sábado, 21 de janeiro de 2017

As 10 pragas do Egito, ou os 10 deuses do Egito?

As 10 pragas do Egito, ou os 10 deuses do Egito?


No entanto, hoje quero detalhar melhor sobre as pragas e mostrar a todos que em cada praga Deus estava desafiando um deus do Egito. Farei tudo de forma bem resumida com o objetivo de falar apenas sobre os deuses e qual sua função.
As 10 Pragas do Egito

1ª praga: Ex 7.14
Água do Nilo se transformaram e sangue.
Esta praga faz referencia a Hápi (deus do Nilo); como o rio Nilo é essencial à economia e até a sobrevivência da nação, todos podem imaginar como este deus era importante na cultura local.

2ª praga: Ex 8.1
Rãs
Esta praga afronta a Hegt (deusa Rã); parece-nos que o poder desta deusa não foi capaz proteger seus súditos. Já pensou, um monte de rãs pelas ruas ou então pulando em você? 
3ª praga: Ex 8.19
Piolhos
Esta praga desafia Tot, o senhor da magia. Os magos não eram capazes de realizar qualquer tipo de magia em virtude da presença destes pequenos seres pelo corpo. Já pensou um simples piolho e ninguém mais pode reverenciar seu deus !?

4ª praga: Ex 8.20-23
Moscas
Ptah, deuscriador do universo. O Deus verdadeiro enviou moscas sobre todo o Egito e ele nada pode fazer. Quem é mesmo o criador do universo?

5ª praga: Ex 9.1
Peste no gado
Hator e Ápis, deus-touro e deusa-vaca (respctivamente); eram fiéis depositários da fé dos egípcios para proteção do animais. Sem comentários sobre a total impotência deles diante do nosso Deus.
6ª praga: Ex 9.8
Tumores e Ulceras
Desafio a Ísis, senhora da medicina, deusa da cura e dos remédios. Parece que os egípcios clamaram em vão para curar os tumores e ulceras que nosso Deus colocou sobre eles. 
7ª praga: Ex 9.22
Trovões e Saraiva
Reshpu, deus muito importante, já que controlava as chuvas, ventos e trovões. Então era ele quem decidia se a plantação seria bem regada ou não; além de controlar os desastres ambientais e tudo mais. Mais um deus que ficou de “pés e mãos atadas” na defesa de seus fiéis. 
8ª praga: Ex 10.7-11
Gafanhotos
Esta praga desafia Min, deus da fertilidade e protetor das colheitas. Como os gafanhotos comeram toda a plantação, onde será que estava Min que não viu isto.

9ª praga: Ex 10.21
Três dias de trevas
, o deus-sol e Hórus um deus solar foram completamente desmoralizados. O deus do sol no escuro por falta de sol. Quem será o verdadeiro Deus do Sol?
10ª praga: Ex 11.1
A morte do primogênito
Esta nós aprendemos na escola. O próprio faraó era considerado um deus no Egito. Ou então Amon-Rá, rei dos deuses e força criadora de vida e deixou morrer um filho de cada lar, até dos animais. Quem será o verdadeiro Deus da Vida.

http://comunidadeabiblia.net/teologia/estudos-biblicos/as-10-pragas-do-egito-ou-os-10-deuses-do-egito.html

domingo, 8 de janeiro de 2017

Obama tem as mãos “sujas de sangue cristão”, afirma pastor

Obama tem as mãos “sujas de sangue cristão”, afirma pastor

Robert Jeffress acredita que presidente americano mostra conivência

Obama tem as mãos “sujas de sangue cristão”, afirma pastorObama tem as mãos "sujas de sangue cristão"
O pastor Robert Jeffress, líder da Primeira Igreja Batista de Dallas, Texas, é muito influente na Convenção Batista do Sul, o maior grupo evangélico dos Estados Unidos. Em entrevista recente ao canal Fox, ele fez duras críticas ao presidente Barack Obama.
Embora não acredite que ele seja um “muçulmano disfarçado” como muitos argumentam, acusou o mandatário de ter “sangue nas mãos” por não fazer nada para impedir a crescente perseguição aos cristãos em todo o mundo.
Mencionando o relatório divulgado recentemente, segundo o qual entre 500 a 600 milhões de cristãos enfrentam perseguição por sua fé, ressaltou que mais de 90 mil cristãos foram mortos em 2016. Em média, significa um a cada 6 minutos.
Jeffress é pastor de uma megaigreja com mais de 10 mil membros. No passado, chegou a afirmar que a administração Obama estava “abrindo caminho para o anticristo”. Agora, fez questão de dizer que tanto Obama quanto o secretário de Estado John Kerry defendem os muçulmanos, que são os principais perseguidores dos cristãos.
O pastor argumentou que o profeta islâmico Maomé “via os judeus e os cristãos como uma coisa só, por isso os chamou de o povo do livro”. O Alcorão ensina que os seguidores de Alá devem matar os infiéis e essa é a justificativa para a maioria dos ataques terroristas.
Ao comentar ao Christian Post sobre a postura recente dos Estados Unidos nas Nações Unidas, que condenou Israel e sinaliza que deseja entregar a porção oriental de Jerusalém aos palestinos, disparou: “John Kerry e Barack Obama estão do lado errado da história”. Disse ainda que “Eles estão indo contra Deus ao fazer isso”.
Questionado se acredita que o presidente Obama seja muçulmano, Jeffress respondeu: “Eu não sei o que ele é, mas obviamente o Islã teve uma grande influência em sua vida, através de seu pai e padrasto.”
O líder religioso insiste que a maneira branda como Obama lida com os muçulmanos, mesmo os radicais, “está contribuindo para que os cristãos sejam perseguidos, não só ao redor do mundo, mas também nos EUA”.

