
e lhe ensina o caminho.
27Não se debulha o endro com trilhadeira,
e sobre o cominho não se faz passar
roda de carro;
tira-se o endro com vara,
e o cominho com um pedaço de pau.
28É preciso moer o cereal para fazer pão;
por isso ninguém o fica
trilhando para sempre.
Fazem passar as rodas da trilhadeira
sobre o trigo,
mas os seus cavalos não o trituram.
29Isso tudo vem da parte
do Senhor dos Exércitos,
maravilhoso em conselhos
e magnífico em sabedoria.

Isaías 29



Castigo e libertação de Jerusalém

1Ai de Ariel! Ariel, a cidade onde
acampou Davi.
Acrescentem um ano a outro
e deixem seguir o seu ciclo de festas.
2Mas eu sitiarei Ariel,
que vai chorar e lamentar-se,
e para mim será como
uma fornalha de altar.
3Acamparei ao seu redor;
eu a cercarei de torres
e instalarei contra você
minhas obras de cerco.
4Lançada ao chão, de lá você falará;
do pó virão em murmúrio
as suas palavras.
Fantasmagórica, subirá sua voz da terra;
um sussurro vindo do pó será sua voz.
5Mas os seus muitos inimigos
se tornarão como o pó fino;
as hordas cruéis,
como palha levada pelo vento.
Repentinamente, num instante,
6o Senhor dos Exércitos virá
com trovões e terremoto
e estrondoso ruído,
com tempestade e furacão
e chamas de um fogo devorador.
7Então as hordas de todas as nações
que lutam contra Ariel,
que investem contra ele e contra
a sua fortaleza e a sitiam,
serão como acontece num sonho,
numa visão noturna,
8como quando um homem faminto
sonha que está comendo,
mas acorda e sua fome continua;
como quando um homem sedento
sonha que está bebendo,
mas acorda enfraquecido,
sem ter saciado a sede.
Assim será com as hordas
de todas as nações
que lutam contra o monte Sião.
9Pasmem e fiquem atônitos!
Ceguem-se a si mesmos
e continuem cegos!
Estão bêbados, porém, não de vinho,
cambaleiam, mas não pela
bebida fermentada.
10O Senhor trouxe sobre vocês
um sono profundo:
fechou os olhos de vocês, que são os profetas;
cobriu a cabeça de vocês, que são os videntes.
11Para vocês toda esta visão não passa de palavras seladas num livro. E, se vocês derem o livro a alguém que saiba ler e lhe disserem: "Leia, por favor", ele responderá: "Não posso; está lacrado".
12Ou, se vocês derem o livro a alguém que não saiba ler e lhe disserem: "Leia, por favor", ele responderá: "Não sei ler".
13O Senhor diz:
"Esse povo se aproxima de mim
com a boca
e me honra com os lábios,
mas o seu coração está longe de mim.
A adoração que me prestam
é feita só de regras
ensinadas por homens.
14Por isso uma vez mais
deixarei atônito esse povo
com maravilha e mais maravilha;
a sabedoria dos sábios perecerá,
a inteligência dos inteligentes
se desvanecerá".
15Ai daqueles que descem às profundezas
para esconder seus planos do Senhor,
que agem nas trevas e pensam:
"Quem é que nos vê?
Quem ficará sabendo?"
16Vocês viram as coisas pelo avesso!
Como se fosse possível imaginar
que o oleiro é igual ao barro!
Acaso o objeto formado
pode dizer àquele que o formou:
"Ele não me fez"?
E o vaso poderá dizer do oleiro:
"Ele nada sabe"?
17Acaso o Líbano não será logo
transformado em campo fértil,
e não se pensará que o campo fértil
é uma floresta?
18Naquele dia, os surdos ouvirão
as palavras do livro,
e, não mais em trevas e escuridão,
os olhos dos cegos tornarão a ver.
19Mais uma vez os humildes
se alegrarão no Senhor,
e os necessitados exultarão
no Santo de Israel.
20Será o fim do cruel,
o zombador desaparecerá
e todos os de olhos
inclinados para o mal
serão eliminados,
21os quais com uma palavra
tornam réu o inocente,
no tribunal trapaceiam contra o defensor
e com testemunho falso impedem
que se faça justiça ao inocente.
22Por isso, o Senhor, que redimiu Abraão, diz à descendência de Jacó:
"Jacó não será mais humilhado;
e o seu rosto não tornará a empalidecer.
23Quando ele vir em seu meio,
os seus filhos,
a obra de minhas mãos,
proclamará o meu santo nome;
reconhecerá a santidade
do Santo de Jacó,
24e, no temor do Deus de Israel,
permanecerá.
Os desorientados de espírito
obterão entendimento;
e os queixosos aceitarão instrução".

Nenhum comentário:

Postar um comentário