https://noticias.gospelprime.com.br/obama-maos-sujas-sangue-cristao/

sábado, 7 de janeiro de 2017

O EVANGELHO ERA PREGADO NO TEMPLO DE JERUSALÉM E DE CASA EM CASA.


"E, todos os dias no templo, bem como de casa em casa, não deixavam de pregar e ensinar que Jesus Cristo é o Messias." Atos 5.42 


- Nós crentes gostamos muito de tecer críticas aos chamados "Testemunhas de Jeová" por eles serem heréticos (não têm Cristo como Deus). Mas, por termos a verdade, temos a obrigação de fazer muito mais que eles. Saem pelas ruas das cidades em busca de prosélitos, mas nós ficamos no conforto dos nossos lares e das programações de nossas "igrejas" nos esquecendo que as pessoas sem Cristo estão caminhando para o inferno. 


- Tenho notado que o grande problema no evangelismo um a um, casa a casa, somos nós e não a recusa das pessoas em nos ouvir. Digo isso por experiência, pois no final dos anos 90 nossa Igreja em Assis (IPR. Vila Ribeiro) montou e treinou equipes para essa tarefa. Creio que foram visitadas mais de 500 casas de bairros em Assis. Pouquíssimas foram as pessoas que não nos receberam. Tive a oportunidade de ver muitas das pessoas evangelizadas participando de algumas igrejas da cidade, para a louvor do nome do Senhor. 


- Amados, voltemos ao evangelho simples dos tempos dos Atos dos Apóstolos, indo lá foram onde os não alcançados se encontram. Seremos recompensados por isso, mas os que não forem, serão cobrados pelo Senhor, principalmente as lideranças que não promoverem atividades intensas de evangelismo lá fora das quatro paredes.



Ivo Gomes Do Prado

NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS

Na metade de uma aula, em uma universidade, um dos alunos, inesperadamente perguntou ao professor:

‒ O senhor sabe como se capturam os porcos selvagens?

O professor achou que era uma piada e esperava uma resposta engraçada. O jovem respondeu que não era uma piada, e com seriedade começou sua dissertação:

‒ Para capturar porcos selvagens, primeiro localiza-se um lugar na floresta que os porcos selvagens costumam frequentar, e ali coloca-se um pouco de milho no chão, diariamente. 

Assim, os porcos selvagens vêm diariamente para comer o milho "grátis" e, quando se acostumam a vir diariamente, você constrói uma cerca no entorno do local, onde eles se acostumaram a comer, um lado de cada vez... Aí, quando eles se acostumam com a cerca, eles voltam para comer o milho, e você constrói outro lado da cerca... 

Eles voltam a acostumar-se e voltam a comer. 

Você vai construindo a cerca no entorno, pouco a pouco, até instalar os quatro lados do cercado em torno dos porcos.

No final, instala uma porta no último lado. 

Os porcos já estão habituados ao milho fácil e às cercas e assim começam a vir sozinhos pela entrada. 

É aí que você fecha o portão e captura a todo o grupo.

Simples assim, no passo a passo, até que no último segundo os porcos perdem sua liberdade. Eles começam a correr em círculos dentro da cerca, mas já estão presos. Depois, começam a comer o milho fácil e gratuito. Ficam tão acostumados a isso que esquecem como caçar por si mesmos, e por isso aceitam a escravidão. 

Mais ainda, mostram-se gratos com os seus captores e, por gerações, vão felizes ao matadouro. E nem desconfiam que a mão que alimenta é a mesma que lhes abate.
O jovem comentou com o professor que era exatamente isso que ele via acontecer no seu país, no seu estado, em sua cidade, com o seu povo.

Governos populistas, em seus projetos ditatoriais, escondidos sob o manto "democrático", lhes estiveram jogando milho gratuito por tempo suficiente para alcançar a mansidão sistemática.

E cada novo "Governo Salvador" disfarça, em "programas sociais", suas esmolas, dá dinheiro que tira do bolso do próprio trabalhador, realiza missões, planos, remissão, leis de "proteção", subsídios para qualquer coisa, expropriações indevidas, programas de "bem-estar social", festas, feiras ou festivais, uniformes, pão e circo, transporte "grátis",
"G R A T I S"!

Toda essa "gratuidade" que nos oferecem tais vigaristas, disfarçados de políticos, cheia de felicidade para um povo mal acostumado com as migalhas do milho fácil e "gratuito", roubam-nos a capacidade de sermos críticos, pensantes e pessoas empreendedoras. No entanto, claro que nada nos saiu "de graça". Logo, "não existe almoço grátis"!

Finalmente, se você se dá conta de que toda essa maravilhosa "ajuda" governamental é um problema que se opõe ao futuro da democracia no nosso país, deverá compartilhar esta mensagem.


(Texto circulante nas redes sociais.)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

TEXTOS SOBRE ORAÇÃO

TEXTOS SOBRE ORAÇÃO

Nossa carne não deseja orar (individual).
Nossa natureza humana decaída se inclinará para muitas coisas, menos para oração.
Por isso precisamos ser insistentemente exortados a nos colocar de joelhos.

Ouvir o que grandes homens de oração disseram a respeito disso é uma forma de receber essa exortação.

“Eu posso fazer mais que orar, depois de ter orado, mas eu não posso fazer mais que orar, até que tenha orado!.” *John Bunyan*

“Quando agimos, colhemos os frutos do nosso trabalho, mas, quando oramos, colhemos os frutos do trabalho de Deus.” *Hans Von Staden*

“Não há nada que nos faça amar tanto uma pessoa quanto orar por ela.” *Willian Law*

“Sempre que Deus deseja realizar algo, Ele convoca seu povo para orar.” *Charles Spurgeon*

“Quando trabalhamos, nós trabalhamos, quando oramos, Deus trabalha.” *Hudson Taylor*

“Eu preferiria ensinar um homem a orar do que dez homens a pregar.” *Charles Spurgeon*

“A maior preocupação do diabo é afastar os cristãos da oração. Ele não teme os estudos, nem o trabalho e nem a religião daqueles que não oram. Ele ri de nossa labuta, zomba de nossa sabedoria, mas treme quando nós oramos.” *Samuel Chadwick*

“O homem que mobiliza a igreja cristã para orar estará dando a maior contribuição para a história da evangelização do mundo.” *Andrew Murray*

“Os homens podem desdenhar nossos apelos, rejeitar nossa mensagem, opor-se a nossos argumentos, desprezar-nos, mas nada podem fazer contra nossas orações” *Sidlow Baxter*

“Nunca pedi coisa alguma em oração sem um dia, afinal, recebê-la de alguma maneira, de alguma forma”
*Charles Muller*

“A oração é o encontro da sede de Deus e da sede do homem.” *Agostinho de Hipona*

“Na oração, é melhor ter um coração sem palavras do que palavras sem um coração.” *John Bunyan*

*_Busque a DEUS sempre._*
_"Orar antes de fazer algo é dependência._
_Orar depois é gratidão._
_Orar sempre é comunhão."_

*S.Savg*

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

O QUE NOS TRARÁ 2017? - ACTUALIZAÇÃO DO MEU ARTIGO AQUI PUBLICADO EM 7/1/2011...






sábado, dezembro 31, 2016


O QUE NOS TRARÁ 2017? - ACTUALIZAÇÃO DO MEU ARTIGO AQUI PUBLICADO EM 7/1/2011...

O ano 2017 tem há algum tempo despertado a minha atenção e curiosidade. Sendo eu um curioso investigador das profecias bíblicas relacionadas com o fim dos tempos, qualquer matéria é prontamente analisada e considerada, quando o caso é para isso. Na minha apresentação "Israel - o relógio profético de Deus" postada no blog em 1 de Novembro de 2010, levanto a certa altura a questão: "o que nos trará 2017?"
A questão tem a ver com datas, previsões e cumprimentos. Sei que há quem ache que datas e números não têm qualquer relevância bíblica, mas o estudo aprofundado das Sagradas Escrituras conduzirá facilmente a uma opinião diferente. 
Por exemplo, em 1897 Theodore Herzl durante o 1º congresso sionista "sonhou" com um estado moderno judaico na Terra de Israel para daí a 50 anos. E 50 anos depois - o tempo de um Jubileu bíblico - em 1947, as Nações Unidas declaram a divisão da "Palestina" em 2 estados, um judeu e um árabe, dando portanto origem à moderna "existência" de Israel.
70 anos depois - o tempo de uma geração bíblica - em 1967, Jerusalém volta às mãosSHALOM ISRAEL
sábado, dezembro 31, 2016
O QUE NOS TRARÁ 2017? - ACTUALIZAÇÃO DO MEU ARTIGO AQUI PUBLICADO EM 7/1/2011...

O ano 2017 tem há algum tempo despertado a minha atenção e curiosidade. Sendo eu um curioso investigador das profecias bíblicas relacionadas com o fim dos tempos, qualquer matéria é prontamente analisada e considerada, quando o caso é para isso. Na minha apresentação "Israel - o relógio profético de Deus" postada no blog em 1 de Novembro de 2010, levanto a certa altura a questão: "o que nos trará 2017?"
A questão tem a ver com datas, previsões e cumprimentos. Sei que há quem ache que datas e números não têm qualquer relevância bíblica, mas o estudo aprofundado das Sagradas Escrituras conduzirá facilmente a uma opinião diferente. 
Por exemplo, em 1897 Theodore Herzl durante o 1º congresso sionista "sonhou" com um estado moderno judaico na Terra de Israel para daí a 50 anos. E 50 anos depois - o tempo de um Jubileu bíblico - em 1947, as Nações Unidas declaram a divisão da "Palestina" em 2 estados, um judeu e um árabe, dando portanto origem à moderna "existência" de Israel.


E 70 anos depois - o tempo de uma geração bíblica - em 1967, Jerusalém volta às mãos dos judeus, após quase 2 mil anos de dispersão, tornando-se na sua capital eterna e indivisível.

Por quê 2017 agora? Porque de 1947 (início da existência do Israel moderno) até 2017, irão decorrer exactamente 70 anos, ou seja, o tempo de uma geração bíblica. Muitos intérpretes da Bíblia acham que quando Jesus, o Messias, referiu no Seu sermão profético "Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça" (Mateus 24:34), Se estava a referir à geração que veria todos os sinais acontecerem, especialmente os que concernem a Israel, o que significaria que essa geração teria de ver a vinda do Messias até 2017. Na minha humilde opinião, faz sentido.
Mas a minha atenção tem sido recentemente despertada pela especulação acerca do ano de 2017 como "o ano da vinda do reino", usando como base as "profecias dos jubileus" do conhecido rabino Judá Ben Samuel.

Quem é este rabino?
Judá Ben Samuel foi um piedoso judeu alemão, que viveu entre 1140 e 1217, e que antes da sua morte (em 1217) profetizou acerca da nação de Israel.
E as suas profecias, a que eu prefiro chamar "visões", têm a ver com períodos de tempo relacionados com os jubileus bíblicos, portanto períodos de 50 anos cada - Levítico 25:8-13. Segundo ele, o Império Otomano turco reinaria sobre a Cidade santa de Jerusalém por 8 Jubileus, portanto 8 x 50 = 400 anos. E assim aconteceu: 300 anos depois da "visão" de Ben Samuel, em 1517, or turcos do Império otomano tomaram o controle de Jerusalém, dominando a cidade nos 400 anos seguintes.


E foi exactamente 400 anos depois, portanto 8 jubileus depois, que os turcos foram expulsos da Terra Santa pelas forças do general inglês George Allenby, um devoto cristão, tendo Jerusalém sido capturada e libertada pelos britânicos em 9 de Dezembro de 1917, durante a Festa do Hanuká, sem que um só tiro tivesse sido disparado! A primeira parte da "visão" do rabino concretizou-se com exactidão!
Mas o rabino tinha também profetizado que durante o 9º ano Jubileu - portanto 450 anos a contar da invasão turca de 1517 - Jerusalém se tornaria numa "terra de ninguém". E isso aconteceu exactamente: entre 1917 e 1967 Jerusalém foi colocada sob a alçada britânica a mando da Liga das Nações, não pertencendo literalmente a nenhuma nação. 



DECLARAÇÃO DE BALFOUR
Foi em 1917 também que se deram grandes acontecimentos mundiais, ainda em plena 1ª Guerra Mundial: em Outubro, ocorreu a revolução russa, a "Revolução Vermelha", que trouxe o comunismo ao poder na Rússia. A bolsa de valores dos EUA atingiu o seu ponto mais baixo em Dezembro desse ano.
Em Novembro desse ano foi assinada a "Declaração de Balfour", permitindo o estabelecimento do "Lar Nacional Judeu na Palestina."

Até mesmo depois da Guerra da Independência de Israel (1948 - 1949) Jerusalém estava dividida, com judeus dominando de um lado e os jordanos do outro, havendo uma faixa de terra a meio que ninguém podia atravessar. 
Só em 1967 (portanto 450 anos depois, ou 9 jubileus depois) é que Jerusalém deixou de ser "terra de ninguém" para voltar à soberania de Israel. A segunda parte da "visão" do rabino concretizou-se com exactidão!
Mas a terceira parte da visão é ainda mais empolgante: o rabino Samuel profetizou que no décimo Jubileu, portanto 10 x 50 anos = 500 anos desde a conquista dos turcos (1517), ou seja, em 2017, Jerusalém estaria sob o domínio dos Judeus depois de mais de 2 mil anos de diáspora judaica, e o Reinado Messiânico se iniciaria no final deste período. O décimo Jubileu iniciou-se em 1967 e vai terminar em 2017.


Acredito que estamos a caminho dos momentos finais da História humana - pelo menos desta presente dispensação, ou época. Especular sobre datas é sempre perigoso e pode até tornar-se uma obsessão. Não vamos por aí.
Contudo isso não nos impede de estarmos atentos aos sinais, e não descartarmos estas "evidências" histórias e, por que não, até proféticas, desde que elas não ponham em causa a revelação divina. E esse não é o caso.

A Bíblia afirma claramente que o Reino está para vir. Será em 2017? Poderá ser depois? Não sabemos. 



O GRANDE ENGANO
Desde que escrevi este artigo no início do ano 2011, tenho pensado que poderá de facto ocorrer algum evento significativo para o povo judeu durante este ano de 2017, com a acção de algum interveniente favorável a Israel, e que nessa qualidade seja recebido como o seu "Messias."
É que a Bíblia revela que antes que venha o "Verdadeiro", terá de se manifestar o "falso", e esse será bem aceite pelo povo judeu. 
O "Verdadeiro Messias", o Senhor Jesus, pré-anunciou essa terrível e enganosa escolha do povo judeu: "Eu vim em Nome de Meu Pai, e vós (os judeus) não Me recebeis. Se outro vier em seu próprio nome, a esse recebereis" - Evangelho segundo João 5:43.

Dar-se à o caso de em 2017 ser assinado o "pacto firme com muitos" por 7 anos, dando assim início à 70ª semana profética anunciada por Daniel há mais de 2.500 anos?
Talvez seja essa "vinda" que o rabi Judá Ben Samuel "viu" para 2017, não conseguindo no entanto diferenciar entre o "Verdadeiro" e o "Falso"...
Se assim for, e creio que antes que o verdadeiro Messias Se manifeste, o falso messias (vulgo: Anti-Cristo) terá de surgir no palco e cumprir o seu diabólico plano de engano e falsidade, especialmente ao povo judeu, esse mesmo povo tão expectante e ansioso pela vinda do Reino do Messias...

Mas disto, de uma coisa estou certo: quando Jesus nos ensinou a orar: "Venha o Teu Reino" é porque ele virá, e tudo indica que estamos próximos desse Grande Dia! 

Maranatha! Assim estejamos nós prontos...
Shalom, Israel!
Publicada por Shalom à(s) 12/31/2016  dos judeus, após quase 2 mil anos de dispersão, tornando-se na sua capital eterna e indivisível.

Por quê 2017 agora? Porque de 1947 (início da existência do Israel moderno) até 2017, irão decorrer exactamente 70 anos, ou seja, o tempo de uma geração bíblica. Muitos intérpretes da Bíblia acham que quando Jesus, o Messias, referiu no Seu sermão profético "Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça" (Mateus 24:34), Se estava a referir à geração que veria todos os sinais acontecerem, especialmente os que concernem a Israel, o que significaria que essa geração teria de ver a vinda do Messias até 2017. Na minha humilde opinião, faz sentido.
Mas a minha atenção tem sido recentemente despertada pela especulação acerca do ano de 2017 como "o ano da vinda do reino", usando como base as "profecias dos jubileus" do conhecido rabino Judá Ben Samuel.

Quem é este rabino?
Judá Ben Samuel foi um piedoso judeu alemão, que viveu entre 1140 e 1217, e que antes da sua morte (em 1217) profetizou acerca da nação de Israel.
E as suas profecias, a que eu prefiro chamar "visões", têm a ver com períodos de tempo relacionados com os jubileus bíblicos, portanto períodos de 50 anos cada - Levítico 25:8-13. Segundo ele, o Império Otomano turco reinaria sobre a Cidade santa de Jerusalém por 8 Jubileus, portanto 8 x 50 = 400 anos. E assim aconteceu: 300 anos depois da "visão" de Ben Samuel, em 1517, or turcos do Império otomano tomaram o controle de Jerusalém, dominando a cidade nos 400 anos seguintes.
E foi exactamente 400 anos depois, portanto 8 jubileus depois, que os turcos foram expulsos da Terra Santa pelas forças do general inglês George Allenby, um devoto cristão, tendo Jerusalém sido capturada e libertada pelos britânicos em 9 de Dezembro de 1917, durante a Festa do Hanuká, sem que um só tiro tivesse sido disparado! A primeira parte da "visão" do rabino concretizou-se com exactidão!
Mas o rabino tinha também profetizado que durante o 9º ano Jubileu - portanto 450 anos a contar da invasão turca de 1517 - Jerusalém se tornaria numa "terra de ninguém". E isso aconteceu exactamente: entre 1917 e 1967 Jerusalém foi colocada sob a alçada britânica a mando da Liga das Nações, não pertencendo literalmente a nenhuma nação.

DECLARAÇÃO DE BALFOUR
Foi em 1917 também que se deram grandes acontecimentos mundiais, ainda em plena 1ª Guerra Mundial: em Outubro, ocorreu a revolução russa, a"Revolução Vermelha", que trouxe o comunismo ao poder na Rússia. A bolsa de valores dos EUA atingiu o seu ponto mais baixo em Dezembro desse ano.
Em Novembro desse ano foi assinada a "Declaração de Balfour", permitindo o estabelecimento do "Lar Nacional Judeu na Palestina."

Até mesmo depois da Guerra da Independência de Israel (1948 - 1949) Jerusalém estava dividida, com judeus dominando de um lado e os jordanos do outro, havendo uma faixa de terra a meio que ninguém podia atravessar. 
Só em 1967 (portanto 450 anos depois, ou 9 jubileus depois) é que Jerusalém deixou de ser "terra de ninguém" para voltar à soberania de Israel. A segunda parte da "visão" do rabino concretizou-se com exactidão!
Mas a terceira parte da visão é ainda mais empolgante: o rabino Samuel profetizou que no décimo Jubileu, portanto 10 x 50 anos = 500 anos desde a conquista dos turcos (1517), ou seja, em 2017, Jerusalém estaria sob o domínio dos Judeus depois de mais de 2 mil anos de diáspora judaica, e o Reinado Messiânico se iniciaria no final deste período. O décimo Jubileu iniciou-se em 1967 e vai terminar em 2017.


Acredito que estamos a caminho dos momentos finais da História humana - pelo menos desta presente dispensação, ou época. Especular sobre datas é sempre perigoso e pode até tornar-se uma obsessão. Não vamos por aí.
Contudo isso não nos impede de estarmos atentos aos sinais, e não descartarmos estas "evidências" histórias e, por que não, até proféticas, desde que elas não ponham em causa a revelação divina. E esse não é o caso.
A Bíblia afirma claramente que o Reino está para vir. Será em 2017? Poderá ser depois? Não sabemos.

O GRANDE ENGANO
Desde que escrevi este artigo no início do ano 2011, tenho pensado que poderá de facto ocorrer algum evento significativo para o povo judeu durante este ano de 2017, com a acção de algum interveniente favorável a Israel, e que nessa qualidade seja recebido como o seu "Messias."
É que a Bíblia revela que antes que venha o "Verdadeiro", terá de se manifestar o "falso", e esse será bem aceite pelo povo judeu. 
O "Verdadeiro Messias", o Senhor Jesus, pré-anunciou essa terrível e enganosa escolha do povo judeu: "Eu vim em Nome de Meu Pai, e vós (os judeus) não Me recebeis.Se outro vier em seu próprio nome, a esse recebereis"- Evangelho segundo João 5:43.

Dar-se à o caso de em 2017 ser assinado o "pacto firme com muitos" por 7 anos, dando assim início à 70ª semana profética anunciada por Daniel há mais de 2.500 anos?
Talvez seja essa "vinda" que o rabi Judá Ben Samuel "viu" para 2017, não conseguindo no entanto diferenciar entre o "Verdadeiro" e o "Falso"...
Se assim for, e creio que antes que o verdadeiro Messias Se manifeste, o falso messias (vulgo: Anti-Cristo) terá de surgir no palco e cumprir o seu diabólico plano de engano e falsidade, especialmente ao povo judeu, esse mesmo povo tão expectante e ansioso pela vinda do Reino do Messias...

Mas disto, de uma coisa estou certo: quando Jesus nos ensinou a orar: "Venha o Teu Reino" é porque ele virá, e tudo indica que estamos próximos desse Grande Dia!

MaranathaAssim estejamos nós prontos...
Shalom, Israel!
http://shalom-israel-shalom.blogspot.com.br/2016/12/o-que-nos-trara-2017-excertos-do-meu.html

ÓTIMO COMENTÁRIO SOBRE A ATUAÇÃO FEMININA NAS IGREJAS: MULHERES, CALEM A BOCA! PEROLAS DO ARAMAICO

ÓTIMO COMENTÁRIO SOBRE A ATUAÇÃO FEMININA NAS IGREJAS:
MULHERES, CALEM A BOCA! PEROLAS DO ARAMAICO

Uma das passagens mais difíceis de digerir nas Escrituras é onde supostamente Rav. Sha'ul (Paulo) ordena que as mulheres calem a boca. Por muito tempo, eu mesmo me senti bastante desconfortável com tal passagem, buscando entender o contexto de modo a tentar esclarecer o que aparentava ser uma demonstração de machismo por parte de Rav. Sha'ul.

O texto das filhas de Bavel (Babilônia) diz:
"As mulheres estejam caladas nas igrejas; porque lhes não é permitido falar; mas estejam submissas como também ordena a lei. E, se querem aprender alguma coisa, perguntem em casa a seus próprios maridos; porque é indecoroso para a mulher o falar na igreja." (1 Co 14:34-35 – Almeida, do Grego)

Além do evidente machismo, há duas coisas que não batem aqui com o restante das Escrituras. A primeira é que a Torá nunca ordenou que as mulheres ficassem caladas.
A segunda é o desencorajar as mulheres a quererem aprender da Palavra nas congregações. A própria atitude de Yeshua é contrária a isso.

Será que o aramaico tem algo a nos ensinar? Poderia o grego estar fazendo alguma leitura equivocada do aramaico?

A resposta é sim! E o problema encontra-se em quatro expressões do aramaico, que o tradutor grego, talvez por desconhecer a cultura semita, se equivoca ao traduzir. A primeira delas é "shatiycan", traduzida pelo grego como "calar-se". O problema é que "shatiycan" não significa calar-se, mas sim acalmar-se. É uma expressão usada particularmente para quando alguém está exaltado.

A segunda é "d'anmalan", que é uma expressão rara no aramaico bíblico, e que é traduzida pelo grego como "falar". Porém, é melhor entendida como um "falar exaltadamente". Essa expressão ainda vem junto com "aela", que significa "lamentar em voz alta".
Temos portanto "d'anmalan aela" como um "bate-boca." 

Ou seja, as mulheres de Corinto não estavam falando ou indagando normalmente, mas sim estavam batendo boca.

A terceira é "d'shalan l'bayelaehin", que pode significar "perguntar ao marido" mas também "ter paz com o marido."

Dentro do contexto de "d'anmalan", vemos que a traduzção que mais cabe é de fato "ter paz com o marido."

Por fim, temos a expressão "d'nialpan" que pode ser traduzida como "aprender" ou "ensinar".

O grego opta por "aprender", reduzindo o aprendizado a mulher ao lar, o que contraria as Escrituras. Porém, se entendermos aqui "d'nialpan" como "ensinar", temos Rav. Sha'ul (Paulo) dizendo para as mulheres (dentro do contexto acima): Se querem ensinar alguma coisa, tende paz. Ou seja, ninguém consegue ensinar nada brigando. Muito mais razoável para o contexto.

Reparem também que o contexto do versículo anterior, que fala de confusão nas kehilot (Congregação) como não procedendo de D-us também favorece a leitura aramaica, em detrimento da grega.

Entendida a sucessão de trapalhadas do tradutor grego, responsáveis por algumas das piores atitudes machistas nas congregações, temos a tradução literal a partir do aramaico:
"porque Elohim não é Elohim de confusão, mas sim de shalom. Como em todas as kehilot dos santos, mulheres: fiquem calmas na kehilá (igreja). Não é portanto permitido brigar, conforme afirma a Torá (Lei). Se desejarem ensinar algo em vossos lares, tende paz com vossos maridos. Vergonhosa é para a kehilá a briga." (1 Coríntios 14:33-35 do aramaico.
Vergonhosa é a briga, e não a mulher que anseia por aprender da Palavra. Outra passagem extremamente controversa encontra-se na primeira carta de Rav. Sha’ul (Paulo) a Timóteo, no segundo capítulo.

Lemos o seguinte na versão das filhas de Bavel:

“A mulher aprenda em silêncio com toda a submissão. Pois não permito que a mulher ensine, nem tenha domínio sobre o homem, mas que esteja em silêncio.” (1 Timóteo 2:11-12, Almeida – do Grego)

Essa passagem também tem sido usada para convencer as mulheres a se sujeitarem ao jugo da dominação masculina. Curioso seria que Rav. Sha’ul (Paulo) dissesse que não é lícito que uma mulher domine sobre um homem (no sentido de ser sobre ele), quando temos na história de Israel pessoas como D’vorah (Débora), que foi juíza sobre o povo.

Será que Rav. Sha ’ul (Paulo) estava indo contra o Tanach?

Também não é verdade que tal tendência tenha vindo do Judaísmo, pois como já estudamos aqui, as mulheres eram extremamente ativas na comunidade primitiva.
A filha do Rebe Akiva, por exemplo, era uma figura que ensinava até a homens.
Mas então, o que será que diz o aramaico?

Segue a passagem literal:

“an'taa b'shelyaa hoat yalp'aa b'kul shuobedad l'an'taa geir l'malapuo loa mepas ana l'mamrachuo eal ga'bra aela t'hoea” (1 Timóteo 2:11-12 – Peshitta)
A tradução literal, palavra por palavra, seria:
“esposa com calma seja ensinar em tudo com alegria à esposa portanto convencer eu não ouse trazer homem queixa fique calma”

Arrumando a frase, temos a seguinte tradução a partir do aramaico:
“Seja todo o ensinar da esposa com calma e com alegria. Estou convencido, portanto, que a esposa não deve trazer queixa do marido, mas deve ficar calma.”(1 Timóteo 2:11-12 – Teshuvá 2ª Edição – A partir do aramaico)

Agora reparem no contexto. Logo acima desse texto, Rav. Sha’ul (Paulo) fala sobre
sobriedade na congregação. O que então estava acontecendo na comunidade???
Mulheres estavam se aproveitando do momento em que tinham a palavra para ensinar, e estavam trazendo A PÚBLICO queixas de seus maridos. 

O ensinar estava sendo uma desculpa para jogar pedras no marido, e tentar obter aprovação da congregação no assunto. Isso porque possivelmente as mulheres tinham pouca voz ativa dentro de casa, e por isso queriam se valer da congregação para tentarem prevalecer em seus argumentos.

Aliás, isso é algo que é possível ver mesmo hoje em dia. A recomendação de Rav. Sha’ul (Paulo) é clara: tenham calma no ensinar, e evitem alfinetar uns aos outros.
Em suma, poderíamos resumir com o famoso ditado que temos no português: “roupa suja se lava em casa.”

Em nenhum momento o aramaico dá qualquer indício de que Rav. Sha’ul (Paulo) teria mandado as mulheres aprenderem caladas. Até porque, no contexto semita, faz parte e é considerada saudável a exposição e o debate dos textos, onde todos são encorajados a participarem.

Infelizmente, o grego contribuiu para que o machismo fosse justificado por tal tradução odiosa. 

Baruch HaShem, porque o Eterno nos revela a verdade!"

Oswaldo Merino.

domingo, 1 de janeiro de 2017

10 jeitos de usar vinagre de maçã

10 jeitos de usar vinagre de maçã


A partir da fermentação alcoólica da fruta se obtém esse líquido que vai muito além do tempero da saladinha. Ele serve para desengordurar, eliminar odores e remover manchas difíceis.

10 jeitos de usar vinagre de maçã | Crédito: Shutterstock


1- Desentupidor de pia

O ralo está obstruído? Jogue meio copo de bicarbonato de sódio no buraco e, em seguida, meio copo de vinagre de maçã. Após 20 minutos derrame água quente pelo ralo por dez segundos. A mistura dissolve a gordura e outros detritos.

2 - Folhagem verdinha

Manchas amarelas estão pintando suas plantas e deixando-as feias. Provavelmente, a culpa é do aumento do pH do solo. Para resolver o problema, regue o jardim com a mistura de 2 colheres (sopa) de vinagre de maçã e 1/4 de xícara (chá) de água. Repita o processo uma vez por semana, por 21 dias. O vinagre reequilibra e nutre a terra.

3 - Sem caspa

Acabe com a descamação do couro cabeludo aplicando, com um borrifador, a mesma quantidade de vinagre e água. O poder antisséptico do produto elimina o micróbio causador da caspa.

4 - Força para emagrecer

Beba antes de cada refeição 240 ml de água mineral com 2 colheres (sopa) de vinagre de maçã. Estudos comprovam que o ácido acético do vinagre aumenta 10% a queima de gordura e reduz a fome.

5 - Removedor de ferrugem

Se o suporte de metal da árvore de Natal está todo enferrujado, coloque-o de molho numa bacia com vinagre de maçã. O tempero interrompe o processo de oxidação. Após uma hora, finalize a limpeza esfregando a peça com uma esponja de cozinha.

6 - Carne mais macia

Para servir uma peça tenra, misture numa travessa 2 copos de vinagre de maçã, 1/2 copo de óleo vegetal, 2 colheres (sopa) de molho de soja, 1 colher (sopa) de molho inglês, 1 colher (sopa) de sal marinho e 2 colheres (sopa) de alho amassado. Deixe a carne no líquido por três horas antes do preparo. Você vai arrasar!

7 - Mancha de desodorante?

Se livrar dessa marca branca é fácil. Embeba uma esponja na mistura de partes iguais de água e vinagre e aplique no tecido. A acidez do tempero quebra a ação do alumínio do cosmético, removendo a mancha. Lave a blusa normalmente depois de 20 minutos.

8 - Neutralizador de odores

Se a ideia é evitar ou minimizar a dor de cabeça provocada por cheiro forte de tinta ou solvente, espalhe pelo ambiente potinhos com vinagre de maçã. O líquido muda a estrutura química do vapor expelido por esses produtos, neutralizando-os.

9 - Macarrão soltinho

Sua massa sempre fica molenga? Quando a água ferver, jogue 1 colher (sopa) de vinagre de maçã, coloque o macarrão e mexa. O tempero reduz o amido do carboidrato — que favorece a maciez — sem alterar o sabor.

10 - Xô, mosquitos!

Mande os insetos que ficam rondando as frutas para bem longe deixando ao lado da fruteira uma garrafa com 1/2 litro de vinagre de maçã misturado a cinco gotas de detergente. Os insetos serão atraídos pelo cheiro do vinagre e ficarão presos no líquido por causa do sabão.
http://maxima.uol.com.br/noticias/comportamento/10-jeitos-de-usar-vinagre-de-maca.phtml#.WGmitXXd88o